O dizer sobre o fazer pedagógico: vozes e sentidos em um contexto de inclusão

Betânia Passos Medrado, Rosycléa da Silva Dantas

Resumo


A proposta educacional inclusiva ainda está ganhando formas e sentidos, configurando-se como um espaço para debates e investigações. Desse modo, objetivamos investigar os sentidos que uma professora de língua inglesa, na atividade educacional com alunos com deficiência visual, atribui ao seu fazer. A fundamentação teórico-metodológica insere-se nos postulados do Interacionismo Sociodiscursivo – ISD (Bronckart  2003 [1999], 2006, 2008) e nos documentos legais que regulamentam a educação inclusiva. A análise das entrevistas evidenciou que a professora, através dos temas e vozes mobilizados, atribui sentidos à sua prática como um trabalho permeado por conflitos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Wanderson Ferreira. 2010. O trabalho dos professores: saberes, valores, atividade. São Paulo: Papirus.

AMIGUES, René. 2004. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, Anna Rachel (Org.) O ensino como trabalho. São Paulo: EDUEL.

BAKHTIN, Mikhail. 1992 [1979]. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

BALBINO-NETO, Antonio; MEDRADO, Betânia Passos. 2011. Formação Inicial de Professores e Estágio Supervisionado: o ensino de línguas estrangeiras modernas a partir de uma concepção inclusiva de aprendizagem. In: SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE ENSINO DE LÍNGUA MATERNA E ESTRANGEIRA E DE LITERATURA, 2011, Campina Grande. Anais do VII SELIMEL. Campina Grande: Editora da UFCG. v. 07. :1-12.

BRASIL. 2001. Diretrizes para a educação especial na educação básica. Brasília: MEC/SEESP.

______. Resolução CNE/CP nº1, de 18 de fevereiro de 2002. 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf>. Acesso em: 16 mar. 2013.

______. 2004. O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (Orgs.). Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

______. 2007. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. São Paulo: MEC/SEESP.

______. 2011. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm>. Acesso em: 16 mar. 2013.

BRONCKART, Jean-Paul. 2003 [1999]. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: EDUC.

______. 2006. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. São Paulo: Mercado de Letras.

______. 2008. O Agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. São Paulo: Mercado de Letras.

______. 2009. Ensinar: um “métier” que, enfim, sai da sombra. In: MACHADO, Anna Rachel (Org.). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma perspectiva. São Paulo: Mercado de Letras.

CLOT, Yves. 2006. Vygostki: para além da Psicologia Cognitiva. Pro-posições. v. 17, nº2 :19-30.

_______. 2007. A função psicológica do trabalho. Rio de Janeiro: Vozes.

CARVALHO, Rosita. Elder. 2007. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação.

DANTAS, Rosycléa. 2010. “A gente vive num mundo normal”: Afetividade e construção do conhecimento na aula de língua inglesa para deficientes visuais. 2010. 58f. (monografia-inédita) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

DIONÍSIO, Ângela. 2001. Análise da Conversação. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Ana (Orgs.). Introdução à Linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, pp. 69-99.

FAÏTA, Daniel. 2004. Gêneros de discurso, gêneros de atividade, análise da atividade do professor. In: MACHADO, Anna Rachel (Org.). O ensino como trabalho. São Paulo: EDUEL.

FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga et al. 2007. Atendimento Educacional Especializado – Aspectos Legais e Orientações Pedagógicas. Brasília: SEESP/SEED/MEC.

FERREIRA, Aurélio. 2001. Miniaurélio Século XXI Escolar: o minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

FLICK, Uwe. 2004. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

FREITAS, Soraia Napoleão. 2006. A formação de professores na educação inclusiva: construindo a base de todo o processo. In: RODRIGUES, David (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus.

FRIEDRICH, Janette. 2012. Lev Vigotski: mediação, aprendizagem e desenvolvimento: uma leitura filosófica e epistemológica. São Paulo: Mercado de Letras.

GONÇALVES, Maria Augusta Salin. 1999. Teoria da ação comunicativa de Habermas: possibilidades de uma ação educativa de cunho interdisciplinar na escola. Educação e Sociedade. São Leopoldo, ano XX, n.66, pp.125-140.

HEDEGAARD, Mariane. 2002. A zona de desenvolvimento proximal como base para o ensino. In: DANIELS, H. (Org.). Uma introdução a Vygostsky. São Paulo: Loyola, pp.199-228.

HOLZMAN, Lois Hood. 2002. Pragmatismo e materialismo dialético do desenvolvimento da linguagem. In: DANIELS, H. (Org.). Uma introdução a Vygostsky. São Paulo: Loyola, pp.83-110

LOUSADA, Eliane. Os pequenos grandes impedimentos da ação do professor: entre tentativas e decepções. In.: MACHADO, Anna Rachel. (Org). O Ensino como Trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004, p. 271-296.

MACHADO, Anna Rachel. 2007. Por uma concepção ampliada do trabalho do professor. In: GUIMARÃES, A. M. M. et al. (Orgs.). O Interacionismo Sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. São Paulo: Mercado de Letras, pp.77-100.

______. 2009. Trabalho prescrito, planificado e realizado na formação de professores: primeiro olhar. In: CRISTOVÃO, V. L. e ABREU-TARDELLI, L.S. (Orgs.). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. São Paulo: Mercado de Letras, pp.79-99.

______; BRONCKART, Jean-Paul. 2009. (Re-)configurações do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do grupo ALTER-LAEL. In: CRISTOVÃO, V. L. e ABREU-TARDELLI, L.S. (Orgs.). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. São Paulo: Mercado de Letras, pp.31-75.

MAGALHÃES, Maria Cecília Camargo. 2009. O método para Vygotsky: a zona proximal de desenvolvimento como zona de colaboração e criticidade criativas. In: SCHETTINI, R. H. et al (Orgs.). Vygostsky: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, pp.53-78.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. 1995. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Editorial PSY.

_____. O papel dos artefatos no desenvolvimento profissional: conflitos e formação inicial. In.: ARNOUX, Elvira Narvaja de e ROCA, María del Pilar (Eds.) Del español y el portuguès: lengas, discurso, enseñanza. João Pessoa: Editora UFPB, 2013, p. 171-196.

NOUROUDINE, Abdallah. 2002. A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In: SOUZA-E-SILVA, M. C. P. e FAÏTA, D. (Orgs.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez.

OLIVEIRA, Luzia de Fátima Medeiros de. 2009. Formação docente na escola inclusiva: diálogo como fio tecedor. Porto Alegre: Mediação.

RODRIGUES, David. 2008. Desenvolver a educação inclusiva: dimensões do desenvolvimento profissional. Inclusão: Revista da educação especial. Brasília, v.4, nº2. Jul./Out. :7-16.

SALGADO, Simone da Silva. 2008. Inclusão e processos de formação. In: SANTOS, Mônica Pereira e PAULINO, Marcos Moreira (Orgs.). Inclusão em educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez.

SANTOS, Boaventura de Sousa. 1999. A construção multicultural da igualdade e da diferença. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2013.

SKLIAR, Carlos. 2006. A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. In: RODRIGUES, David (Org.). Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, pp. 15-34.

______. 2010. Los sentidos implicados em el estar-juntos de la educación. Revista Educación y Pedagogía. Argentina, vol.22, nº 56. Jan./Abr. :101-111.

TARDIF, Maurice. 2011. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. 2000 [1934]. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Trad. José Cipolla Neto et al. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.