A Aversão à Perda e o Excesso de Confiança sob a Ótica do Gênero

Tamara Morel Nunes, Silvia Amélia Mendonça Flores, Ana Carolina Cozza Josende da Silva

Resumo


A tomada de decisão financeira é um dos aspectos estudados pelas Finanças Comportamentais, que partem do pressuposto da racionalidade limitada dos indivíduos. Considerando especificamente os estudantes, pode-se compreender a validade dos julgamentos realizados, sendo um auxílio na atuação profissional dos mesmos. Assim, o presente estudo buscou analisar os vieses comportamentais de aversão à perda e excesso de confiança nos estudantes do Curso de Administração de uma Universidade do Rio Grande do Sul sob a ótica do gênero. O primeiro viés faz com que os indivíduos corram riscos mais freqüentes em suas decisões, já o segundo, faz com que os mesmos confiem mais do que deveriam em seus próprios conhecimentos e opiniões. Realizou-se uma pesquisa survey composta por 81 respondentes, a partir de um questionário estruturado, o qual abordou os vieses comportamentais e questões de perfil. Por meio da análise foi possível observar que os estudantes possuem os vieses analisados e que estes afetam a tomada de decisão. Sob a ótica do gênero, percebeu-se que não há diferença.


Palavras-chave


Aversão à perda; Excesso de confiança; Diferenças de Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, D. R. D., & Silva, C. A. T. (2007). Aversão à perda nas decisões de risco. REPEC-Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 1(3), 45-62.

Bandeira, et al. (2002). Validação transcultural do Teste de Orientação da Vida (TOV-R). Estudos de Psicologia, 7(2), 251-258.

Bogea, F., de Campos Barros, L. A. B., & de Campos Barros, A. B. (2008). Processo de tomada de decisão do investidor individual brasileiro no mercado acionário nacional: um estudo exploratório enfocando o efeito disposição e os vieses da ancoragem e do excesso de confiança. Gestão & Regionalidade, 24(71).

Castellan, J. N.,Jr, & Siegel, S. (2006). Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed.

Chapple, C. L., & Johnson, K. A. (2007). Gender differences in impulsivity. Youth Violence and Juvenile Justice, 5(3), 221-234.

Comissão de Valores Mobiliários. (2015). Série CVM Comportamental: Volume 1 Vieses do Investidor. Recuperado em 10 outubro, de 2016, de .

Cotrim, B.S. (2014). Vieses cognitivos e o investidor individual brasileiro: uma análise da intensidade de vieses em decisões de investidores. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Programa de Pós-graduação em Controladoria e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2014.

Croson, R., & Gneezy, U. (2009). Gender differences in preferences. Journal of Economic literature, 47(2), 448-74.

Falleiro, M. P. D. S. (2014). Teoria do prospecto e as diferenças de comportamento perante o risco entre gênero, escolaridade e idade. (Master's thesis, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

Ferreira, C. F., Yu, A. S. O., Sá, G., de Oliveira, G. A., de Oliveira Siqueira, J., Zimmer, C. J., & dos Santos, A. (2003). Todos acima da média: excesso de confiança em profissionais de finanças. Revista de Administração, São Paulo, 38(2), 101-111.

Filbeck, G., Ricciardi, V., Evensky, H. R., Fan, S. Z., Holzhauer, H. M., & Spieler, A. (2017). Behavioral finance: A panel discussion. Journal of Behavioral and Experimental Finance, 15, 52-58.

Flores, S. A. M., & Vieira, K. M. (2016). Determinantes comportamentais da propensão ao endividamento: Análise da influência do gênero. Anais do Encontro Brasileiro de Economia e Finanças Comportamentais da FGV, São Paulo, SP, Brasil, 3.

Fournier, V., & Smith, W. (2006). Scripting masculinity. Ephemera, 141.

Gava, A. M, & Vieira, K. M. (2008). Risco e gênero: Medindo a tolerância ao risco e as diferenças entre os gêneros. Revista de Ciências da Administração, 10(20).

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Hair, J., et al., (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Bookman Companhia Ed.

Johnson, J. E., & Powell, P. L. (1994). Decision making, risk and gender: Are managers different?. British Journal of Management, 5(2), 123-138.

Kahneman, D. (2012). Rápido e devagar: duas formas de pensar. Editora Objetiva.

Kahneman, D., & Tversky, A. (1979). Prospect Theory: An analysis of decision under risk. Econometrica: Journal of the Econometric Society, 263-291.

Keese, M. (2010). Who feels constrained by high debt burdens? Subjective vs. objective measures of household indebtedness. Subjective vs. Objective Measures of Household Indebtedness (February 1, 2010). Ruhr Economic Paper, (169).

Kimura, H. (2003). Aspectos comportamentais associados às reações do mercado de capitais. RAE-eletrônica, 2(1), 1-14.

Lima, M. C. (2008). Monografia: a engenharia da produção acadêmica. São Paulo: Saraiva, 2008.

Lobão, J. (2012). Finanças comportamentais: Quando a economia encontra a psicologia. Coimbra: Conjuntura Actual Editora.

Lobo, B. G, et al. (2011). A influência do viés aversão à perda e do significado do dinheiro sobre o processo decisório de empreendedores brasileiros. In: Seminários em Administração, 14., 2011, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: SEMEAD, 2011.

Lucena, W. G. L., Fernandes, M. S. A., & da Silva, J. D. G. (2011). A contabilidade comportamental e os efeitos cognitivos no processo decisório: uma amostra com operadores da contabilidade. Revista Universo Contábil, 7(3), 41-58.

Macedo Junior, J. S., Jr., Kolinsky, R., & Morais, J. (2011). Finanças comportamentais: Como o desejo, o poder, o dinheiro e as pessoas influenciam nossas decisões. São Paulo: Atlas.

Macedo, J. S., Jr. (2003). Teoria do prospecto: uma investigação utilizando simulação de investimentos. Programa de Pós-Graduaçao em Engenharia de Produçao, Universidade de Santa Catarina.

Malul, M., Rosenboim, M., & Shavit, T. (2013). So when are you loss averse? Testing the S-shaped function in pricing and allocation tasks. Journal of Economic Psychology, 39, 101-112.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2011). Metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas.

Melo, C. L. L. D. (2014). Determinantes da aversão à perda em decisões financeiras: uma investigação por meio de modelos de equações estruturais. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa Multi-institucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de Brasília.

Melo, C. L. L., & Silva, C. A. T. (2010). Finanças Comportamentais: um estudo da influência da faixa etária, gênero e ocupação na aversão à perda. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações – FEA-RP/USP, 4(8), 3-23.

Mendes-da-Silva, W., & Sin Oih Yu, A. (2009). Análise empírica do senso de controle: buscando entender o excesso de confiança. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 13(2).

Moreira, B. C. D. M. (2012). Três ensaios sobre finanças comportamentais e neuroeconomia: testando o efeito dotação, efeito overconfidence e efeito gratificação instantânea em crianças. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio-Econômico. Programa de Pós-Graduação em Administração.

Nofsinger, J.R. (2010). A lógica do mercado de ações. 2ª ed. São Paulo: Fundamento, 2010.

Pimenta, D. P., Borsato, J. M. L. S., & de Sousa Ribeiro, K. C. (2012). Um estudo sobre a influência das características sociodemográficas e do excesso de confiança nas decisões dos investidores, analistas e profissionais de investimento à luz das Finanças Comportamentais. REGE-Revista de Gestão, 19(2), 263-280.

Pompian, M. M. (2006). Behavioral finance and wealth management. How to build optimal portfolios for private clients. New Jersey: Wiley.

Ramos, A. L. (2007). Análise do efeito comportamental do índice ibovespa: um estudo interdisciplinar. 2007. 126f (Dissertação de Mestrado) Mestrado em Ciências Contábeis–Curso de Pós-graduação em Ciências Contábeis, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo).

Santos, J. O. dos; Barros, C. A. S. (2011). O que determina a tomada de decisão financeira: razão ou emoção? Revista Brasileira de Gestão e Negócios. São Paulo, 13(38), 7-20.

Scheier, M. F, & Carver, C. S. (1992). Effects of optimism on psychological and physical well-being: theoretical overview and empirical update. Cognitive Therapy and Research, 16(2), 201-228.

Silva, W. V., Del Corso, J. M., da Silva, S. M., & de Oliveira, E. (2009). Finanças comportamentais: análise do perfil comportamental do investidor e do propenso investidor. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 7(2), 1-14.

Silva, W. M. da, Yu, A. S. O. Análise Empírica do Senso Controle: Buscando Entender o Excesso de Confiança. Revista de Administração Contemporânea, 13(2), 247-271.

Soares, H. F.G, & Barbedo, C. H.S. (2013). Desempenho acadêmico e a teoria do prospecto: estudo empírico sobre o comportamento decisório. Revista de Administração Contemporânea, 17(1).

Statman, M. (2014). Behavioral finance: Finance with normal people. Borsa Istanbul Review, 14(2), 65-73.

Yang, X., & Zhu, L. (2016). Ambiguity vs risk: An experimental study of overconfidence, gender and trading activity. Journal of Behavioral and Experimental Finance, 9, 125-131.

Zindel, M. T. L. (2008). Finanças comportamentais: o viés cognitivo excesso de confiança no julgamento em investidores e sua relação com bases biológicas. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

Zuckerman, M., & Kuhlman, D. M. (2000). Personality and risk‐taking: common bisocial factors. Journal of personality, 68(6), 999-1029.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License