O Conceito de arbitrariedade e o pulo da experiência para a linguagem: o que uma (re)leitura de Saussure pode dizer à Linguística Cognitiva?

Maitê Moraes Gil, Aline Aver Vanin

Resumo


A concepção saussuriana de que o que se acredita ser real corresponde apenas a um construto, e não a um objeto pronto, ilumina os caminhos para os estudos sobre o fenômeno da linguagem. Ao romper com o paradigma ontológico da ligação entre um nome e a coisa por ele representada, o genebrino abre os caminhos para teorias linguísticas subsequentes, em especial aquelas preocupadas com a significação. Neste texto, empreendemos uma leitura prospectiva de Saussure para entender como essa construção do conceito de arbitrariedade pode expandir e delimitar a relação entre experiência e linguagem, aspecto caro à Linguística Cognitiva.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.