Ironia imagética em Saramago: pintando cavernas e jangadas com palavras

Kazue Saito Monteiro de Barros, Liliane Felix Valença Cintra

Resumo


Este estudo teve como objetivo caracterizar e definir a ironia, investigando suas diferentes estratégias de formulação. Nosso corpus compõe-se dos romances A CavernaA Jangada de Pedra, ambos de José Saramago. Foram utilizados não só estudos específicos sobre a ironia, mas também pressupostos e conceitos do Sociointeracionismo Americano.  Concluiu-se que o fenômeno irônico pode revelar-se sob três formas de construção: (1) de forma predominantemente verbal; (2) por meio da multimodalidade, em que fotos, desenhos e cores diferenciadas unem-se a recursos linguísticos para a produção de sentido; (3) por meio exclusivamente verbal, porém gerando uma imagem que, uma vez concluída, dispensa a linguagem utilizada em sua formação e inscreve-se como desenho crítico na mente dos leitores. Neste artigo, nos deteremos no estudo desse terceiro tipo de ironia identificado, aqui chamado de ironia imagética.

Palavras-chave: tipos de ironia; ironia imagética; romances.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.