LEITURA E MEMÓRIA

Onici Claro Flôres, Rosane Maria Cardoso

Resumo


Este ensaio discute a importância da(s) memória(s) para o aprendizado da leitura e descrição do seu processamento. Integram-no uma revisão dos estudos sobre memória individual, seguida de menção às pesquisas sobre o cérebro humano (neurociências). Após, propõe-se inter-relacionar as pesquisas da memória individual e a memória social, além de se mobilizar o conceito de memória discursiva (AD) para discutir interpretação/compreensão leitora. Por fim, reporta-se ao conceito de memórias implícitas, sobretudo, ao de falsas memórias, relacionando-o a um aspecto da atividade leitora, estabelecendo dessa forma um vínculo pontual entre pesquisas sobre memória e pesquisas sobre leitura.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, G. 2007. Homem, animal de duas cabeças. Disponível em: .

APEE D. PEDRO IV (s.d.). Curiosidades do cérebro. Disponível em: .

BADDELEY, A. 2000. The episodic buffer: a new component of working memory? Trends in Cognitive Sciences, 14 (11): 414-23.

BADDELEY, A.; ANDERSON, M. C.; EYSENCK, M. W. 2011. Memória. Tradução de Cornélia Stolting. Porto Alegre: Artmed.

BARTLETT, F. C. 1932. Remembering: A study in experimental and social psychology. London: Cambridge University Press.

CARDOSO, Rosane. 2011. Sobre a narrativa cubana contemporânea – o gênero “noir” de Leonardo Padura. Revista UNILETRAS, v. 33, n. 1, p. 113-126. Disponível em: .

CRAIK, F. I. M.; LOCKHART, R. S. 1972. Levels of processing: A framework for memory research. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, 11(6), p. 671-684.

DAMÁSIO, A. 2004. Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das Letras.

DELGADO BUSNELLO, R. H. 2010. Memória implícita, priming e falsas memórias. In: Lilian M. Stein e colaboradores. Falsas Memórias: fundamentos científicos e suas aplicações clínicas e jurídicas. Porto Alegre: Artmed.

COUTO, R. C. de M. 2008. Memória, história e Neurociência(s): Algumas considerações. Polêmica. Seção Questões Contemporâneas, v. 7, n. 1, jan.-mar. Disponível em: .

ECO, U. 2005a. A misteriosa chama da rainha Loana. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Record.

______. 2004. Os limites da Interpretação. Tradução de Pérola de Carvalho. 2. ed. São Paulo: Perspectiva.

______. 2005b. Interpretação e Superinterpretação. Tradução de M.F. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

EYSENCK, M. W.; KEANE, M. T. 1994. Psicologia Cognitiva – Um Manual Introdutório. Tradução de Wagner Gesser e Maria Helena Fenalti Gesser. Porto Alegre: Artes Médicas.

FLÔRES, O. C. 2008. Leitura, memória e texto poético. Signo. Santa Cruz do Sul, v. 33, n.55, p. 166-181, jul.- dez. Disponível em: .

IZQUIERDO, I. 2002. Memória. Porto Alegre: Artmed.

JELIN, E. 2012. Los trabajos de la memoria. 2. ed. Lima: Instituto de Estudios Peruanos (IEP).

LENT, R. 2004. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais da Neurociência. São Paulo: Atheneu.

MELLO, C.B.; XAVIER, G.F. 2005. Desenvolvimento da memória: influências do conhecimento de base e do uso de estratégias. In: C.B. Mello; M. C. Miranda; M. Muskat (Orgs.) Neuropsicologia do desenvolvimento: conceitos e abordagens. São Paulo: Memnon.

REYNA, V. F.; BRAINERD, C.J. 1995. Fuzzy-trace theory: An interim synthesis. Learning and individual Differences 7: 1-75.

______. 2011. Dual processes in decision making and developmental neuroscience: A fuzzy-trace model. Developmental Review 31(2): 180-206.

REYNA, V. F.; LLOYD, F. 1997. Theories of false memory in children and adults. Learning and Individual Differences 9, 95-123.

RICOEUR, P. 1999. La lectura del tiempo pasado: memoria y olvido. Espanha: Universidade Autónoma de Madrid, Arrecife.

ROEDIGER, H. L.; McDERMOTT, K. B. 1995. Creating false memories: Remembering words not presented on lists. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, 21, 803-814.

ROEDIGER, H. L.; McDERMOTT, K. B. 2000. Distortions of memory. In: E. Tulving e F. I. M. Craik. The Oxford Handbook of Memory. Oxford, England: Oxford University Press.

TELES DA SILVEIRA, R. A. 2007. Desafios Contemporâneos para o Estudo da Memória. Mimeo.

TULVING, E. 1972. Episodic and semantic memory. In: E. Tulving e W. Donaldson (Eds.) Organization of memory. London: Academic Press.

______. 1983. Elements of episodic memory. Oxford: Oxford University Press.

SMITH, F. 1999. Leitura Significativa. Tradução de Beatriz Affonso Neves. 3 ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

SMOLKA, A.L.B. 2000. A memória em questão: uma perspectiva histórico cultural. Educação e Sociedade, n. 71. Campinas: CEDES/Unicamp, pp. 166-193.

SQUIRE, L. R.; KANDEL, E. R. 2003. Memória: da mente às moléculas. Porto Alegre: Artmed.

STEIN, L. M et al. 2010. Falsas Memórias: fundamentos científicos e suas aplicações clínicas e jurídicas. Porto Alegre: Artmed.

STEIN, L. M.; NEUFELD, C. B. 2001. Falsas memórias: Por que lembramos de coisas que não aconteceram? Arquivos de Ciências da Saúde 5(2), 179-186.

STEIN, L. M.; PERGHER, G. K. 2001. Criando falsas memórias em adultos por meio de palavras associadas. Psicologia: Reflexão e Crítica 14(2), 353-366.

STERN, S. 2002. De la memoria suelta a la memoria emblemática: Hacia el recordar y el olvidar como proceso histórico (Chile, 1973-1998). In: E. Jelin (comp.). Las conmemoraciones: las disputas en las fechas “in-felices”. Madrid: Siglo XXI de España Editores.

STERNBERG, R. J. 2000. Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas.

VYGOTSKY, L. S. 2000. El problema del desarollo de las funciones psíquicas superiores. In: VIGOTSKY, L. S. Problemas del desarollo de la psique. Obras Escogidas, vol. III. Madrid: Visor.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.