Representação Social da Compra por Impulso por Consumidores de Baixa Renda

Verônica Peñaloza, Mayara Soares Oliveira Portela, Felipe Gerhard, Izabelle Quezado

Resumo


Apesar do avanço na compreensão do consumo impulsivo no meio acadêmico, são poucas as pesquisas dedicadas a que explorar o fenômeno com enfoque em consumidores de baixa renda. Frente a essa lacuna teórica, este estudo objetiva compreender o comportamento impulsivo do consumidor de baixa renda, analisando a construção coletiva da compra por impulso por meio da teoria das representações sociais. Para tal, com base na técnica de evocação de palavras, entrevistas estruturadas de curta duração foram realizadas em um corpus de pesquisa composto por 306 pessoas com diferentes características sociodemográficas. Os resultados indicam que a representação social do consumo impulsivo é constituída por um amálgama de conceitos heterogêneos, com características divergentes entre classes sociais. Ademais, três conceitos se destacam como os mais representativos para a compreensão do fenômeno: falta de planejamento, descontrole/exagero e dívidas/endividamento; revelando uma construção social composta tanto por elementos normativos e funcionais, como por consequências de conotação negativa.


Palavras-chave


Consumo Impulsivo; Consumidores de Baixa-Renda; Representação Social.

Texto completo:

PDF

Referências


Aaker, D. A., Kumar, V., & George S. D. (1995). Marketing Research (5th ed.). New York: John Wiley and Sons Inc.

Abric, J. C. (2001). Prácticas Sociales y Representaciones. México: Ediciones Covoacén, S. A.

Antoni, V. L., & Basso, K. (2016). Expectativas em relação ao varejo: Um estudo com as consumidoras de confecções e calçados na base da pirâmide social. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 18(62), 593-608.

Applebaum, W. (1951). Studying consumer behaviour in retail stores. Journal of Marketing, 16(2), 32-40.

Araújo, G. P., & Ramos, A. S. M. (2010). Comportamento de compra por impulso em Shopping Centers: Pesquisa com consumidores de Brasília-DF e Natal-RN. Encontro Nacional da ANPAD, 31. Rio de Janeiro: ANPAD.

Barbiéri, E. S. F. (2015). Representações sociais sobre produção escrita por parte de alunos do ensino fundamental. Dissertação de mestrado, Psicologia Educacional, Centro Universitário FIEO, São Paulo.

Barki, E., & Parente, J. G. (2010). Consumer behaviour of the base of the pyramid market in Brazil. Greener Management International, 56, 11-23.

Bashar, A., Ahmad, I., & Wasiq, M. (2013). A study of demografic factors on consumer impulse buying behavior. Journal of Management Research, 13(3), 145-154.

Baudrillard, J. (2011). A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70.

Beatty, S., & Ferrel, E. (1998). Impulse buying: modeling its precursors. Journal of Retailing, 74(2), 169-192.

Chauvel, M. A., & Mattos, M. P. A. Z. (2008). Consumidores de baixa renda: uma revisão dos achados de estudos feitos no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 6(2), 1-16.

Christensen, L, S., Siemsen, E., & Balasubramanian, S. (2015). Consumer behavior change at the base of the pyramid: Bridging the gap between for-profit and social responsibility strategies. Strategic Management, 36(2), 307-317.

Clover, V. T. (1950). Relative importance of impulse-buying in retail stores. Journal of Marketing, 15(1), 66-70.

Costa, F. C. X., & Larán, J. A. (2003). A compra por impulso em ambientes on-line. Revista de Administração de Empresas, 43(4), 36-47.

Dholakia, U. (2000). Temptation and resistance: an integrated model of consumption impulse formation and enactment. Psychology & Marketing, 17, 955-982.

Dias, S. E. F., Santos, R. M., Martins, V., & Isabella, G. (2014). Efeitos das estratégias de marketing de compras coletivas sobre o comportamento impulsivo. Revista Brasileira de Marketing, 13(3), 138-151.

Franco, M. L. P. B. (2004). Representações sociais, ideologia e desenvolvimento da consciência. Cadernos de Pesquisa, 34(121), 169-186.

Gupta, S., & Pirsch. J. (2014). Consumer evaluation of target marketing to the bottom of the pyramid, Journal of International Consumer Marketing, 26(1), 58-74.

Gupta, S., & Pratish, S. (2016). An exploratory investigation of aspirational consumption at the bottom of the pyramid, Journal of International Consumer Marketing, 28(1), 2-15.

