Mídia Streaming e Pirataria: O comportamento do consumidor de Anime no Brasil

Brennda Evaristo Hipólito, Keysa Manuela Cunha de Mascena

Resumo


Este artigo tem por objetivo descrever a percepção do consumidor sobre o processo de compra de animes em mídia streaming e plataforma ilegal. O comportamento do consumidor foi investigado utilizando-se as etapas do processo de compra em relação às diferentes plataformas de animes, buscando conhecer suas preferências e percepção acerca das mídias streaming e pirata. Realizou-se uma survey com uma amostra de 252 respondentes. O estudo aponta que a relação dos consumidores de animes com as plataformas legais e ilegais é complexa. Os assinantes de serviços não abandonam o uso da pirataria, enquanto aqueles que utilizam apenas as plataformas ilegais afirmam, em maioria, não se interessar por assinar um serviço haja vista a existência das opções gratuitas, mesmo que sejam ilegais. Esse estudo revela o posicionamento e percepção do consumidor quanto à mídia pirata e pode contribuir para pesquisas em diferentes tipos de entretenimento digital.


Palavras-chave


Processo de Compra; Animação Japonesa; Plataforma ilegal; Indústria de Entretenimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. S. O. (2015). Animação on-line: considerações sobre a produção e divulgação de animação no canal Cartoon Hangover. Monografia (Bacharelado em Comunicação Social), Universidade de Brasília, Brasília.

Andrade, M. L., Leite, R. S. & Sousa, D. C. (2019). Ética e o consumo de produtos falsificados. Consumer Behavior Review, 3(1) 1-17.

Banov, M. R. (2017). Comportamento do consumidor: Vencendo desafios. São Paulo: Cengage Learning.

Barros, M. S. M., & Hora, R. D. (2013). Studio Ghibli: A consolidação do animê como produto de consumo. In: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, 15. Mossoró: Intercom.

Brito, Q. G., & Gushiken, Y. (2011). Animê: o mercado de animações japonesas. In: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Centro-Oeste, 13. Cuiabá: Intercom. Recuperado em 07 de setembro de 2018, dehttp://intercom.org.br/papers/regionais/centrooeste2011/resumos/R27-0378-1.pdf

Cardoso, B. F. (2016). A utilização do streaming como ferramenta de combate à pirataria de músicas digitais. Monografia (Bacharelado em Direito), Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, Centro Universitário de Brasília, Brasília.

Casali, R. R. B., & Costa, F. J. (2014). Uma análise dos impactos da estrutura de custos percebida sobre a predisposição à pirataria de software. Revista de Gestão, 21(2), 255-270.

Castanheira, I. C. B. (2012). Comunidade de Fãs e Formas de Expressão Online: a Indústria do Anime e Manga Japonês na Internet. Dissertação (Mestrado) Curso de Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa.

Catão, B. A., Acevedo, C. R., & de Godoy, E. C. (2017). Tribo de consumo de animes: o anime como um totem. Gestão e Desenvolvimento, 14(2), 126-140.

Cesar, D. J. T. (2013). A cultura da cópia: estudo sobre o compartilhamento de arquivos e a prática da pirataria virtual. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

Coutinho, M. (2014). Saiba mais sobre streaming, a tecnologia que se popularizou na web 2.0. Recuperado em 25 de novembro de 2018, de https://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2013/05/conheca-o-streaming-tecnologia-que-se-popularizou-na-web.html.

Crunchyroll (2018). Bloco Crunchyroll TV estreia na Rede Brasil no dia 21 de abril (AT): O anúncio que todos esperavam!. Recuperado em 16 de março de 2019, dehttps://www.crunchyroll.com/pt-br/anime-news/2018/04/13/bloco-crunchyroll-tv-estreia-na-rede-brasil-no-dia-21-de-abril>.

Curi, P. (2012). A TV deles: fãs brasileiros assistindo à programação norte-americana. In: Congreso Internacional De La Red Iberoamericana De Narrativas Audiovisuales, 2012. Sevilla: Universidad de Sevilla.

Exorbeo (2016). Os animes no Brasil: O passado, presente e futuro.Recuperado em 07 de setembro de 2018, dehttp://www.exorbeo.com/os-animes-brasil-o-passado-e-o-futuro/.

