Marketing Sensorial e Consumidores com Deficiência: Uma análise a respeito da lembrança de marca

Cristiane Medeiros Guerra, Valéria da Veiga Dias

Resumo


O uso do Marketing sensorial vem se disseminando pela capacidade de criar experiências marcantes aos consumidores, que com o estímulo adequado, reagem ou criam memórias a respeito da marca. No entanto, nem todos os consumidores podem receber informações ou estímulos por meio de todos os sentidos, o que, em muitos casos pode significar alienação e falta de interação com as marcas. O objetivo deste trabalho foi analisar como estratégias de marketing sensorial são percebidas por consumidores com deficiência auditiva e visual. A metodologia foi classificada como descritiva e exploratória, com abordagem qualitativa na coleta e análise de dados. Realizou-se uma pesquisa de campo e a entrevistas semiestruturadas. A análise dos dados se deu por análise de conteúdo. Pode-se observar que os deficientes sensoriais são limitados nas suas escolhas, por falta de acessibilidade, principalmente quando a comunicação da marca não consegue atingir completamente os públicos, já que um aspecto sensorial diferente poderia ser usado para pessoas que possuem alguma limitação. Por mais que o marketing sensorial aproxima-se estrategicamente das pessoas, sozinho não consegue comunicar-se plenamente com este público. Os deficientes sensoriais conseguem realizar compras, mas poucos desenvolvem preferências pessoais, e quando possuem, baseaim-se em influencia de familiares, amigos e conhecidos.


Palavras-chave


Consumidor; Decisão de compra; Significados; Percepção

Texto completo:

PDF

Referências


Acevedo, C. R., & Fairbanks, V. S. L. (2018). Os Efeitos do Marketing Sensorial Sobre a Experiência de Compra do Consumidor no Ponto de Venda. Revista Interdisciplinar de Marketing, 8(1) 51-67.

Alves, E. B. (2019). Consumo e sociedade: um olhar para a comunicação e suas práticas de consumo. Curitiba. Inter Saberes.

Bagdare, S. (2013). Antecedents of Retail Customer Experience. Journal of Marketing & Communication, 8(3) 45-51.

Badenhausen, K. (2019). As 100 marcas mais valiosas do mundo em 2019. Recuperado de https://forbes.com.br/

Bardin, L. (2010) Análise de conteúdo (4a ed.) Lisboa, Edições 70.

Benjamin, S., Bottone, E., & Lee, M. (2020). Beyond accessibility: exploring the representation of people with disabilities in tourism promotional materials, Journal of Sustainable Tourism, 29(2-3), 295-313. DOI: 10.1080/09669582.2020.1755295

Blessa, R. (2011). Merchandising no ponto-de-venda. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Bragança F. F.C., Zaccaria R. B., Giuliani A. C., & Pitomba T. C. (2016). Marketing, criatividade e inovação em unidades de informação. Revista Brasileira de Marketing – ReMark, 15(2). DOI: 10.5585/remark.v15i2.3277

Cardoso, J. (2016). A influência das cores nas marcas. Recuperado em 13 de novembro 2019 de https://blog.welancer.com/

Cardoso, E., Corrêa, Y., & Peduzzi R. (2020). Strategic approaches of brands to visually impaired people: Accessible communication guidelines. e-Revista LOGO, 9(1), 2020 - ISSN 2238-2542. http://doi.org/10.26771/e-Revista.LOGO/2020.1.03.

Carroll, B. A., & Ahuvia, A. C. (2006). Some antecedents and outcomes of brand love. Marketing Letters, 17(2), 79-89.

Damascena, E., & Farias, S. (2013). Os elementos sensoriais em supermercados: um estudo junto a pessoas com deficiência visual na perspectiva da pesquisa transformativa do consumidor (Tese Dissertação). Universidde Federal do Pernambuco, Recife.

Decreto Lei nº 13.146/2015. (2015) Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Estátuto da Pessoa com Deficiência, p.1219.

