Um Éden nos trópicos: as projeções do paraíso em um móvel colonial

Lourival da Silva Burlamaqui Neto

Resumo


Este trabalho propõe a análise iconográfica de um arcaz presente no convento Franciscano de Olinda. Investiga-se a significação que as imagens do móvel, possuíam para o público setecentista. No curso desse exame, essas figuras são associadas com a visão paradisíaca das Américas, tema muito popular nos dois primeiros séculos de colonização. Posteriormente, apresenta-se a definição Pathosformel cunhada por Aby Warburg. Esse conceito pressupõe que a configuração cinética de uma imagem encerra um valor expressivo. Assim, entende-se a profusão de elementos tropicais na peça como uma tentativa de apresentar o Éden americano extasiado, acentuando-se o teor paradisíaco do novo mundo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Aby Warburg e a ciência sem nome. IN: ______ A potência do pensamento: ensaios e conferências. Tradução: António Guerreiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

______. O tempo que resta: um comentário à Carta aos Romanos. Tradução: Davi Pessoa. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

ÁVILA, Affonso. O elemento lúdico nas formas de expressão do Barroco. IN: ÁVILA et al. Barroco 02. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade Federal de Minas Gerais, 1970.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

CARVALHO, Anna Maria F. Monteiro de. O complexo construtivo franciscano de Olinda no Brasil Colonial: Aspectos sócio urbanos, arquitetônicos e artísticos. IN: Os Franciscanos no mundo português III: o legado franciscano. Porto: CEPESE, 2013.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o Homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. Tradução: Tomás Rosa Bueno. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2016.

COSTA, Rafael Ferreira. A sacristia do convento de São Francisco de Olinda. 2017. Dissertação (Mestrado em História da arte Portuguesa) – Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Universidade do Porto, Porto, 2017.

DIDI-HUBERMAN, George. Ante el tiempo: Historia del arte y anacronismo de las imágenes. Traducción: Oscar Antonio Oviedo Funes. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução: Pola Civelli. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

HOMERO. Ilíada. Tradução: Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics Companhia das letras, 2013.

ROSÁRIO, António do. Frutas do Brasil numa nova e ascetica Monarchia. Lisboa: Officina de Antonio Pedrozo Galrão, 1702.

SOUZA, Laura de Mello e. O Diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das letras, 2005.

VASCONCELLOS, Simão de. Noticias curiosas e necessárias das cousas do Brasil. Lisboa: Officina de Joam da Costa, 1668.

VIEIRA, Antonio. Sermões. Organização e introdução: Alcir Pécora. São Paulo: Hedra, 2014.

WARBURG, Aby. Atlas Mnemosyne. Madrid: Ediciones Akal, 2010.

______. Histórias de fantasmas para gente grande: escritos, esboços e conferências. Tradução: Lenin Bicudo Bárbara. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.