Faria, M. L. (2008). História e narrativa das animações nipônicas: algumas características dos animês. Actas de Diseño, 5(5), 150-157.

Fecomércio (2017). Combate à pirataria. Federação do Comércio de São Paulo. Recuperado em 28 de novembro de 2018, de http://www.fecomercio.com.br/upload/file/2017/06/21/cartilha_combateapirataria.pdf.

Fernandes, D. C. M. (2015). Pirataria no Brasil: fatores de influência do comportamento do consumidor. Monografia (Bacharelado em Ciências Econômicas) Instituto de Ensino e Pesquisa, São Paulo.

Freitas, R. O., & Bittencourt, D. A. (2015). O mercado de mangás e a cultura da convergência: descentralizando as decisões. Pontos de Interrogação - Revista de Crítica Cultural, 4(1), 65-74.

Galvão, F. F., Pépece, O. M. C. & Mota, L. (2018). O Canon do Consumo do Universo Star Trek no Brasil. Consumer Behavior Review, 2(1), 13-27.

Giglio, E. M. (2010). O Comportamento do Consumidor. 4. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Gonçalves, D. (2014). História – Ontem e Hoje: Anime e Mangá em Solo Brasileiro (Parte 1 – Animes). Recuperado em 07 de setembro de 2018, de https://esoumdesenho.wordpress.com/2014/12/14/historia-ontem-e-hoje-anime-e-manga-em-solo-brasileiro-parte-1/.

Goto, M. (2018). Quando surgiram os primeiros mangás e animês?:Saiba tudo sobre este pedaço da cultura japonesa. Recuperado em 07 de setembro de 2018, de https://super.abril.com.br/mundo-estranho/quando-surgiram-os-primeiros-mangas-e-animes/.

Grohmann, M. Z., Radons, D. L., Rosa, A. C., Nunes, J. D., Battistella, L. F., & Piveta, M. N. (2015). Os jovens e a pirataria: investigando o uso não autorizado de softwares. Revista de Administração da Unimep, 13(1), 67-90.

Hoyer, W. D., & Macinnis, D. J. (2011). Comportamento do consumidor.São Paulo: Cengage Learning.

Ipea (2012). Download de músicas e filmes no Brasil: Um perfil dos piratas online. Comunicados do Ipea nº147. Recuperado em 28 de novembro de 2018, dehttp://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/120510_comunicadoipea0147.pdf.

Las Casas, A. L. (2013). Administração de Marketing:Conceitos, planejamento e aplicações à realidade brasileira. São Paulo: Atlas.

Linz, W. R., & Santos, F. M. L. (2015). Gerência de Vendas. Fortaleza: Sebrae/CE.

Malhotra, N. K. (2011). Pesquisa de marketing:foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Merlo, E. M., & Ceribeli, H. B. (2014). Comportamento do consumidor.Rio de Janeiro: LTC.

Muso (2018). Global piracy increases throughout 2017, MUSO Reveals.Recuperado em 28 de novembro de 2018, dehttps://www.muso.com/magazine/global-piracy-increases-throughout-2017-muso-reveals/.

Saccomori, C. (2015). Qualquer coisa a qualquer hora em qualquer lugar: as novas experiências de consumo de seriados via Netflix. Temática, 11(4), 53-68.

Sauerbronn, J. F. R., Barros, D. F., Strehlau, S., & Costa, A. S. M. (2010). Pirataria e download como comportamento desviante e as técnicas de neutralização usadas pelo consumidores. Gestão e Sociedade, 4(8), 513-538.

Solomon, M. R. (2016). O Comportamento do Consumidor: Comprando, Possuindo e Sendo. 11. ed. Porto Alegre: Bookman.

Toledo, A. C., Menardi, B., Molina, C. S., Milanezi, M. F. (2013). A relação do fã e a mídia: participatividade e influência. In: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, 18. Bauru: Intercom.

Yuge, C. (2019). Polêmica: sites de anime brigam com Crunchyroll por combate à pirataria. Recuperado em 17 de maio de 2019, dehttps://www.tecmundo.com.br/internet/138502-polemica-sites-acusam-crunchyroll-acao-ilegal-combate-pirataria.htm.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License