Diniz, D., Barbosa, L., & Santos, W. R. (2009, Dezembro). Deficiência, Direitos Humanos e Justiça. Sur, Rev. int. direitos humanos. 6(11). https://doi.org/10.1590/S1806-64452009000200004

Ditoiu, M., & Caruntu, A. (2013, Janeiro). Sensory experiences regarding five-dimensional brand destination. Procedia: Social and Behavioral Sciences, 109 (1), 301-306. Doi: 10.1016/j.sbspro.2013.12.461

Engel J. F., Blackwell, R. D., & Miniard, P. W. (2013). Comportamento do Consumidor. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Ferreira, A. B. de H. (2019). Dicionário Online de Português. Recuperado em 21 de novembro 2019 de https://www.dicio.com.br/

Filser, M. (2003, Setembro) Le marketing sensoriel: la quête de l’intégration théorique et managériale. Revue Française du Marketing, 4/5(194), 5-11. Recuperado de http://j.pelet.free.fr/publications/atmosphere/Le_marketing_sensoriel_La_qu%EAte_de_l'int%E9gration_th%E9orique_et_manag%E9riale.pdf

Frankenthal, R. (2018). Posicionamento de marca. Recuperado em 12 de novembro 2019 de https://mindminers.com

Galvão F., T. A. et al. (2009). Conceituação e estudo de normas. In: Brasil, Tecnologia Assistiva. Brasília: CAT/SEDH/PR, 13-39. Recuperado de https://www.docsity.com/pt/livro-tecnologia-assistiva/4813463/

Gonçalves, C. (2019). O que Santa Maria oferece de cultura para quem não ouve e quem não vê. Recuperado em 18 de novembro de 2019 de www.diariosm.com.br

Gonçalves, H. A. (2014). Manual de metodologia da pesquisa científica. 2 ed. São Paulo: Avercamp.

Holbrook, M. B., & Hirschman, E. C. (1982, Setembro) The Experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings, and fun. Journal of Consumer Research, 9(2), 132-140, 1982. https://doi.org/10.1086/208906

Instituto Brasileiro Geografia e Estatisco (IBGE). (2010). Censo Demográfico. Recuperado em 9 de abril 2019 de https://www.ibge.gov.br

Jahn, B., & Kunz, W. (2012, Junho). How to transform consumers into fans of your brand. Journal of Service Management, 23(3), 344–361. DOI: 10.1108/09564231211248444

Jiménez M., G., & Zambrano, E. (2018, Novembro). Marketing Sensorial: merchandising por meio das emoções no ponto de venda. Análise de um caso. AdComunica: revista cientifica de estratégica, tendências e inovação em comunicação. 15, 235-253. DOI: http://dx.doi.org/10.6035/2174- 0992.2018.15.12

Klein, E. (2012). Como ser fiel ao que o cliente espera da sua marca?. Recuperado em 19 de novembro 2019 de https://administradores.com.br

Kotler, P., & Armstrong, G. (2015). Princípios de Marketing. 15. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Kotler, P., & Keller, L. K. (2006). Administração de Marketing.12º ed. São Paulo: Prentice Hall.

Kotler, P., & Keller, K. L. (2012). Administração de Marketing. 14. ed. São Paulo, Pearson Education do Brasil.

Kotler, P., & Keller, K. L. (2013). Marketing essencial: conceitos, estratégias e casos. 5ª.ed. São Paulo: Pearson.

Kotler P., Setiawan I., & Kartajaya H. (2017). Marketing 4.0: Mudança do tradicional para o digital. Coimbra: Actual.

Limeira, T. M. V. (2010). Administração das Comunicações de Marketing, . São Paulo: Saraiva.

Lindstrom, M. (2010). Brand sense: Segredos sensoriais por trás das coisas que compramos. Porto Alegre: Bookman.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Mathias, L. (2018). A influência dos tipos de comportamento na tomada de decisão do consumidor. Recuperado em 18 de novembro 2019 de https://mindminers.com

Minuzzi G., & Larentis F. (2014, Setembro/Dezembro) Marketing: definições, aplicações, tendências e desafios do profissional. Revista de Administração IMED, 4(1), 80-97. Recuperado de https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/article/view/429

Miethlich, B., & Oldenburg, A. (2019). How Social Inclusion Promotes Sales: An Analysis of the Example of Employing People with Disabilities, Journal of Marketing Research and Case Studies, 463316, DOI: 10.5171/2019.463316

Oliveira, D. V., Faganelo L. R., Rossi A., Orsi M.& Paschoarelli L. C. (2015, Outubro). Aspectos Inclusivos da Moda com Foco nas Pessoas com Deficiência Visual. Moda Palavra E-periódico, Florianópolis, 1(9), 116-139. Recuperado de http:/www.redalyc.org/articulo.oa?id=514051509008

Ocke, M. A. M. O. (2018). Produto Ampliado dos lugares: Uma Perspectivq de Marketing. Revista Interdisciplinar de Marketing, 7(2), 139-155, 2018. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rimar/article/view/33924

Parente, J. (2010). Varejo no Brasil. São Paulo: Atlas.

Pastore, C. M. A. ( 2018). Gestão da marca. Cutritiba. Inter Saberes.

Pereira, M. E.. (2018). Deficientes visuais cobram melhorias no atendimento do comércio e de serviços. Recuperado em 18 de novembro de 2018 de https://www.em.com.br/

Portela, K. C. A., Schumacher, A. J., & Borth, M. R. (2013). Ferramentas do Secretário Executivo. 2.ed. Cuiabá/MT: Dos Autores.

Raithel, S., Taylor, C., & Hock, S. (2016). Are Super Bowl ads a super waste of money? Examining the intermediary roles of customer-based brand equity and customer equity effects. Journal of Business Research, 69(9).

Ramaseshan, B. & Stein, A. (2014). Connecting the dots between brand experience and brand loyalty: The mediating role of brand personality and brand relationships. Journal of Brand Management, 1(21), 664-683. Recuperado de https://link.springer.com/article/10.1057/bm.2014.23

Ramos, A. J.. (2019). Entenda o que é identidade visual e qual a sua importância para a estratégia do seu negócio. Recuperado em 19 de novembro de 2019 de https://rockcontent.com/

Rez, R. (2018). Marketing 4.0: do Tradicional ao Digital, passo a passo. Recuperado em 11 de novembro de 2019 de https://novaescolademarketing.com.br/

Silva, E. L.; Menezes, E. M. ( 2001). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da UFSC. Recuperado de http://cursos.unipampa.edu.br/cursos/ppgcb/files/2011/03/Metodologia-da-Pesquisa-3a-edicao.pdf

Site Institucional da Apple. (2019). Acessibilidade. Recuperado em 05 de maio de 2019 de https://www.apple.com/br/acessibility/iphone

Site Wordcloud. Gerador de Wordcloud online gratuito. Recuperado em 25 de novembro de 2019 de www.wordcloud.com

Torneiro, Gustavo. (2019). O poder de compra das pessoas com deficiência,. Recuperado em 25 de novembro 2019 de https://sondery.com.br

Sarkar, A. (2011). Romancing with A Brand: A Conceptual Analysis of Romantic Consumer-Brand Relationship. Management & Marketing, 6(1).

Sarquis A. B., Cittadin J., Morais A. S. A., Tondolo R. R. P. & Santos E..(2016, Maio/Agosto) O estado da arte do tema marketing para pequenas empresas: um estudo bibliométrico da produção científica nacional. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 3(3). DOI: 10.18226/23190639.v3n3.06

Soares, M. M. (2013). Implementação da Estratégia de Marketing Sensorial: uma abordagem empírica. Dissertação (Mestrado em Ciências Econômicas e Empresariais). Universidade dos Açores. Portugal.

Solomon, M. R. (2016). O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 11. Ed. Porto Alegre: Book man.

Souki, Ô. (2006). As 7 Chaves da Fidelização de Clientes. Harbra, São Paulo.

Scaraboto, D. & Fischer, E. (2013). Frustrated fatshionistas: An institutional theory perspective on consumer quests for greater choice in mainstream markets. Journal of Consumer Research, 39(6), 1234-1257.

Strauss, J., & Frost, R. D. E. (2001). Marketing. Englewood Cliffs. Nj Prentice hall. São Paulo.

Teixeira, R. F. (2018). Satisfação do Cliente: tudo o que você precisa saber. Recuperado em 21 de novembro de 2019 de https://blog.deskmanager.com.br/

Torres, C. (2009). A bíblia do marketing digital. São Paulo: Novatec.

Turgut, M. U., & Gultekin, B. (2015). The Critical Role of Brand Love in Clothing Brands. Journal of Business Economics and Finance, 4(1), 126-152.

Vergara, S. C. (2009). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 11ª ed. São Paulo: Atlas.

Video. (2014). Marketing de Experiência - Case Coca-Cola. Recuperado em 03 de maio de 2019 de www.youtube.com/watch?v=63TfggFOubI

Wheeler, A. (2019). Design de identidade da marca: guia essencial para toda a equipe de gestão. 5 ed. Porto Alegre: Bookman.

Ximenez, A. (2019). Marketing sensorial: mexa com as emoções dos seus clientes. Recuperado em 19 de novembro de 2019 de https://mutantbr.com/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

          

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License