Organizações do setor elétrico brasileiro: um breve estudo sobre suas dificuldades diante da sustentabilidade

Fabricio Quadros Borges

Resumo


O objetivo deste trabalho é o de analisar os percalços encontrados pelo setor elétrico nacional, a partir de suas organizações componentes, considerando a crescente necessidade de atendimento das demandas e de enfrentamento das questões ambientais em bases competitivas. O estudo principia com uma revisão das organizações que regulam e supervisionam o setor elétrico, seguido de um levantamento de análises críticas de autores especializados e de documentos oficiais que abordam procedimentos pertinentes ao posicionamento sustentável das organizações pesquisadas, diante dos desafios enfrentados pelo setor elétrico nacional. Os resultados demonstram que as dificuldades verificadas pelas organizações do setor elétrico vinculam-se a continuidade de ações e acompanhamentos traçados pelo governo federal, que ainda se encontram comprometidos com grandes empreendimentos hidrelétricos em detrimento de um processo estratégico e sustentável de diversificação de fontes de geração de eletricidade.


Palavras-chave


Sustentabilidade; Organizações; Setor elétrico; Sustainability; Organizations; The electricity sector.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR FILHO, Fernando Luiz. Modelo institucional do setor elétrico brasileiro: análise da capacidade de atração de capital privado para investimentos em geração de energia hidre-létrica (Dissertação de Mestrado). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Pau-lo, 2007

ARAGÓN, L. E. Desenvolvimento sustentável e cooperação internacional. In: XIMENES, Tere-za (Org.) Perspectivas do desenvolvimento sustentável. Belém: NAEA/UFPA, 1997. p. 577-604.

BERMANN. C. Energia no Brasil: para quê? Para quem? Crise e alternativas para um país sustentável. São Paulo: Livraria da Física, 2003.

BORGES, Fabricio Quadros e ZOUAIN, Désireé. Móraes. A matriz elétrica e seu posicionamen-to no desenvolvimento sustentável no estado do Pará. Revista Planejamento e Políticas Pú-blicas, Vol. 35. Brasília: IPEA, 2010.

BORGES, Fabricio Quadros. Setor elétrico e desenvolvimento no Estado do Pará: uma análise estratégica de indicadores de sustentabilidade (Tese de Doutorado). Belém: NAEA/UFPA, 2007.

BRUYN, S.; DRUNDEN, M. Sustentability and indicators in Amazon: conceptual framework for use in Amazon. Amsterdam: VRIJE, 1999.

CCEE - Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. Comercialização. Disponível em: http://www.ccee.org.br/portal/faces/pages_publico/onde-atua-mos/comercializacao?_afrLoop=1552371103196450#%40%3F_afrLoop%3D1552371103196450%26_adf.ctrl-state%3Dhomk8dlya_4. Acesso em: 26 de novembro de 2014.

COIMBRA, M. C. O Estado Regulador. Teresina: Jus Navigandi, 2003.

DEMBO, R.; DAVIDSON, C. Everything you wanted to know about offsetting but were afraid to ask. Canadá: Zerofootprint, 2007.

DUTRA, RICARDO MARQUES. Propostas de políticas específicas para a energia eólica no Brasil após a primeira fase do PROINFA (Tese de Doutorado). Rio de Janeiro: COOP-PE/UFRJ, 2007.

FEARNSIDE, P. M. A floresta amazônica e as mudanças globais. Manaus: INPA, 2004.

FISCHER-KOWALSKI M. et al. Gesellschaftlicher stoffwechsel und kolonisierung von natur. Amsterdam: Verlag Fakultas, 1997.

INTERGOVERNMENTAL PAINEL ON CLIMATE CHANGE. Fourth assessment report. Boston, 2008.

KALTENEGGER, C. H. Der Reformproze in der VR China: aktueller stand der wirtschaftsre-formen und aussichten. CA Quarterly I. [s/l]: [s/e], 1995.

KITAMURA, P. C. A Amazônia e o desenvolvimento sustentável. Brasília: EMBRAPA, 1994.

MARIN, R. E. A. Amazônia: o custo ecológico das hidrelétricas. In: MAGALHÃES, S. B.; BRITTO, R. C. e CASTRO E. R. (Org.) Energia na Amazônia. Belém. UPEG/UFPA/UNAMAZ, 2000. V. II.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Modelo institucional do setor elétrico. Brasília MME, 2013.

NONAKA, I.; TOYAMA, R. The theory of the knowledge-creating firm: subjectivity, objectivity and synthesis. Industrial and Corporate Change, Oxford, v.14, n.13, p.419-436, June, 2005.

PIRES, S. H. M. Desafios ambientais no novo modelo do setor elétrico. Rio de Janeiro: FBDS, 2005.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O MEIO AMBIENTE. Objetivos de desenvolvi-mento para o novo milênio: relatório nacional de acompanhamento, 2008.

REIS, L. B.; FADIGAS, E. A. A.; CARVALHO, C. E. Energia, recursos naturais e a prática do desenvolvimento sustentável. Barueri-SP: Manole, 2005 (Coleção Ambiental).

SAUER, L. I. Diretrizes e linhas de ação para o setor elétrico brasileiro. São Paulo: ENERCON, 2002.

SPANGENBERG, J. H. Measuring and communicating sustainability with indicators: terms of reference for a CSD core indicator test in main catchment area regions. New York: UN/E/CN, 2000.

STAHEL, A. W. Capitalismo e entropia: os aspectos ideológicos de uma contradição e a busca de alternativas sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2000.

TOLMASQUIM M. T.; GUERREIRO, A. e GORINI, R. Visão prospectiva da matriz energética brasileira: energizando o desenvolvimento sustentável do país. Revista Brasileira de Ener-gia, Vol. 13 Nº. 1. Rio de Janeiro: SBPA, 2007.

WALISIEWICZ, M. Energia alternativa: solar, eólica, hidrelétrica e de biocombustíveis. São Paulo: Publifolha, 2008.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT DEVELOPMENT. Uma visão geral. Oxford: Universidade de Oxford, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo
B5 - Interdisciplinar

 

Publicação e Apoio:

RMP está indexada em:

Instituições de referência para a RMP: