Sou homem com H! O movimento migratório do consumo de produtos de beleza

Aryane Ribeiro Maximo, Ramon Silva Leite

Resumo


As pesquisas de marketing não acompanharam as mudanças do homem moderno para o hodierno. O que antes era caracterizado como “coisa de homem”, na contemporaneidade fragmentou-se em novas possibilidades de construção de identidade de gênero, abrindo espaço para o consumo do homem, fragmentando-se em perfis de consumo antes caracterizados como sendo exclusivamente das mulheres, como o consumo de produtos de beleza. Esse estudo buscou compreender como os homens percebem os reflexos desse consumo na sociedade atual. Para isso foram realizadas 12 entrevistas com homens jovens de Belo Horizonte analisadas por meio de análise de conteúdo. Os resultados apontam para um consumidor cada vez mais seguro, mas que ainda está envolto por estereótipos e preconceito da sociedade.


Palavras-chave


Consumo migratório; Vaidade masculina e preconceito; Autoafirmação masculina; Consumo simbólico.

Texto completo:

PDF

Referências


Aaker, D. A., Kumar, V., & Day, G. S. (2001). Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas.

Aaker, D. A., Kumar, V., & Day, G. S. (2004). Pesquisa de marketing (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Abdala, P. R. Z. (2008). Vaidade e consumo: Como a vaidade física influencia o comportamento do consumidor (Dissertação de Mestrado).Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RG, Brasil.

ABIHPEC. (2016). Panoroma do Setor de HPPC. Recuperado de https://abihpec.org.br/publicacao/panorama-do-setor-2016-2/.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bastos, R. E. (2005). A influencia feminina no consumo masculino de cosméticos. Faculdade Ibmec, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Bauer, M. W., & Aarts, B. (2002). A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: Bauer, M., & Gaskell, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes.

Baudrillard, J. (2003). A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições.

Belk, R. W. (1988). Possessions and the Extended Self. Journal of Consumer Research, 15(2), 139-168.

Bodart, C. N. (out-dez de 2014). Vaidade masculina na modernidade. Revista Posição, 1(3), 24-27.

Bond, D., & Ramsey, E. (2010). The role of information and communication technologies in using projective techniques as survey tools to meet the challenges of bounded rationality. Qualitative Market Research: An, 13(4), 430–440.

Bourdieu, P. (2012). A Dominação Masculina.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Butler, J. (2003). Problemas de genero: feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar,Trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Obra original publicada em 1990).

Campbell, C (2001). A ética romântica e o espírito do capitalismo moderno. Rio de Janeiro: Rocco.

Campbell, C. (2006). Eu compro, logo sei que existo: as bases metafisicas do consumo moderno. In: (Barbosa, L. & Campbell, C.) Cultura, consumo e identidade: Rio de Janeiro: Editora FGV.

Carvalho, J. D. R. (2010). Vaidade masculina: um estudo exploratório sobre a mudança de hábitos do homem contemporâneo (Monografia). Centro Universitário de Brasilia, UNICEUB. Brasilia, DF, Brasil.

Castro, F. N. C. (2011). A aparencia como arma social: Um estudo exploratório sobre o comportamento de consumo masculino de produtos de cuidados pessoais (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Ceotto, E. C. (2013). De John Wayne a David Beckham - ressignificações das masculinidades: um estudo em representações sociais (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Cheng, F. S., Ooi, C. S., & Ting, D. H. (2010, february). Factors affecting consumption behavior of metrosexual: Toward Male Grooming Products. International Review of Business Research Papers, 6, 574-590.

Comassetto, B. H., Solalindez, G. P., Souza, J. V. R, Trevisan, M., Abdala, P. R. Z., & Rossi, C. A. V. (2012). Nostalgia, anticonsumo simbólico e bem-estar: a agricultura urbana. RAE – Revista de Administração de Empresas, 364.

Connell, R. W., & Messerschimidt, J. W. (2005). Hegemonic Masculinity: Rethinking the Concept. Gender Society, p. 19.

Connell, R. (2012). Masculinity research and global change. MSC - Masculinities and Social Change,1 (1).

Creswell, J. W. (2003). Research design: qualitative, quantitative and mixed method approaches. Thousand Oaks, Califórnia: Sage.

Davidovitsch, L. (2007). Antecedentes e consequencias dos niveis de envolvimento masculino com vestuário: Uma pesquisa empírica com homens do Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

De Andrade, M. L. Pinto, M. R. Leite, R. S. Batinga, G. L., & Joaquim, A. M. (2017). O consumo simbólico e o espírito hedônico do consumidor moderno de iogurtes. Revista Pensamento e Realidade, 32(3).

Dion, K., Berscheid, E., & Walster, E. (1972). What is beautiful is good. Journal of Personality and Social Psychology, 24(3), 285-290.

Easterby-smith, M., Thorpe, R., & Lowe, A. (1999). Pesquisa gerencial em administração. São Paulo: Pioneira.

Fontes, A. F., Borelli, F. C., & Casotti, L. M. (2010). Como ser homem e ser belo? Um estudo exploratório sobre práticas masculinas de consumo de beleza. In: XXXIV Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro.

Freitas, L. K. M. R. (2011, março). Novos modos de (a)enunciar o masculino na mídia: o discurso da publicidade sobre o metrossexual, Revista Litteris, 7.

Fritz, M., & Gomes de Souza, C. (2006, setembro). Inovação na indústria de cosméticos: Casos de empresas no setor. Anais do XXXIV Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Passo Fundo, RJ, Brasil.

Gama, M. G., Silva, C. L., & Vasconcelos, R. M. (2011, abril). Homens: Os novos consumidores de moda. Anais do World Congress on Communication and Arts, São Paulo, SP, Brasil.

Garboggini, F. B. (1999). O homem no espelho da publicidade. Reflexão e refração da imagem masculina na publicidade televisiva brasileira nos anos 90 (Tese doutorado), ECA-USP, 1999.

Garboggini, F. B. (2008). In: Maria Ines Ghilardi-Lucena e Francisco de Oliveira. (Org.). Representações do masculino. Mídia, literatura e sociedade (1ª ed). O metrossexual: um homem do terceiro tipo. Campinas: Alinea, 1, 77-92.

Garcia, W. (2004). O Corpo contemporâneo: A Imagem do metrossexual no Brasil. MEMME, Revista de Humanidades, 5(11).

Garcia, W. (2011). O metrossexual no Brasil: Estudos contemporaneos. São Paulo: Factash.

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In: Bauer, M. W., & Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Gikovate, F. (1987). Vício dos vícios: um estudo sobre a vaidade humana. São Paulo: MG Editores Associados.

Gikovate, F. (1989). Homem: o sexo frágil? São Paulo: MG Editores Associados.

Goldenberg, M. (2000). In: ____ (org). Os novos desejos: das academias de musculação às agências de encontros. O Macho em Crise: Um Tema de debate dentro e fora da academia.Rio de Janeiro: Record.

Gouveia, T. M. (2006). Os homens e seus carrinhos... de compras: um estudo sobre o comportamento do consumidor masculino no supermercado (Dissertação de Mestrado). Faculdade Ibmec, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Haire, M. (1950, Apr.). Projective techniques in marketing research. Journal of Marketing, Chicago, 14(5).

Infante, V. H. P., Calixto, L. S., & Campos, P. M. B. G. M. (2016). Comportamento de homens e mulheres quanto ao consumo de cosméticos e a importância na indicação de produtos e adesão ao tratamento. Surgical & Cosmetic Dermatology, 8(2), 134-141.

Kacen, J. J. (2000). Girrrl power and boyyy nature: the past, present, and paradisal future of consumer gender identity. Marketing Intelligence e Planning, 18(6), 345-355.

Kim, J., Han, W., Kim, D. T., & Paramita, W. (2013). Is beauty in the eye of the beholder? Gender and beauty in the cosmetics sector: A comparative study of Indonesia and Korea. Marketing Intelligence and Planning, 31(2), 127-140.

Kyung, S. B. (2012). The impact of consumer innovativeness, attitude, and subjective norm on cosmetic buying behavior: evidence from APU female students (Master’s Thesis). Ritsumeikan Asia Pacific University, Beppu, Oita, Japan.

Levy, S. J. (1959). Symbols for Sale. Harvard Business Review, 37, 117-124.

Lipovetsky, G. (1944). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Loizos, P. (2002). Vídeo, filme e fotografias como documentos de pesquisa. In: Bauer, M. W.; Gaskell, G. (Eds.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Ed. Vozes.

Louro, G. L. (1999). Pedagogias da Sexualidade. In: Louro, G. L. (Org.) . O Corpo educado: pedagodias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. L. (1999). Pedagogias da Sexualidade. In: Louro, G. L. (Org.) . O Corpo educado: pedagodias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Lubeck, R. M. Hopner, A. Schröeder, C. D. Wittmann, M. L., & Nogueira Luiz, L. (2018). Consumo simbólico: análise de um grupo de consumidores de baixa renda em Porto Alegre. Organizações em contexto, 14(28), 145-175.

Lucerna, M. (2006). Relações de gênero: A dominação masculina. São Paulo.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Malhotra, N. (2011). Pesquisa de Marketing: foco na decisão.São Paulo: Pearson Education,3 ed.

Marre, J. (1991). História de vida e método biográfico. Cadernos de Sociologia, 3(3), 55-88.

Maximo, A. R. (2015). Estudo do comportamento do consumidor metrossexual com relação ao consumo de produtos cosméticos (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Maximo, A. R., & Leite, R. S. (2017). Novas concepções de gênero: O homem vaidoso e os tipos de consumidores metrossexuais. Consumer Behavior Review, 1(Special Edition), 62-79.

Maximo, A. R., & Leite, R. S. (2019). A identidade metrossexual de homens consumidores de produtos de beleza. Comunicação & Mercado - Revista Internacional de Ciências Sociais Aplicadas da UNIGRAN , v. 6, p. 1-100.

Michael Weber, J., & Villebonne, J. C. (2002). Canadian and French men’s consumption of cosmetics: a comparison of their attitudes and motivations. Journal of Fashion Marketing, 6(4), 396-407.

Neri, R. F., & Tarquini, J. R. (2011, julho). Todos Querem Ser David Beckham – O “Novo Homem” É Fruto Da Mídia Ou Da Sociedade?. Anais do Intercom - XXII Prêmio Expocom 2015, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Nobusada, D., Vieira, E., Silva Leite, J., Xavier, M. C., Rafare, M. R., & Carneiro, M. M. (2011, julho). O homem metrossexual e o seu comportamento de compra de cosméticos. Anais do ENFAGEN, Uberlandia, MG, Brasil.

Nossiter, V., & Biberman, G. (1990) Projective drawings and metaphor: analysis of organizational culture. Journal of Management Psychology, London, MCB University Press, 5(3), 13-16.

Oliveira, M. A. (2008). O homem no espelho: Uma busca de comprrensão da identidade metrossexual (Dissertação de Mestrado). Faculdade Boa Viagem, Recife, PE, Brasil.

Oliveira, M. A., & Leão, A. L. (2011). O papel da subjetividade na construção da identidade metrossexual. Revista de Negócios, 10(1), 177-202.

Oliveira, M. A., & Leão, A. L. (2012). Sendo aos olhos do outro: o papel da alteridade na construção da identidade metrossessual. Revista de Administração 4(2), 264-274.

Oliveira Junior, E. B. (2012). Masculinidades em cena: O mode de ser e de pensar o metrossexual a partir das telenovelas (Dissertação de Mestrado).Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Papalia, D. E., Olds, S. W., Feldman, & R. D. (2006). Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed.

Penn, M. (2008). Microtendências. Rio de Janeiro: BestSeller.

Pinho, O. (2004). Qual é a identidade do homem negro? In: Democracia Viva, p. 22.

Piacentini, M., & Mailer, G. (2004). Symbolic consumption ethnocentrism when foreign products are better. Journal of Consumer Behavior, 3(3), 251-162.

Popcorn, F., & Marigold, L. (1997). Click: 16 tendências que irão transformar sua vida, seu trabalho e seus negócios futuros.Rio de Janeiro: Campus.

Resende, S. P., Pinto, M. R., Maximo, A. R., & Leite, R. S. (2014, setembro). “Eu vou, eu vou... Pro Shopping agora eu vou”: Os significados dos Shopping Centers para os consumidores da nova classe média. Anais VII ENEC, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Sant’anna, P. (2005). Revistas de moda masculinidade e a ambigüidade nos anos noventa. In: WAJNMAN S e ALMEIDA A J de (Orgs.) Moda, Comunicação e Cultura (2ª ed.). São Paulo: Arte e Ciência.

Sayon, M. (2017). Consumo de cosméticos masculinos: Uma questão de vaidade e masculinidade? (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, SP, Brasil.

Seltiz, C., Wrightsman, L., & Cook, S. (1976). Research methods in social relations (3 ed.). Holt: Rinehart e Winston Inc.

Slater, D. (2002). Cultura do consumo e modernidade. São Paulo: Nobel.

Souiden, N., & Diagne, N. (2009). Canadian and French men’s consumption of cosmetics. Journal of Consumer Marketing, 26 (2), 97-109.

Vergara, S. C. (2008). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, V. A., & Tibola, F. (2005, Abr/Jun). Pesquisa qualitativa em marketing e suas variações: trilhas para pesquisas futuras. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, 9(2), 9-33.

Vieira-Senna, T. (2011). A Construção da identidade masculina contemporânea por meio da roupa intima (Dissertação de Mestrado). Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, SP, Brasil.

Villaça, N. (2011). In: (Garcia W.) O metrossexual no Brasil: Estudos Contemporâneos.São Paulo: Factash.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: Uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, T. T. (org). Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License