Mídias Digitais e Reações Negativas às Campanhas Publicitárias LGBT

Arize Sousa Fernandes Oliveira, Monica Machado

Resumo


“Por que não investem em outra causa? Essa é safadeza pura”, “Heteros, vamos boicotar” e “É só pra vender mais” foram alguns dos comentários observados nas campanhas publicitárias online analisadas nesta pesquisa. O digital é uma experiência sociocultural, revelador de vínculos entre vivências locais e os usos das mídias digitais. Assim, ao analisar conteúdos que circulam na internet é possível construir um panorama dos contextos em que estão inseridos. Foram investigados os comentários no Facebook das campanhas #AvonPride, #MarcasAliadas e #OAmorNosConecta, promovidas, respectivamente, pela Avon, Skol e Uber, empresas signatárias do Fórum Empresas e Direitos LGBT. Os resultados da pesquisa apontaram opiniões que expressam desvalorização ao apoio, declarações de abandono de consumo e acusação de oportunismo. Ainda assim, vale destacar que a expressiva maioria dos comentários nas ações é positiva e muitas pessoas se identificam com os conteúdos: as mídias digitais podem gerar oportunidades para novas perspectivas sociais.


Palavras-chave


Antropologia digital; Comunidades; LGBT; Mídias sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


Akatu. (2002). Consumidor, o poder da consciência. São Paulo: Instituto Akatu.

Avon. (2018). Avon Pride. Disponível em https://www.avon.com.br/avon-pride, recuperado em 3, novembro, 2018.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Borrillo, D. (2001). Homofobia. Barcelona: Edicions Bellaterra.

Cavalcante, R. B. et al. (2014). Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Informação & Sociedade: Estudos, 24(1), 13-18.

Douglas, M.& Isherwood, B. (2004). O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ.

GGB. (2017). Pessoas LGBT mortas no Brasil: relatório 2017. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf, recuperado em 3, novembro, 2018.

Machado, M. (2011). Consumo e politização: discursos publicitários e novos engajamentos juvenis. Rio de Janeiro, Mauad.

Machado, M. et al. (2011). Publicidade para causas sociais: apontamentos sobre a experiência do laboratório universitário de publicidade aplicada (LUPA). Revista Signos do Consumo, 3(1).

MEIO&MENSAGEM. (2017). Skol assume passado machista e ressalta a importância de evoluir. Disponível em: http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2017/03/09/skol-assume-passado-machista-e-ressalta-a-importancia-de-evoluir.html, recuperado em 3, novembro, 2018.

Miller, D. et al. (2016). How the world changed social media. UCL press.

Miranda, A. P. (2017). Consumo de moda: a relação pessoa-objeto. 2ª Edição. São Paulo: Estação das Cores e Letras.

Prado, M. & Machado, V. (2018). Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Editora Cortez.

Sales, G. (2015). Diversidade no Trabalho: valores organizacionais e adesão a normas em organizações participantes do Fórum Empresas e Direitos LGBT. Anais do V Congresso Internacional Comunicação e Consumo: São Paulo.

Slater, D. (2002). Cultura do consumo & modernidade. São Paulo: Nobel.

Spargo, T. (2017). Foucault e a teoria queer: seguido de Ágape e êxtase: orientações pós-seculares. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Trevisan, J. (2018). Devassos no Paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Objetiva.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License