Hair, J. F. Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2005). Análise multivariada de dados (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hemais, M. W., Casotti, L., & Rocha, E. (2013). Hedonismo e moralismo: Consumo na base da pirâmide. Revista de Administração de Empresas, 53(2), 199-207.

Kolk, A., Riviera-Santos, M., & Rufin, C. (2014). Reviewing a decade of research on the “base/ bottom of the pyramid” (BOP) concept. Business & Society, 53(3), 338–377.

Kollat, D. T., & Willet R. P. (1967). Consumer impulse purchasing behavior. Journal of Marketing Research, 4, 21-31.

Lawrence, J. B., & Stanford, M. S. (1999). Impulsivity and time of day: Effects on performance and cognitive tempo. Personality and Individual Differences, 26(2), 199-207.

Lima, I. L. C., Gosling, M., & Matos, E. B. (2008). Modelagem da compra por impulso de donas-de-casa de baixa renda em supermercados de Belo Horizonte. Encontro Nacional da ANPAD, 32. Rio de Janeiro.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaios sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lucas, M.,& Koff, E. (2014). The role of impulsivity and of self-perceived attractiveness in impulse buying in women. Personality and Individual Differences, 56, 111-115.

Mendonça, A. P., & Lima, M. E. O. (2014). Representações sociais e cognição social. Psicologia e Saber Social, 3(2), 191-206.

Moller, R. C. (1996). A representação social do fenômeno participativo em organizações públicas do Rio de Janeiro. Política e Administração, 3(1), 43-51.

Moscovici, S. (2012). Representações sociais: Investigações em psicologia social (9a ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Muruganantham, G.,& Brakat, R. S. (2013). A review of impulse buying behavior. International Journal of Marketing Studies, 5(3), 149-160.

Oliveira, M. (2004). Sociais e sociedades: A contribuição de Serge Moscovici. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 19(55), 180-186.

Peñaloza, V., Denegri, M., & Gerhard, F. (2015). Consumo en mercados alternativos para baja renta: Un estudio de la Feria de Parangaba-Brasil. Polis (Santiago), 14(41), 481-497.

Porpino, G., & Parente, J. (2013). Antecedentes e consequências da compra impulsiva: Um estudo exploratório. Congresso online – Gestão, educação e promoção da saúde, 2. São Paulo.

Roberts, J., & Manolis, C. (2012). Cooking up a recipe for self-control: The three ingredients of self-control and its impact on impulse buying. Journalof Marketing Theory & Practice, 20, 173-188.

Rocha, A, & Silva, J. (2009). Consumo na base da pirâmide: estudos brasileiros. Rio de Janeiro: Mauad X.

Rook, D. W. (1987). The buying impulse. The Journal of Consumer Research, 14 (2), 189-199.

Santini, F. O., & Espartel, L. B. (2008). Promoção de distribuição de prêmios: Seus efeitos na compra por impulso e nas intenções de recompra. Encontro de Marketing da ANPAD, 3, EMA.

SPC. Serviço de Proteção ao Crédito. 52% dos brasileiros fizeram alguma compra por impulso nos últimos três meses, revela SPC Brasil. Recuperado em 20 de fevereiro, 2016, de https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas/pesquisa/905

Shahjehan, A., Qureshi, J.A., Zeb, F., & Saifullah, K. (2011). The effect of personality on impulsive and compulsive buying behaviors. African Journal of Business Management, 6(6), 2187-2194.

Siqueira, L. D., Castro, A. D. M., Carvalho, J., & Farina, M. C. (2012). A impulsividade nas compras pela Internet. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócio, 5(1), 253-279.

Stern, H. (1962). The significance of impulse buying today. The Journal of Marketing, 26, 59-63.

Tinne, W. (2011). Factors affecting impulse buying behavior of consumers at superstores in Bangladesh. ASA University Review, 5, 209-220.

Vergara, S. C., & Ferreira, V. C. P. (2007). Teoria das representações sociais: uma opção para pesquisas em administração. Revista ANGRAD, 8(2), 225-241.

Weinberg, P., & Gottwald, W. (1982). Impulsive consumer buying as a result of emotions. Journal of Business Research, 10(1). 43-57.

Yurdakul, D., Atik, D., & Dholakia, N. (2017). Redefining the bottom of the pyramid from a marketing perspective. Marketing Theory, 1(15) 2-15.

Youn, S. (2000). The dimensional structure of consumer buying impulsivity: measurement and validation. Doctoral Dissertation, University of Minnessota, Minnessota, USA.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License