CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À INTERIORIZAÇÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS EM PERNAMBUCO

Cátia Wanderley Lubambo, Isabella Bastos

Resumo


Este texto relata os principais resultados do estudo “Condições favoráveis à interiorização das Universidades Públicas em Pernambuco” que analisou a articulação político-institucional entre as instituições de ensino, as governamentais e as de mercado, especificamente evidenciando o quadro das condições atuais da implantação das universidades federais no interior do estado. A discussão sobre conceitos como instituição, cultura organizacional e governança, analisados sob a ótica do ciclo da política é parte das referências teóricas no marco do neo-institucionalismo, adotadas neste trabalho. Empiricamente a pesquisa concentrou-se no estado de Pernambuco, com o foco sobre cinco municípios: Vitória de Santo Antão, Caruaru, Garanhuns, Petrolina e Serra Talhada. A pesquisa exploratória e qualitativa aqui desenvolvida utilizou-se de um levantamento documental, da realização de entrevistas semiestruturadas e da observação direta em vinte e duas entidades. A análise realizada permitiu verificar que: por possuírem características e arranjos institucionais próprios, os municípios conduziram a estratégias políticas e impactos diferenciados que se evidenciaram ao longo do estudo. Além disso, a especificidade das experiências encontradas apontou nuances no processo de institucionalização, importantes na perspectiva de direcionar ações e gestões e de conferir maior efetividade à política de interiorizar as instituições públicas de ensino superior em Pernambuco.


Texto completo:

PDF

Referências


BEYER, J. e TRIE, H. The Cultures of Work Organizations. Englewood Cliffs, NJ, US, Prentice Hall, 1993.

CONDEPE/FIDEM. Agência Estadual de Planejamento e Pesquisa de Pernambuco. PIB de PE cresce 5,0 % no segundo trimestre de 2011 e acumula 5,7% no semestre. Disponível em: Acesso: 12 maio 2012.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: Universidade-indústria-governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

EVANS, P. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

HALL, P. A; TAYLOR, R. C. R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova (on-line), São Paulo, n. 58, p.193-223, 2003.

LIAKOPOULOS, M. Análise Argumentativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 218 – 243.

MAINAERDES, J. Abordagem do Ciclo de Políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

PÁDUA, E. M. M. Metodologia da Pesquisa: Abordagem teórico-prática. 13 ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2004.

TOLBERT, P. S. e ZULKER, L. G. The Institutionalization of Institutional Theory. Cornell University ILR School, 1996.

VINHA, V. Polanyi e a Nova Sociologia Econômica: uma aplicação contemporânea do conceito de enraizamento social. Econômica, Niterói-RJ, v. 03, n. 02, p. 207 – 230, dez. 2001. Disponível em: Acesso: 3 dez. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO: B5; ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: B5; CIÊNCIAS AMBIENTAIS: B4; EDUCAÇÃO, ENGENHARIAS I: B5; ENSINO: B2; GEOGRAFIA: C; INTERDISCIPLINAR: B3. 

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: