POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE PRESERVAÇÃO DOS RIOS IPOJUCA, CAPIBARIBE E IPANEMA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

Geraldo Ferreira de Siqueira Júnior

Resumo


Nesta pesquisa, buscou-se analisar, à luz dos conhecimentos metodológicos, o papel dos municípios para criação de políticas públicas municipais de preservação dos recursos hídricos em três importantes rios do Estado de Pernambuco: Capibaribe, Ipanema e Ipojuca. Para isso, delimitou-se o estudo à análise das políticas públicas municipais existentes em 8 (oito) municípios no agreste e sertão do Estado, que fazem parte das bacias desses rios, sendo: no rio Capibaribe, as cidades de Poção e Jataúba; no rio Ipanema, as cidades de Pesqueira e Venturosa; e, no rio Ipojuca, as cidades de Alagoinha, Arcoverde, Belo Jardim, Pesqueira e Sanharó.  Juntas, as cidades citadas possuem um total aproximado de 283.189 habitantes e, assim como os outros municípios que são banhados pelas águas desses rios, necessitam desenvolver políticas públicas para a preservação desse precioso recurso hídrico e, consequentemente, do meio ambiente, pois são nesses municípios que se iniciam os processos de poluição e degradação ambiental que tais rios enfrentam. O trabalho examinou o contexto das políticas públicas de preservação dos recursos hídricos no País, no Estado de Pernambuco e, principalmente, nos municípios citados, objeto do estudo, utilizando, para isso, a análise do referencial teórico sobre o tema, em conjunto com pesquisa de campo que deram sustentação aos resultados alcançados. Tratou-se de uma pesquisa de natureza qualitativa e quantitativa que aplicou uma pesquisa de campo, através de questionários estruturados, usando o método de pesquisa survey; uma pesquisa descritiva e explicativa que adotou a análise documental, bibliográfica e dos resultados da pesquisa de campo para investigar as políticas públicas desenvolvidas nesses municípios. A análise dos resultados revelou que os municípios estudados não estão elaborando e executando as políticas públicas necessárias à proteção dos recursos hídricos dos rios em apreço. Faltam políticas públicas municipais que possa garantir de forma efetiva a execução da proteção dos recursos hídricos nestes rios.


Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Pierson Correia Alves. Avaliação hidrológica de microbacias de nascentes de rios: contribuição para a gestão dos recursos ambientais no semiárido pernambucano. 2010. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) - Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2010.

BARROSO, Luiz Roberto. Saneamento básico: competências constitucionais da União, Estados e Municípios. REDAE – Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico, Salvador, n. 11, ago./set./out. 2010.

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental. São Paulo: Prentice-Hall, 2002.

BRASIL. Agências Nacional de Águas. Relatório da Agência Nacional de Águas. Brasília, 2004a. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília: Senado Federal, 1988.

________. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Anuário Estatístico do Brasil - 2010. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

________._____________________________________________. Cidades. 2010a. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

________._____________________________________________. Pesquisa Nacional do Saneamento Básico – 2008. Rio de Janeiro, 2010b. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

_______. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Recursos Hídricos. Brasília: MMA, 2004b.

_______. ________________________. Secretaria de Recursos Hídricos. Declaração Universal dos Direitos da Água. Porto Seguro: MMA/SRH, 1998.

_______. Lei n. 9433, de 08 de janeiro de 1997, institui a Politica Nacional de Recursos Hídricos – PNRH. Brasília, 1997.

BRUNONI, Nivaldo. A Tutela das águas pelo município. In: FREITAS, Vladimir Passos de (Org.). Águas – Aspectos Jurídicos e Ambientais. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2008.

GUIMARÃES, Luiz Ricardo. Desafios jurídicos na proteção do Sistema Aquifero Guarani. São Paulo: LTr, 2007.

HENKES, Silvana Lúcia. Histórico legal e institucional dos recursos hídricos no Brasil. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 66, jun. 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

KOBIYAMA, M.; MOTA, A. A.; CORSEUIL, C. W. Recursos hídricos e saneamento. Curitiba: Ed. Organic Trading, 2008.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MOTA, S. Introdução à engenharia ambiental. 2. Ed. São Paulo: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), 2000.

PERNAMBUCO. Constituição do Estado de Pernambuco - 1989. Recife: Assembleia Legislativa, 1989.

______________. Lei n. 12.984, de 30 de dezembro de 2005. Institui a Política Estadual de Recursos Hídricos – PERH. Recife, 2005.

______________. Site Oficial da Secretaria de Recursos Hídricos do Estado de Pernambuco (SRH). Recife, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

SANTOS, Enos Florentino. O Papel dos Munícipios na Proteção dos Recursos Hídricos. Revista Brasileira de Direito Constitucional – RBDC, São Paulo, n. 18, jul./dez. 2011.

Silva, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC, 2005.

SOBRAL, Maria do Carmo; SILVA, Jonas Francisco da. Avaliação do consumo de água das empresas do complexo industrial portuário de SUAPE no contexto de desenvolvimento sustentável, In: AGUIAR, Silvana Maria Brandão (Org.). Gestão pública: práticas e desafios. Recife: Bagaço; UFPE, 2010.

UNESCO. Site oficial da Unesco. Distribuição da água doce. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

________. ____________________. Uso dos recursos hídricos. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

VITERBO Jr., Ênio. Sistema integrado de gestão ambiental: como implementar um sistema de gestão que atenda à Norma ISO 14.001, a partir de um sistema de gestão baseado na Norma ISO 9.000. São Paulo: Aquariana, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: