Espaço e Desamparo em “A obscena Senhora D” – uma reflexão interdisciplinar por meio da Arquitetura e da Psicanálise a partir da novela de Hilda Hilst.

Humberto Lima

Resumo


Resumo: Este texto consiste numa interpretação intersemiótica. Justapondo teorias que versam sobre o espaço arquitetônico e a psicanálise, o ensaio aborda questões subjetivas da arquitetura, a partir da novela “A obscena Senhora D”, de Hilda Hilst (2001). Partindo do pressuposto que a arquitetura se faz para além da sua materialidade, discute-se a conexão do humano com o espaço construído, explorando o conceito do Desamparo freudiano como possível elemento estruturante de tal relação. Teoria e ficção, espaço literário e arquitetônico, personagens e sujeito humano, se fundem na tentativa de explorar e explicar os processos inconscientes e de ordem simbólica que a permeiam.

Palavras-chave: Espaço arquitetônico. Desamparo. Psicanálise. Espaço literário.

 

Abstract: This text consists of an intersemiotic interpretation. By juxtaposing theories on architectural space and psychoanalysis, the essay approaches subjective questions of architecture, through Hilda Hilst's novel "A obscena Senhora D" (2001). Based on the assumption that architecture is done beyond its materiality, the relationship between the human and the constructed space is discussed, exploring the concept of Freudian Helplessness as a possible structuring element of such a relation. Theory and fiction, literary and architectural space, characters and human being, are merged in the attempt to explore and explain the unconscious and symbolic processes that permeate it.

Keywords: Architectural space. Helplessness. Psychoanalysis.  Literary space.

 

Resumé: Ce texte est une interprétation intersémiotique. En juxtaposant des théories sur l'espace architectural et la psychanalyse, l'essai aborde des questions subjectives d'architecture, tirées du roman "A obscena Senhora D", de Hilda Hilst (2001). Basé sur l'hypothèse que l'architecture est faite au-delà de sa matérialité, la connexion entre l’être humain et l'espace construit est discutée, en explorant le concept du Détresse freudien comme un élément possible pour structurer cette relation. La théorie et la fiction, l'espace littéraire et l’architectural, les personnages et le sujet humain se fondent dans la tentative d'explorer et d'expliquer les processus inconscients et symboliques qui la traversent.

Mots-clès: Espace architectural. Détresse.  Psychanalyse. Espace littéraire.


Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: M. Fontes, 1989.

BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1988.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

______. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 2009.

CHOAY, Françoise. Le De re aedificatoria et l’instituition de la societé. In:____. Pour une anthropologie de l’espace. Paris: Éditions du Seuil, p. 374-401, 2006.

COELHO NETTO, José Teixeira. A construção do sentido na arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 1984.

ECO, Umberto. Function and sign: semiotics of architecture. In: GOTTDIENER, M; FORTY, Adrian. Words and buildings: a vocabulary of modern architecture. London: Thames & Hudson, 2004.

FREUD, Sigmund. (1916). Conferência XXII: algumas ideias sobre desenvolvimento e regressão – etiologia. In: S. Freud, Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 16). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

______. (1895). Projeto para uma psicologia científica. Rio de Janeiro: Imago, 1969.

______.(1916). Alguns tipos de caráter encontrados no trabalho psicanalítico. In: ___. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

______. (1927). O Futuro de uma ilusão. Rio de Janeiro: Imago, 1969.

______. (1930-1936): O mal-estar na civilização e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

______. O método de interpretação dos sonhos. Porto Alegre: L&PM, 2013.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. O desejo. In:____. Freud e o inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 139-150, 1992.

HEIDEGGER, Martin. Construir, habitar e pensar. Bauen, Wohnen, Denken. 1951. Conferência pronunciada por ocasião da "Segunda Reunião de Darmstadt", publicada em Vortage und Aufsatze, G. Neske, Pfullingen, 1954. Disponível em: <>. Acessado em: 26 nov. 2017.

HERRMANN, Fábio. A psique e o eu. São Paulo: Hepyché, 1999.

HILST, Hilda. A obscena senhora D. São Paulo: Globo, 2001.

KAUFMANN, Pierre. Dicionário enciclopédico de psicanálise: o legado de Freud e Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

LEITÃO, Lúcia. Entra na tua casa: anotações sobre arquitetura, espaço e subjetividade. In: AMORIM, Luiz; LEITÃO, Lúcia (orgs.). A casa nossa de cada dia. Recife: Ed. Universitária UFPE, p. 47-70, 2007.

MARC, Olivier. La psychanalyse de la maison. Paris: Éditions du Seuil, 1972.

MARKUS, Thomas A.; CAMERON, Deborah. The words between the spaces: buildings and language. London and New York: Routledge, 2002.

NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teoria (1965-1995). 2.ed. rev. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

ROCHA, Zeferino. Desamparo e metapsicologia: para situar o conceito de Desamparo no contexto da metapsicologia freudiana. In: SÍNTESE REVISTA DE FILOSOFIA. Síntese: Belo Horizonte, v.26, n.86, pp. 331- 346, 1999.

______. Freud e o Desamparo (Hilflosigkeit). In:___. Ensaios psicanalíticos com interface com a Filosofia. Recife: CEPE, p.133-148, 2016.

RYKWERT, Joseph. A casa de Adão no paraíso. São Paulo: Perspectiva, 2003.

SOUZA, Paulo César de. As palavras de Freud. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ZEVI, Bruno. Saber ver a arquitetura. São Paulo: M. Fontes, 1997.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.