TERRITÓRIO, MULTIFUNCIONALIDADE E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO DE CASO A PARTIR DO TERRITÓRIO VALES DO CURU E ARACATIAÇU

Diana Mendes Cajado, João Luis Josino Soares, Gema Salgani Silveira Leite Esmeraldo

Resumo


Devido às múltiplas definições e apropriações do conceito de território, faz-se necessário referenciar sobre qual ótica esta será analisada neste artigo. Trataremos a abordagem territorial no contexto do desenvolvimento rural sustentável, quando o mesmo privilegia a agricultura familiar e dialoga com o enfoque da multifuncionalidade da agricultura. A introdução da noção de território nas análises do espaço rural e da agricultura familiar contribui para a reconstrução do significado de desenvolvimento rural. No campo, essas relações são construídas a partir do modo de produção familiar que, através de sua dinâmica e diversidade produtiva, reprodutiva, cultural e organizacional, transformam e re-significam o espaço rural, caracterizando-o como um reflexo de suas atividades, rompendo com o sinônimo simplista de setor produtivo, ampliando suas possibilidades e interpretações em um âmbito de território. No entanto, quando a concepção de território é apreendida por um programa de governo, quais relações são preservadas com a identidade e modo de vida das pessoas que são/estão inseridas nestes territórios? Na busca de desenvolvimento rural local, até onde um programa de base territorial consegue atender as demandas de uma comunidade? Assim, o presente artigo tem como objetivo verificar as relações entre o Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável (PTDRS) dos Vales do Curu e Aracatiaçu com a realidade das famílias da comunidade Apiques, no Assentamento Maceió, em Itapipoca-CE, e analisar se essas relações compreendem a multifuncionalidade da agricultura familiar como alternativa de desenvolvimento rural sustentável. Foram utilizadas as metodologias de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e Análise Diagnóstico de Sistemas Agrários (ADSA). O texto traz alguns produtos e reflexões como resultados obtidos, tais como o zoneamento, a tipologia de sistemas de produção, o fluxograma de fertilidade e produtos, o calendário de atividades e o gráfico de mão de obra. Concluiu-se que o PTRDS contribui com programas que visam à melhoria da qualidade de vida de homens, mulheres e jovens, proporcionando o acesso a serviços, como assistência técnica, inclusão digital, educação e água encanada, ao mesmo tempo em que desconsidera suas múltiplas funções no processo de desenvolvimento rural sustentável.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Brasília: MDA/NEAD; Consultoria IICA 940/98, 1998.

BONNAL, Philippe; MALUF, Renato. Do uso das noções de multifuncionalidade e território nas políticas agrícolas e rurais no Brasil. In: LIMA, E. N. et al. (Orgs.). Mundo rural IV – configurações rural-urbana. Rio de Janeiro: Mauad/Edur, 2007. pp. 217-236.

CAJADO, D. M. et al. Diagnóstico de Sistemas Agrários como ferramenta de construção da Educação do Campo: O caso da comunidade Apiques- Assentamento Maceió, Itapipoca-CE. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO/ SEMINÁRIO SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR E AS POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO CAMPO BRASILEIRO/ ENCONTRO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO, 3,3,1, Brasília, 2010. Anais... Brasília: UnB, 2010.

___________. Multifuncionaliade e pluriatividade como alternativas para o desenvolvimento rural sustentável: O caso da comunidade Apiques, assentamento Maceió-Itapipoca-CE. In: FÓRUM BRASILEIRO DO SEMIÁRIDO, 3, Sobral, 2011. Anais... Sobral: UVA, 2011.

CARNEIRO M. J.; MALUF R. S. (Eds.). Para além da produção: multifuncionalidade e

pluriatividade da agricultura. Rio de Janeiro: Mauad/Nead, 2003.

CAZELLA, A. A.; MATTEI, L. F. Multifuncionalidade agrícola e pluriatividade das famílias de agricultores: novas bases interpretativas para repensar o desenvolvimento rural. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE INVESTIGAÇÃO E EXTENSÃO AGROPECUÁRIA - IESA, 5, 2002, Florianópolis. Anais... Florianópolis: EPAGRI, 2002.

______________. A multifuncionalidade agrícola: A defesa de subsídios públicos para o desenvolvimento rural. Revista Marco Social: multifuncionalidade e agricultura familiar, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 12-15, jul. 2007.

______________.; BONNAL, P., MALUF, R.S. (Orgs.). Agricultura familiar, multifuncionalidade e desenvolvimento territorial no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, NEAD, IICA, 2009.

DIEGUES, A. C. S. Realidades e falácias sobre pescadores artesanais. In: DOCUMENTOS e relatórios de pesquisas nº 7. Centro de Culturas Marinhas – USP. São Paulo: USP, 1993.

DUFUMIER, Marc. Projetos de desenvolvimento agrícola: manual para especialistas.

Salvador: EDUFBA, 2007.

GARCIA FILHO, Danilo P. Guia metodológico de diagnóstico de sistemas agrários.

Brasília: INCRA/FAO, 1999.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no nordeste. Niterói: EdUFF, 1997.

HELDER, R. R. Como fazer análise documental. Porto: Universidade de Algarve, 2006.

LACERDA, T.F.N. A unidade familiar e as novas funções atribuídas à agricultura: o caso dos agricultores ecológicos do Território da Encosta da Serra Geral (Dissertação de mestrado). Porto Alegre: PGDR/UFRGS, 2005.

MALUF, R. A noção de Multifuncionalidade da agricultura, aspectos analíticos e implicações nas políticas públicas: experiência francesa e o caso do Brasil. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ, 2001.

PLOEG J.D. van der et alii. Rural Development: from practices and policies towards theory. Sociologia Ruralis, Netherlands, v. 40, n. 4, p. 391-407, 2000.

SCHNEIDER, S. A Pluriatividade na Agricultura Familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

SILVA NETO, B.; BASSO, D. (Org). Sistemas Agrários do Rio Grande do Sul: análise e recomendações de políticas. Ijuí: UNIJUÍ, 2005.

ZAPATA, T. Desenvolvimento Territorial: Curso de Desenvolvimento Territorial Endógeno. Florianópolis: SEaD/UFSC; Ministério da Integração Nacional, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: