AS BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA COMO SOLUÇÃO PARA OS CONFLITOS NAS ORGANIZAÇÕES FAMILIARES

Sérgio Alexandre Costa Sousa

Resumo


Os conflitos pessoais e os impasses surgidos dentro das organizações as levam a sérios problemas de gestão, podendo comprometer seus resultados e sua perenidade. Diante da competitividade inigualável na qual as organizações estão inseridas atualmente, adotar técnicas que norteiem os interesses de todos os envolvidos no processo organizacional é fator preponderante para as empresas que buscam aperfeiçoar o valor da organização e suas práticas de administração de pessoal e planejamento. A opção das boas práticas de governança corporativa surgiu como proposta para a solução dos conflitos existentes dentro das organizações familiares baseada no conflito de agência, que trata da relação entre o principal e o agente regido através de um contrato formal, e que também pode ser utilizado como solução para qualquer tipo de conflito dentro da organização, independente dela ser familiar ou não. O objetivo deste trabalho é tratar do conflito de agência e a relação de poder dentro das organizações familiares, sugerindo a adoção das boas práticas de governança corporativa como solução para esses problemas. Como metodologia de trabalho, foram utilizados os métodos qualitativos de pesquisa, revisão de literatura, pesquisa etnográfica e observação participante. Como resultado, percebe-se que a governança corporativa apresenta-se como uma importante opção para a resolução dos conflitos existentes dentro das organizações com administração familiar e como forma de gerar um desenvolvimento econômico sustentável.


Texto completo:

PDF

Referências


ABOUZAID, S. Manual IFC de Governança para Empresas Familiares. Washington: Internacional Finance Corporation, 2008.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

BATIETELLA, F.D; BRITO, G.A.S; CORRAR, L.J. Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. R. Conc. Fin. USP, São Paulo, n. 43, p. 9-19, jan./abr. 2007.

BEDICKS, H. B. Governança Corporativa e dispersão de capital: multiplos casos no Brasil. São Paulo: Saint Paul, 2009.

CARVALHO, A. G. Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração, São Paulo, v. 37, n.3, p. 19-32, jul./set. 2002.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIARIOS – CVM. Cartilha, jun. 2002. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2012.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Artmed: Porto Alegre, 2007.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3 ed. Artmed: Porto Alegre, 2009.

FELIPE, E. Em busca de equilibrio: Maior polo médico do Nordeste, Ilha do Leite busca respostas para a equação crescimento da oferta, baixa remuneração e demanda crescente por serviços. Revista Gestão em saúde Diagnóstico, Recife, set. 2012.

FONTES FILHO, J. R.; LEAL, R. P.C. Governança corporativa em empresas familiares. São Paulo: Saint Paul, 2011.

_______________________________. Governança corporativa: internacionalização e convergência. São Paulo: Saint Paul, 2010.

GIL, A. C. Estudo de caso. São Paulo: Atlas. 2009.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R.; SILVA, A.B. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

GTIMAN, L. J. Principios de administração financeira. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

GUIMARÃES, A. da S. O estudo das práticas de Governança Corporativa e estrutura de capital em uma empresa de capital fechado: o caso BIPACEL. 2009. Dissertação (mestrado em Administração) – Pós Graduação em Administração (PROPAD), Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2009.

HITT, M. A.; MILLER, C. C.; COLELLA, A. Comportamento organizacional: uma abordagem estratégica. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA - IBGC (Org.). Governança corporativa em empresas de controle familiar: casos de destaque no Brasil. São Paulo: Saint Paul, 2007.

___________. Origem da Boa Govenança. Disponivel em: . Acesso em: 17 abr. 2012.

JENSEN, M.C.; MECKLING, W. H. Teoria da firma: comportamento dos administradores, custo de agência e estrutura de propriedade. Revista de Administração de Empresas RAE, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 87-125, abr/jun. 2008.

LANSBERG, E. M.; GERSICK, K. E.; DAVIS, J. A.; HAMPTON, M. M. Generation to Generation: Life Cycles of Family Business. Nova York: Prentiece Hall, 1996.

LODI, J. B. Governança corporativa: O Governo da Empresa e o Conselho de Administração. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

LUCA, D. I. J.; RAMBALDUCCI, M. J. G. Estrutura de capital e o processo de alavancagem financeira: uma discussão sobre a relação entre níveis de endividamento e lucratividade. Terra e cultura, Londrina, ano XIX, n. 37, p. 147-156, jul./dez. 2003.

MIZUMOTO, F. M.; FILHO, C. P. M. Práticas de Governança Corporativa em Empresa Familiar de Capital Fechado: um estudo de caso. Revista de Negócios, Blumenau, v. 12, n. 2, p. 3-17, abr./jun. 2007.

NASCIMENTO, A. M.; BIANCHI, M. Um estudo sobre o papel da controladoria no processo de redução de conflitos de agência e de governança corporativa. CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 5., 2005, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2005. Disponivel de em: . Acesso em: 17 abr. 2012.

SAITO, R.; SILVEIRA, A. M. Governança corporativa: custos de agência e estrutura de propriedade. Revista de Administração de Empresas RAE, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 79-86, abr./jun. 2008.

SANTOS, J. F.; LEAL, R. P. C. Prática de Governança Corporativa em Empresas Familiares não-listadas de Capital Aberto. Disponivel em: . Acesso em: 17 abr. 2012.

SEIDL, D. Standard setting and following in corporate governance: an observation-theoretical study of the effec-tiveness of governance codes. Organization, New York, v. 14, n. 5, p. 705-727, 2007.

SILVA, A. L. C. da. Governança corporativa e sucesso empresarial: melhores práticas para aumentar o valor da firma. São Paulo: Saraiva, 2006.

_________________; LEAL, R. P. C. Governança corporativa: evidências empíricas no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007.

SILVA, A. C. R. da. Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientação de estudos, projetos, relatórios, monografias, dissertações, teses. São Paulo: Atlas, 2003.

SILVA, E. dos S. Os efeitos da Governança Corporativa sobre os Ratings de crédito e Spread de Debêntures. 2010. Dissertação (mestrado em Administração) – Pós Graduação em Administração (PROPAD), Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2010.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A Survey of corporate governance. The Journal of Finance, v. 52, n 2, p. 737-783, Jun. 1997. Disponivel em: . Acesso em: 17 abr. 2012.

TORRES, F J V. Prática de governança corporativa, gestão dos riscos e análise do desempenho nos fundos de pensão Fachesf e Celpos. 2009. Dissertação (mestrado em Administração) – Pós Graduação em Administração (PROPAD), Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2009.

VIEIRA, K. M; VELASQUEZ, M. D. P; CERETTA, P.S. A influência da governança corporativa no desempenho e na estrutura de capitais das empresas listadas na BOVESPA. Revista Universo Contábil - FURB, Blumenau, v. 7, n. 1, p. 49-67, jan./mar. 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre. Bookman. 2010.

ZAPPA, P. A. Governança corporativa e a velocidade de ajuste da estrutura de capital das empresas Brasileiras. 2011. Dissertação (mestrado em Finanças e Economia Empresarial) - Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: