O CONSUMO ESPECÍFICO DE LENHA COMO ÍNDICE TÉCNICO PARA O ORDENAMENTO FLORESTAL NO ARARIPE EM PERNAMBUCO

Francisco Carneiro Barreto Campello

Resumo


Este trabalho teve por objetivo analisar o consumo específico da lenha da Caatinga no processo de calcinação de gipsita no Polo Gesseiro do Araripe-PE, com a finalidade de subsidiar o planejamento de uma política florestal em que proporcione o equilíbrio entre os processos econômicos, ambientais e sociais. A mesma servirá para inferir se a região nas condições atuais suporta o crescimento da indústria do gesso, bem como instrumento de gestão/comando de controle nas ações dos órgãos ambientais na região. A pesquisa se desenvolveu junto às empresas da Assogesso, uma associação de calcinadores de gipsita. O estudo teve uma etapa de pesagem e medição direta da lenha para o estabelecimento da relação com o gesso produzido e uma de aplicação de questionários junto as empresas calcinadoras. Constatou-se que o tipo de forno com predominância de uso na região é o “Barriga Quente”, que consome em média 0,49 metro estere por tonelada de gesso produzida. Com base nesses dados, estima-se que são necessários 22.000 hectares de Caatinga por ano em plano de manejo sustentado com rotação variando entre 10 e 15 anos, dependendo do tipo de Caatinga. Conclui-se que apenas a vegetação nativa não possui capacidade de suporte para a indústria do gesso e que o uso de florestas de rápido crescimento é uma opção real para suprir essa necessidade e, indiretamente, diminuir a pressão sobre a vegetação nativa da região.

Texto completo:

PDF

Referências


AGENDHA. Produtos da sociobiodiversidade das Caatingas. Recife, 2008.

ALBUQUERQUE, J. de L. Diagnóstico ambiental e questões estratégicas: uma análise considerando o Polo Gesseiro do Sertão do Araripe – Estado de Pernambuco. 2002. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2002.

ARAÚJO FILHO, J.A. et al. Diagnóstico do Setor Florestal do Estado de Pernambuco. Recife, 1995.

ARAÚJO, S. M. S. O Polo Gesseiro do Araripe: Unidades Geo-ambientais e Impactos da Mineração. 2004. Tese (Doutorado em Ciências, Área de Administração e Política de Recursos Minerais) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências. Campinas, 2004.

ASSOGESSO (Associação dos Produtores de Gesso da Região do Araripe). Site Oficial. Sertão do Araripe, s.d. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2010.

ATECEL – Associação Técnica Científica Ernesto Luiz de Oliveira. Diagnóstico energético do setor industrial do Polo gesseiro da meso região de Araripina-PE. Campina Grande, 2006.

BARROS, B. C. Volumetria, densidade, carbono e calorimetria de espécies nativas e exóticas no Polo Gesseiro do Araripe. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, 2009.

CAMPELLO, F. C. B. et al. Avaliação dos recursos Florestais da área de Proteção Ambiental Chapada do Araripe. Crato, 2000.

CAMPELLO, F. C. B., Análise Do Consumo Específico De Lenha nas Indústrias Gesseiras: A Questão Florestal e sua Contribuição para o Desenvolvimento Sustentável da Região do Araripe – PE. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2011.

DANTAS, M. A hora e a vez da biomassa SINDUGESSO. Revista Brasil Gypsun Magazine, Recife, 2010.

FUPEF – Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. Apoio técnico e institucional para o desenvolvimento do programa florestal da Chapada do Araripe: Produto 2 – Diagnóstico. Curitiba, 2007.

GADELHA, F. H. L, Rendimento volumétrico e energético de clones de híbridos de Eucalyptus urophylla (Cruzamento Natural) e Eucalyptus brassiana (Cruzamento Natural) na Chapada do Araripe – PE, 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Programa Mata Nativa: Ações para a Sustentabilidade da Caatinga e o Combate ao desmatamento. Recife, 2007.

________. Monitoramento dos Biomas Brasileiros: Bioma Caatinga. Brasília, s.d. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2010.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil, grandes regiões e unidades da federação. IBGE, Censo agropec., Rio de Janeiro, 2006.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Mudanças Climáticas e suas Implicações para o Nordeste. Workshop sobre Cenários Climáticos do Semiárido e Implicações para o Desenvolvimento do Nordeste, Brasília, 2010a.

_____. Plano de Ação para a Prevenção e o Controle do Desmatamento na Caatinga. Brasília, 2010b.

PAUPITZ, J. et al. Fortalecimento Institucional da Gestão Florestal na Região Nordeste: Diagnóstico Socioeconômico e Institucional dos Estados. Projeto Conservação e Uso Sustentável da Caatinga (MMA/PNUD/BRA/02/G31) - Relatório. Recife, 2009.

SECTMA/MMA – Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente. Região do Araripe-Pernambuco. Diagnóstico florestal. Brasília, 2007.

SILVA, J. A. A. Pontencialidades de florestas energéticas de Eucalyptus no Polo Gesseiro do Araripe-Pernambuco. Anais da Academia Pernambucana de Ciências Agronômicas, Recife, v. 5 e 6, p. 301-319, 2008-2009.

SILVA, P.; SOLANGE, E.; PAREYN, F. Consumo de Energéticos Florestais do setor Industrial / Comercial no estado de Pernambuco. Recife, 1998.

TONIOLO, E. R.; PAUPITZ, J.; CAMPELLO, F. C. B. Polo Gesseiro de Pernambuco: Diagnóstico e perspectivas de utilização dos energéticos florestais na região do Araripe. Tecnologias Apropriadas para Terras Secas – Manejo sustentável de recursos naturais em regiões semi-áridas do nordeste do Brasil. Fortaleza, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: