Produção de Sentidos na Indústria Cultural da Cerveja: Aspectos do processo discursivo nas ações de marketing de experiências

Renato Augusto da Silva Monteiro, Fábio Francisco de Araujo

Resumo


A cerveja é a bebida alcoólica mais consumida no Brasil. As estratégias discursivas das ações de marketing representaram, em grande medida, um importante valor simbólico socialmente construído para direcionar hábitos e preferências. Recentemente, a experiência é introduzida como a nova tendência nas práticas empresariais para fomento do consumo. Este estudo parte da teoria crítica com o objetivo de analisar o processo discursivo promovido no Centro de Experiência Cervejeira da Bohemia (CECB) para compreender as estratégias de produção de sentido junto aos consumidores. Tratou-se de um estudo interpretativo descritivo, que utiliza a análise sócio-histórica e a técnica de análise de discurso para interpretação de imagens, textos e vídeos das salas de exposição. Os resultados apontam para a construção de uma elaboração discursiva a partir da experiência da visitação para criação de significados sobre a cerveja e a marca Bohemia, que visam à produção e à manutenção de determinados hábitos de consumo.


Palavras-chave


Marketing de experiência; Discurso; Consumo; Bebidas alcoólicas; Cerveja.

Texto completo:

PDF

Referências


Aaker, J. L. (1997). Dimension of brand personality. Journal of Marketing Research, vol. 34 (1), pp. 347-56.

Adorno, T., & Horkheimer, M. (1985) A dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Alcadipani, R., & Hodgson, D. (2009). By any means necessary? Ethnographic access, ethics and the critical researcher, Tamara: Journal of Critical Postmodern Organization Science, 7 (3-4), 127-146.

Almeida, V.C.; & Rocha, A. (2008). Efeito pátina: a inscrição de signos conotativos da passagem do tempo nos bens de consumo. Comunicação, mídia e consumo. 5 (13), p. 97-120.

Araujo, F.F., Bitar, N.P., Santos, M., Baião, M.R., & Silva, T. (2019). Experiências de Consumo no Samba. Revista Alceu, 20(38), 142-163.

Araujo, F. F., & Chauvel, M. A. (2012). Marketing de Cinema Francês no Brasil: Um estudo exploratório sobre as estratégias de promoção para o lançamento de filmes no mercado brasileiro. FACEF Pesquisa: Desenvolvimento e Gestão, vol. 15 (3), pp. 298-315.

Araujo, F. F., & Rocha, A. (2016). Significados Atribuídos ao Lazer na Terceira Idade: Observação Participante em Encontros Musicais. Podium: sport, leisure and tourism review, 5 (2), pp. 38-55.

Araujo, F.F., & Rocha, A. (2019). The redefining of later life through leisure: music and dance groups in Brazil. Leisure Studies, 38(5), 712-727.

Araujo, F. F., Turano, L. M., & Vieira, F. C. (2019). Subculturas Religiosas de Consumo: Um estudo etnográfico de jovens católicos nas práticas dos Exercícios Espirituais. Consumer Behavior Review, 3(2), 99-119.

Azambuja, C. P., & Bichueti, R. S. (2016). Marketing de Experiência: Estratégias para Impulsionar o Market Share e Fortalecer a Marca do Energético Energy. Revista de Administração da UFSM, v. 9 (Edição Especial), 88-106.

Bamforth, C. (2008). Vinhos versus Cervejas: uma comparação histórica, tecnológica e social. São Paulo: Senac.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baudrillard, J. (2008). A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições 70.

Beltramelli, M. (2012). Cervejas, brejas e birras: um guia complete para desmistificar a bebida mais popular do mundo. São Paulo: Leya.

BJCP. (2015). Diretrizes de Estilo para Cerveja do Beer Judge Certification Program (BJCP). Recuperado em 20 abril, 2000, de https://www.bjcp.org/docs/2015_Guidelines_Beer.pdf.

Bourdieu, P. (2013). O senso prático. Petrópolis: Vozes.

Brakus, J. J., Schmitt, B. H., & Zarantonello, L. (2009). Brand experience: What is it? How is it measured? Does it affect loyalty? Journal of Marketing, vol. 73, pp. 52-68.

Brito, S.R, Oliveira, A.M., Nobre, L.H.N, & Macêdo, A.F.P. (2017). Dimensões de Brand Experience no Contexto Brasileiro. RACE, Joaçaba, 16, (4), 121-146.

Carneiro, V. C. V. (2011). A análise do discurso como instrumento de pesquisa para os estudos em sustentabilidade. In: III Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Anais... João Pessoa: Anpad.

Cervieri Júnior, O., Teixeira Júnior, J. R., Rangel, G., Rawet, E. L. & Silveira, C. T. J. (2014). O setor de bebidas no Brasil. BNDES Setorial. Rio de Janeiro, 40.

Cruz, C.O., Prado, S.D., Freitas, R.F., Ferreira, F., & Carvalho, M.C.V.S. (2013). Alimentação, publicidade e identidade no universo do consumo. In: Ferreira, F., Prado, S. D., & Carvalho, M. C. V. S. (Org.). Alimentação, Consumo e Cultura. 1ª. Ed. Curitiba: CRV, p. 155-179.

Decreto nº 9.902 de 08 de julho de 2019 (2019). Altera o Anexo ao Decreto nº 6.871, de 4 de junho de 2009. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Secretária-geral da Presidência da República.

Detienne, M. (1988). Dioniso a céu aberto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Ding, D. X., Hu, P. J., Verma, R., & Wardell, D. G. (2010). The impact of service system design and flow experience on customer satisfaction in online financial services. Journal of Service Research, Thousand Oaks, 13 (1), 96-110.

Elliot, R., & Jankel-Elliot, N. (2003). Using ethnography in strategic consumer research. Qualitative Market Research, vol. 6 (4), pp.215-223.

Fernandes, J. A. (2004). Selvagens bebedeiras: álcool, embriaguez e contatos culturais no Brasil colonial. Tese de Doutorado em História. Niterói: UFF.

Flandrin, Jean-Louis. (2015). Tempero, cozinha e dietética nos séculos XIV, XV e XVI. In: Flandrin & Montanari. História da Alimentação. São Paulo: Estação Liberdade, p. 478-495.

Fontenelle, I. A. (2013). O nome da marca: McDonald's, fetichismo e cultura descartável. São Paulo: Boitempo/Fapesp.

Habermas, J. (1989). Theory of communicative action: lifeworldand systems a critique. Boston: Beacon Press, v.2.

Griffith, D.A. (2003). Intimacy, rites of passage and social support: symbolic meaning from lifetime shopping experiences. The International Review of Retail, Distribution and Consumer Research, vol. 13 (3), pp. 263-278.

Holbrook, M. B., & Hirschman, E. C. (1982). The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings and fun. Journal of Consumer Research, vol. 9 (1), pp. 132-140.

Holbrook, M. B. (2000). The Millennial Consumer in the Texts of Our Times: Experience and Entertainment. Journal of Macromarketing, vol. 20, no.2, p.178-192.

Interbrand. (2020). Ranking das marcas brasileiras mais valiosas do mercado em 2019. Recuperado em 29 de abril, 2020, de https://www.interbrand.com/br/best-brands/best-brazilian-brands/2019/ranking/.

Lei nº 8.918, de 14 de julho de 1994 (1994). Dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Casa Civil.

Lira, J. S., Silva Junior, O. G., & Costa, F.Z.N. (2020). Como se dá o Engajamento do Consumidor em um Espaço Colaborativo: Relação de negócios ou devoção? Consumer Behavior Review, 4(1), p. 53-65.

Marques, T. C. N. (2014). A cerveja e a cidade do Rio de Janeiro: De 1888 ao início dos anos 1930. Brasília: EdUNB/Paco Editora.

Matsunobu, K. (2018). Music for life: A Japanese experience of spirituality, ageing and musical growth. Ageing & Society, 38(6), 1100–1120.

Mhlanga, O., & Tichaawa, T. M. (2017). Influence of social media on customer experiences in restaurants: A South African study. Turizam, 65(1), 45-60.

McCracken, G. (2003). Cultura & Consumo: Novas Abordagens ao Caráter Simbólico dos Bens e das Atividades de Consumo. Rio de Janeiro: Ed. Mauad.

Meyer, C., & Schwager, A. (2007). Understanding customer experience. Harvard Business Review, Boston, 85, pp. 117-126.

Moura, L.P.A., & Araujo, F.F. (2020). Influência dos Pares nas Práticas de Consumo: Análise do grupo de referência no Filme Meninas Malvadas. Consumer Behavior Review, 4(1), 1-18.

Montanari, M. (2015). Plena e baixa Idade Média (séculos XI-XV). In: Flandrin, Jean-Louis & Montanari, M. História da Alimentação. 8ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, p. 381-386.

Monteiro, R., & Gouvêa, G. (2016). Centro de Experiência Cervejeira da Bohemia: um Museu de Ciência e Tecnologia? ALEXANDRIA. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9, (2), 303-327.

Pine II, B. J., & Gilmore, J. H. (1998). Welcome to the experience economy. Harvard Business Review, July-August, pp. 97-105.

Rosa, S. E. S., Cosenza, J. P. & Leão, L. T. S. (2006). Panorama do setor de bebidas no Brasil. In: BNDES Setorial, Rio de Janeiro, 23, p. 101-150.

Schivelbusch, W. (1992). Tastes of Paradise: a social history of spices, stimulants, and intoxicants. Tradução: David Jacobson. New York: Vintage Book.

Schmitt, B. H. (2001). Marketing Experimental: das características e benefícios às experiências. São Paulo: Nobel.

Schmitt, B.; Brakus, J. J.; & Zarantonello, L. (2014). From experiential psychology to consumer experience. Journal of Consumer Psychology, 25 (1), pp. 166-171.

Schmitt, B. H., Brakus, J., & Zarantonello, L. (2015). The current state and future of brand experience. Journal of Brand Management, 21 (9), pp. 727-733.

Scussel, F.B.C. (2019). Is Consumer Experience the Next Best Thing? Reflections from a systematic review and research agenda proposition. Consumer Behavior Review, 3(2), 57-69.

Shamim, A., & Butt, M. M. (2013). A critical model of brand experience consequences. Asia Pacific Journal of Marketing and Logistics, 25 (1), pp. 102-117.

Silva, M.J.B., & Barbosa, M.L.A. (2018). Compartilhando Bicicletas e Consumindo Experiências: Uma Investigação do consumo Colaborativo Praticado por Usuários do Bike PE. Consumer Behavior Review, 2(Edição Especial), 1-18.

Silva, S. (2012). A persuasão na propaganda de cervejas: sob o enfoque sistêmico-funcional. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos de Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Strauss, A. & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. (2ª Ed). Porto Alegre: Artmed.

Vargo, S. L., & Lusch, R. F. (2004). Evolving to a new dominant logic for marketing. Journal of marketing, 68 (1), pp. 1-17.

Tripadvisor. (2020). Avaliações do Centro de Experiência Cervejeira da Bohemia. Recuperado em 5 de maio de 2020, de https://www.tripadvisor.com.br/ShowUserReviews-g303504-d3246285-r724225085-Cervejaria_Bohemia-Petropolis_State_of_Rio_de_Janeiro.html#REVIEWS

Venturini Filho, W. G. (2010). Bebidas alcoólicas: ciência e tecnologia. São Paulo: Blucher.

Thompson, C.J. (1997). Interpreting Consumers: A Hermeneutical Framework for Deriving Marketing Insights from the Texts of Consumers’ Consumption Stories. Journal of Marketing Research, 34 (1), p. 438-455.

Thompson, J. B. (2000). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era das comunicações de massa. Petrópolis: Vozes.

Yamamoto, C. H. (2011). A demanda por bebidas alcoólicas no Brasil: 2008-2009. Dissertação de Mestrado. Escola de Economia de São Paulo. São Paulo: FGV.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License