Como Ser Mulher na Publicidade: Femvertising e as “novas” representações do feminino

Andrea Melo Bayone, Patricia Cecilia Burrowes

Resumo


O presente estudo tem como objetivo discutir se e como o uso do feminismo no marketing, no âmbito do femvertising, pode transmitir ideias de empoderamento feminino e promover uma representação da mulher na publicidade que fuja dos estereótipos. Para tal, são analisados três comerciais que contaram com a colaboração da consultoria de marketing feminista Think Eva: “#EAíTáPronta?” e “Isso é Pra Mim” da marca Avon, e “Ser Mulher Faz Toda a Diferença” da Gillette Venus. A metodologia usada foi o estudo de caso, empregando, para análise individual dos comerciais, um modelo de leitura crítica da publicidade; e, para uma análise geral dos dados, as etapas de redução, exibição e conclusão/verificação. Os resultados indicam que os atributos do corpo feminino, as características comportamentais das mulheres e o incentivo ao empoderamento feminino são as questões mais revistas nos comerciais e diferem parcialmente das mensagens transmitidas na publicidade dita convencional.


Palavras-chave


Publicidade; Feminismo; Marketing Feminista; Femvertising.

Texto completo:

PDF

Referências


Agence France-Presse (2018, Julho 25). Ocupações feministas se espalham por centros de ensino no Chile. Carta Capital. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

Cardoso, R. & Martino, N (2016, Janeiro 21). O novo feminismo. Isto é. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

Carvalho, N.(2000) Publicidade. A linguagem da sedução (3ª ed.). São Paulo: Editora Ática.

Chernikoff, L (2014, Setembro 30). The Chanel Runway was also a feminist rally. ELLE. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2018.

Ciambriello, R. (2014 Outubro 13). How Ads That Empower Women Are Boosting Sales and Bettering the Industry. Adweek. Disponível em: Acesso em: 02 abr. 2018.

CDL.(2016, Fevereiro 26) SPC Brasil avalia perfil de consumo das mulheres brasileiras. CDL Petrópolis. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

Cruz, M.(2016). Representações do feminino na publicidade: Estereótipos, rupturas e deslizes. Revista Latinoamericana de Comunicación. 134, 181-200. São Paulo.

Duan, N. (2014, Outubro 3) A brief history of selling feminism. ELLE. Disponível em: . Acesso em: 03 mai. 2018

Fabris, T. Você sabe o que é femvertising?. (2015, Julho 23). B9. Disponível em: Acesso em: 05 jul. 2017.

G1. (2017, Dezembro 13). Feminismo é eleita a palavra do ano pelo dicionário Americano. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

Gil, A, C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gill, R. (2007). Advertising and Postfeminism. Gender and media. Cambridge. p. 73-112.

Heck, A. P & Nunes, M. (2016) Publicidade e gênero: análise do fenômeno femvertising na criação de campanhas. Anais do XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Curitiba.

Horochovski, R, R. (2006). Empoderamento: definições e aplicações. Anais do 30º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu – MG.

Klein, N. (2002). Sem logo: A tirania das marcas em um planeta vendido (3ª ed.). Rio de Janeiro: Record.

Lana, L & Souza, C.(2018). A consumidora empoderada: Publicidade, gênero e feminismo. Revista Intexto, UFRGS, E- ISSN 1807-8583. Porto Alegre.

Lysardo, D.(2007). A construção e a desconstrução de estereótipos pela publicidade brasileira. Stockholm Review of Latin American Studies, 2, 25-34.

Machado M., Burrowes, P., & Rett, L. (2017). Para ler a publicidade expandida: em favor da literacia midiática para análise dos discursos das marcas. Anais do XXVI Encontro Anual da Compós, São Paulo - SP

Merigo, C.(2016, Março 15). SxSW 2016: Não basta anunciar para mulheres, é preciso contratar mulheres, .B9. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2018

Mena, I. (2015, Março 6). Think Eva: A consultoria que quer ensinar a publicidade a respeitar a mulher. E lucrar com isso. Projeto Draft. Disponível em:< https://goo.gl/eE5yYh>. Acesso em: 25 jun. 2018.

Nascimento, M, C. & Dantas (2015). J. O Femvertising Evidência: Estudo de caso #Likeagirl. Anais do Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdiciplinares de Comunicação. Rio de Janeiro - RJ

Rocha, E. (2001). A mulher, o corpo e o silêncio: a identidade feminina nos anúncios publicitários. Revista Alceu. 2(3), 15-39.

Santos, C. (2016) Beleza, magreza e juventude: a perfeição corporal feminina na publicidade e a corporeidade disruptiva da Dove. Revista Estudos em Comunicação, 35, 13-27.

Sheknows Media (2014 Outubro 1). SheKnows Media Hosts Femvertising panel at advertising week XI. SheKnows Media. Disponívem em: < https://bit.ly/2Zv13yT>. Acesso em: 26 abr. 2018.

Schroder, K & Vestergaard, T. (2000). A linguagem da propaganda. São Paulo: Martins Fontes

Stocco, M. (2016, Fevereiro 16). E-commerce fatura R$ 44,4 bilhões em 2016. Meio&Mensagem. Disponível em:< https://goo.gl/4B4RSN>. Acesso em: 03 jan. 2018.

Think Eva. Manifesto. Think Eva. Disponível em:< http://www.thinkeva.com.br/manifesto/> Acesso em: 17 abri. 2018.

Think Olga. Sobre. Think Olga. Disponível em: . Acesso em: 17 abri. 2018.

Visconti, H. (2015, Outubro 22). Think Olga alerta para o assédio sexual de crianças com hashtag #primeiroassédio. Época. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License