ARQUIVO DO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE DA UFPE: INSTRUMENTO DE IDENTIDADE E MEMÓRIA DA POLÍTICA DE INTERIORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Edcleide Maria da Silva, Edilene Maria da Silva

Resumo


Neste estudo discute-se a preservação dos documentos arquivísticos tradicionais e digitais do Centro Acadêmico do Agreste (CAA) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no município de Caruaru-PE, sob a perspectiva teórica contemporânea que entende os arquivos como elemento representativo da identidade e da memória institucional e coletiva. O arquivo do CAA insere-se no contexto do Plano de Desenvolvimento da Educação Brasileira, tornando-o fonte de memória das políticas para a educação e, ao mesmo tempo, instrumento de apoio às atividades operacionais e estratégicas para fins de tomada de decisão. Tem-se como objetivo discutir o arquivo como fonte de identidade e memória com base em um arcabouço teórico sobre gestão de arquivos, construção e preservação da memória e do patrimônio cultural. A pesquisa teve caráter exploratório e adotou como estratégias metodológicas o estudo de caso, pesquisa documental e bibliográfica e entrevistas semiestruturadas.  As inferências advindas da síntese teórica com a caracterização e análise da situação atual do arquivo apontaram aspectos relevantes, tais como a racionalidade técnica e a preservação, que devem ser considerados diretrizes no desenvolvimento de um plano de gestão desse acervo. Este compreendido, em uma visão sistêmica, como instrumento de memória do CAA e das políticas governamentais relativas ao projeto de interiorização da educação superior.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE CARUARU - ACIC. Terra de Oportunidades: a contribuição da ACIC para o desenvolvimento de Caruaru e região. Caruaru, 2010.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Estudo de caso em Pesquisa e Avaliação Educacional. Brasília: Liber Livro Editora, 2008. (Série Pesquisa, v. 3)

BARRETO, Ângela Maria. Memória e sociedade contemporânea: apontando tendências. ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 161-176, jul./dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2012.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2012.

_______. Ministério da Educação. O plano de desenvolvimento da educação: razões, princípios e programas. Brasília, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/index.htm. Acesso em: 14 mai. 2012.

_______. Lei 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Brasília, 1991. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2012.

_______. Lei 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2012.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. 3. ed. São Paulo: UNESP, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS - CONARQ. Legislação Arquivística Brasileira. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2012.

DRESSLER, Karine Georg. Portão de Gestão da Prefeitura Municipal de Porto Alegre: um estudo sobre preservação no meio eletrônico. 2011. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, UFRS. Porto Alegre, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2012.

FERREIRA, Lúcia de Fátima Guerra. A organização de arquivos e a construção da memória. Saeculum 1, João Pessoa, n. 1, p. 50-58, jul./dez., 1995. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2012.

FROHMANN, Bernd. O caráter social, material e público da informação. In: FUJITA, M. S.L., MARTELETO, R.M., LARA, M.L.G. de. A dimensão epistemológica da Ciência da Informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Fundepe, 2008. p. 17-34.

GALINDO, Marcos. Patrimônio memorial e instituições públicas no Brasil. In: MOTTA, A.; BARRIO, A. E.; GOMES, M. H. (Org.). Inovação Cultural, Patrimônio e Educação. Recife: Fund. Joaquim Nabuco; Massangana, 2009. cap. 4.

HEYMANN, Luciana. Velhos problemas, novos atores: desafios à preservação dos arquivos privados. Rio de Janeiro: CPDOC, 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2012.

HILBERT, Martin; LÓPEZ, Priscila. The world´s technological capacity to store, communicate, and compute information. Science, v. 332, n. 6025, p. 60-65, fev. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2012.

JARDIM, José Maria. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ci. Inf., Brasília, v. 25, n. 2, p. 1-13, 1995. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2012.

JEDLOWSKI, P. Memória e mídia: uma perspectiva sociológica. In: SÁ, Celso Pereira de (Org.). Memória, Imaginário e Representações Sociais. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005, p. 87-98.

MALHEIRO, Armando; RIBEIRO, Fernanda. Paradigmas, serviços e mediações em Ciência da Informação. 22 ed. Recife: Néctar, 2011.

MONTEIRO, Silvana; CARELLI, Ana; PICKLER, M. Elisa. Representação e memória no ciberespaço. Ci. Inf., Brasília, v. 35, n. 3, p. 115-123, set./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2011.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, PUC, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2011.

NUNES, Maria Thétis. A importância dos arquivos judiciais para a preservação da memória nacional. CEJ, v. 2, n. 5, mai./ago. 1998. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2012.

RABELLO, Rodrigo. A Dimensão Categórica do Documento na Ciência da Informação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 16, n. 31, p. 131-156, 2011.

ROBERT, Jean-Claude. Les rapports entre l’histoire e l’archivistique. In: LA PLACE de l’archivistique dans la gestion de l’information: perspectives de recherche. Montreal: Université de Montreal, 1990.

YIN, Robert. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: