Fenomenologia da Percepção: Uma abordagem para a investigação de experiência de consumo

Edvan Cruz Aguiar, Manoela Costa Policarpo

Resumo


No campo de estudos do comportamento do consumidor, o fenômeno experiência de consumo tem despertado o interesse de pesquisadores e praticantes, especialmente nas últimas três décadas. A perspectiva do consumo experiencial surge para auxiliar na compreensão do comportamento de consumo voltado para a busca de fantasias, sentimentos e diversão, que se refere a um estado de consciência essencialmente subjetivo e com uma variedade de significados. No intuito de auxiliar pesquisadores do comportamento de consumidor, este ensaio objetiva propor uma abordagem metodológica para investigar o fenômeno experiência de consumo à luz da fenomenologia da percepção, do filósofo francês Merleau-Ponty (1908-1961). Apreende-se a experiência de consumo enquanto ocorrência particular do indivíduo, em que há relevância de cunho emocional e afetivo, fundamentada na interação entre os estímulos presentes nos produtos e serviços consumidos. O modelo proposto sistematiza o processo de apreensão da experiência de consumo por meio da identificação dos significados inerentes às atividades associadas ao comportamento do consumidor.


Palavras-chave


Experiência de consumo; Inspiração fenomenológica; Percepção; Método de pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


Addis, M., & Holbrook, M. B. (2001). On the conceptual link between mass customisation and experiential consumption: an explosion of subjectivity. Journal of consumer behaviour, 1(1), 50-66.

Aguiar, E. C. (2011). Elementos sensoriais da atmosfera de serviços gastronômicos centrados na experiência e seus significados para o consumidor. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Aguiar, E. C., Farias, S. A., & Melo, F. V. S. (2013). O significado de cores e iluminação em uma atmosfera de serviços gastronômicos. Revista Brasileira de Administração Estratégica, 6(3), 291-303.

Andriolo, A. A. (2016). Paisagem da Cidade Histórica e Turística: Fenomenologia da Experiência Estética. Caderno Virtual de Turismo, 16(3), 91-105.

Antéblian, B., Filser, M., & Roederer, C. (2014). Consumption experience in retail environments: a literature review. Recherche et Applications en Marketing, 28(3), 82-109.

Barbosa, M. L. A. (2006). O significado do consumo de serviços de restaurante a partir da experiência de compra. Tese de Doutorado em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2009). A construção social da realidade (30a ed.). Petrópolis: Vozes.

Bicudo, M. A. V. (2011). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez.

Carù, A., & Cova, B. (2003). Revisiting consumption experience: a more humble but complete view of the concept. Marketing Theory, 3(2), 267-286.

Carvalho, J. L. F. S., & Vergara, S. C. (2002). A fenomenologia e a pesquisa dos espaços de serviços. Revista de Administração de Empresas, 42(3), p. 78-91.

Cerqueira, T. Estilos de aprendizagem de Kolb e sua importância na educação. Revista Estilos de Aprendizagem, 1(1), 109-123.

Correa, R. S., Pinto, M. R., & Batinga, G. L. (2016). A Beleza na escuridão: um “olhar” sobre a experiência de consumo por mulheres deficientes visuais em serviços de beleza e estética. Revista Ciências Administrativas, 22(2), 371-395.

Damian, I. P. M., & Merlo, E. M. (2014). Experiência de Consumo e o Papel da Qualidade do Serviço em Concessionárias de Veículos. CONTEXTUS – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 12(1), 07-28.

Faria, J. H. (2012, setembro). Dimensões da matriz epistemológica em estudos em administração: uma proposição. Anais do Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Ferraz, M. S. A. (2009). Fenomenologia e ontologia em Merleau-Ponty. Campinas: Papirus.

Firat, A. F., & Venkatesh, A. (1995). Liberatory Postmodernism and the Reenchantment of Consumption. The Journal of Consumer Research, 22(3), 239-267.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa (2a ed.) Porto Alegre: Bookman.

Furlan, R. (2000). A noção de “comportamento” na filosofia de Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, 5(2), 383-400.

Gill, R. (2002). Análise de discurso. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes.

Groeppel-Klein, A. (2005). Arousal and consumer in-store behavior. Brain Research Bulletin, 67(1), 428-437.

Havlena, W. J., & Holbrook, M. B. (1986). The varieties of consumption experience: comparing two typologies of emotion in consumer behavior. Journal of Consumer Research, 13(1), 394-404.

Hirschman, E. C., Scott, L., & Wells, W. B. (1998). A model of product discourse: linking consumer practice to cultural texts. Journal of Advertising, 1(27), 33-50.

Holbrook, M. B., & Hirschman, E. C. (1982). The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings and fun. Journal of Consumer Research, 9(2), 132-140.

Lanier, C. D., & Rader, C. S. (2015). Consumption experience: an expanded view. Marketing Theory, 15(4), 487-508.

Macedo, F. M. F., Boava, D. L. T., & Antonialli, L. M. (2012). A fenomenologia social na pesquisa em estratégia. RAM, Rev. Adm. Mackenzie. 13(5), 171-203.

Martins, J. (1993). Um enfoque fenomenológico do currículo: educação como poíesis. São Paulo: Cortez.

Martins, J., & Bicudo M. A. (1989). A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Moraes.

Matthews, E. (2010). Compreender Merleau-Ponty. Petrópolis: Vozes.

McCracken, G. (2003). Cultura & consumo. Rio de Janeiro: Mauad.

Merleau-Ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes.

Merriam, S. B. (2001). Qualitative research in practice: examples for discussion and analysis. The Jossey-Bass higher and adult education series.

Meyer, C., & Schwager, A. (2007). Understanding customer experience. Harvard Business Review, 85(2), 117-126.

Moreira, D. A. (2002). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira.

Mowen, J. C., & Minor, M. S. (2003). Comportamento do consumidor. São Paulo: Prentice Hall.

Nóbrega, T. P. (2008). Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, 13(2), 141-148.

Pelizzoli, M. (2002). O eu e a diferença: Husserl e Heidegger. Porto Alegre: EDIPCRS.

Pinto, M, R., & Santos, L. L. S. (2008). Em busca de uma trilha interpretativista para a pesquisa do consumidor: uma proposta baseada na fenomenologia, na etnografia e na grounded theory. Revista de Administração de Empresas – Eletrônica, 7(2), 25.

Pinto, M. R., & Lara, J. E. (2011). As experiências de consumo na perspectiva da teoria da cultura de consumo: identificando possíveis interlocutores e propondo uma agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR. 9(1), 37-56.

Pullman, M. E., & Gross, M. A. (2003). Ability of experience design elements to elicit emotions and loyalty behaviors. Decision Sciences, 35(3), 551-578.

Sartre, J. P. (2012). O existencialismo é um humanismo (2a ed.). Petrópolis: Vozes.

Schmitt, B. (1999). Experiential Marketing. Journal of Marketing Management, 15(1), 53-67.

Schmitt, B. (2010). Experience Marketing: concepts, frameworks, and consumer insights. Foundations and Trends in Marketing, 5(2), 55-112.

Solomon, M. R. (2016). O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. (11a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Thompson, C. J., Locander, W. B., & Pollio, H. R. (1989). Putting consumer experience back into consumer research: The philosophy and method of existential-phenomenology. Journal of consumer research, 16(2), 133-146.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CBR - Consumer Behavior Review - ISSN 2526-7884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License