TURISMO DE EVENTOS EM PORTO DE GALINHAS: UMA ALTERNATIVA PARA A SAZONALIDADE DO FLUXO TURÍSTICO

Tomé Barros Monteiro da Franca

Resumo


O presente texto remete à discussão do turismo de eventos no balneário de Porto de Galinhas. Este segmento do turismo está em ascensão em Pernambuco, tanto pelos benefícios socioeconômicos que traz ao seu entorno, quanto por condicionar o equilíbrio da sazonalidade do turismo. Observa-se que as diretrizes estratégicas para o desenvolvimento do segmento em Pernambuco são demasiadamente proporcionadas pela integração do setor público com o trade turístico estadual e local, deste modo, novas oportunidades estão sendo geradas para o segmento. Nesse contexto, este artigo objetiva apresentar as ações e o potencial do Estado no que tange ao desenvolvimento do turismo de eventos na localidade de Porto de Galinhas. O proceder metodológico, no tocante à investigação dos meios a se concretizar este trabalho, foi conduzido através de pesquisas documentais, eletrônicas e bibliográficas. Buscou-se a análise da temática por meio de materiais que versam sobre turismo de eventos. Conclui-se que o turismo de eventos assume uma posição estratégica dentro das políticas públicas que visam fomentar as atividades econômicas, entre distintas e diversas, tangenciando de forma direta o setor de serviços.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, N.; BRITO, P. L. Hotel – planejamento e projeto. São Paulo: SENAC, 2000.

ANSARAH, M. G. R. (Org.) Turismo: como aprender, como ensinar. São Paulo: SENAC, 2001.

BENI, M. C. Análise estrutural de turismo. São Paulo: SENAC, 1998.

_____. Análise estrutural do turismo. São Paulo: SENAC, 2000.

_____. Globalização do turismo: megatendências do setor e a realidade brasileira. São Paulo: Aleph, 2004.

BRASIL. Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais. Brasília: Ministério do Turismo, 2006.

_____. Programa de Regionalização do Turismo - Roteiros do Brasil: Módulo Operacional 7 - Roteirização Turística/Ministério do Turismo. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico. Coordenação Geral de Regionalização. Brasília, 2007.

_____. Turismo de Negócios e eventos: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2008.

_____. Estudo da demanda turística internacional 2005-2011. Departamento de estudos e pesquisas. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. Brasília: Ministério do Turismo., 2012.

BRASILTURIS - Site do jornal informativo da indústria turística brasileira. Pernambuco se consagra entre os três principais pólos para eventos internacionais no País. São Paulo, 11 maio 2012. Disponível em: http://www.brasilturis.com.br/noticias.php?id=1223&noticia=pernambuco-se-consagra-entre-os-tres-principais-po. Acesso em: 10 jan. 2013.

BISPO, C. M.; SCHLEMM, M. M. Alianças em clusters: uma estratégia para a construção da base de recursos. In: ENCONTRO DE ESTUDOS EM ESTRATÉGIA, 1, 2003, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2003.

CASTELLI, G. Excelência em hotelaria. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.

DPLP. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Porto/Portugal: Priberiam, 2009. Disponível em:< http://priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx>. Acesso em: 10 jan. 2013.

EMPETUR. Sinopse da pesquisa do perfil do turismo receptivo das praias de Ipojuca – etapas janeiro, maio, julho e novembro de 2011. Unidade de Estudos e Pesquisas. Empresa de Turismo de Pernambuco. Pernambuco, 2012.

HOELLER, E. H. Turismo de Eventos. Centreventos Cau Hansen de Joinville/SC. In: ANSARAH, M. G. R. (Org.). Turismo: Segmentação de Mercado. São Paulo: Futura, 2001.

LAGE, B. H. G.; MALONE, P. C. Turismo: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2000.

LEMOS, L. Turismo: que negócio é esse? – Uma análise da economia do turismo. 3. ed. rev. e atual. Campinas: Papirus, 2001. (Coleção Turismo)

MARTIN, V. Manual Prático de Eventos. São Paulo: Atlas, 2003

MATOSO, R. Estratégia e Gestão: Turismo de Negócios deve crescer muito. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2012.

MERCADO & EVENTOS. Site Mercado & Eventos: portal do turismo brasileiro. 2013. Disponível em: http://www.mercadoeeventos.com.br/site/noticias/view/83356. Acesso em 10 jan. 2013.

MONDO, T. S.; COSTA, J. I. P. Marketing de experiência para intermediários: possibilidades e limitações do fam-tour na hotelaria. Revista Hospitalidade, São Paulo, v. 7, n. 2, dez. 2010.

PEREIRA, Y. V.; SALAZAR, V. S. Complexo Porto de Galinhas: um paraíso e uma arena competitiva? Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2013.

PERNAMBUCO. Secretaria de Turismo. Pernambuco para o mundo: plano estratégico de turismo de Pernambuco: versão completa. Recife, 2008.

PORTER, M. On competition. Boston: Harvard Business Review Press, 1999.

RCVB. Recife Convention & Visitors Bureau. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2012.

_____. Recife Convention & Visitors Bureau. 2013. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2013.

ROSE, A. T. Turismo: planejamento e marketing. São Paulo: Manole, 2002.

RUSCHMAMN, D. Turismo e meio ambiente natural. Boletim Técnico do SENAC: Rio de Janeiro, 1990.

SBHCI. Site da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista. 2013. Disponível em http://sbhci.org.br/congressos/sbhci/page/2/. Acesso em: 07 jan. 2013.

SOBRAL, F.; PECI, A.; SOUZA, G. Uma análise da dinâmica da indústria do turismo no Brasil. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, mar. 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2013.

THOMAZI, S. M. Cluster de Turismo: Introdução ao estudo de arranjo produtivo local. São Paulo: Aleph, 2006.

TRIGO, L. G. G. Turismo e qualidade: tendências contemporâneas. Campinas: Papirus, 1993.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

WTTC. World Travel & Tourism Council. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 de jan. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: