Motivações para uma Vida Minimalista e os Impactos no Consumo

Juliana de Farias Fernandes Oliveira, Renata Céli Moreira da Silva Paula

Resumo


Diversos estudos têm debatido sobre as consequências do consumo, como os impactos ambientais e sociais. Esses estudos geram reflexões e, com isso, existem pessoas que estão mudando seus modos de viver em prol de um mundo melhor ou de uma vida com mais felicidade e qualidade. Um exemplo são as pessoas que vão na direção oposta ao consumo, buscando um estilo de vida minimalista. O objetivo do trabalho foi investigar quais são as motivações para as pessoas buscarem uma vida minimalista e quais são os impactos no consumo. Foram feitas entrevistas em profundidade com dez adeptos do minimalismo. As motivações relatadas foram principalmente de cunho pessoal, como busca pela liberdade, felicidade e desejo de melhor utilização do tempo e dinheiro. Aderir ao estilo de vida minimalista leva a grandes mudanças no consumo que afetam a forma de se vestir, se locomover, morar e até mesmo a forma como se dão os relacionamentos intrapessoais e interpessoais. Foram relatados benefícios ao adotar o minimalismo. Porém, os entrevistados citaram dificuldades, como a falta de compreensão de amigos e familiares. Apesar das dificuldades, eles sentem que vale a pena aderir ao minimalismo, pois se sentem mais felizes e com uma vida com mais propósito.


Palavras-chave


Minimalismo; Anticonsumo; Simplicidade Voluntária.

Texto completo:

PDF

Referências


Ahuvia, A. (2008). If money doesn’t make us happy, why do we act as if does? Journal of Economic Psychology, 29(4), 491-507.

Almeida, M. (2017). Este documentário da Netflix vai fazer você repensar suas compras. Revista Exame. Disponível em: https://exame.com/seu-dinheiro/este-documentario-da-netflix-vai-fazer-voce-repensar-suas-compras/. Acesso: junho de 2020.

Baudrillard, J. (2008). A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições 70.

Buell, L. (2005). Downwardly mobile for conscience’s sake: Voluntary simplicity from Thoreau to Lily Bart. American Literary History, 17(4), 653-665.

Candido, L. (2016). Quando Menos é Mais: Olhares, Discursos e Práticas Acerca da “Vida Simples”. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais PUC-RS.

Chatzidakis, A. & Lee, M. S. W. (2013). Anti-Consumption as the Study of Reasons against. Journal of Macromarketing, 33(3), 190–203.

Cherrier, H. (2009). Anti-consumption discourses and consumer-resistant identities. Journal of Business Research, 62, 181–190.

Csikszentmihalyi, M. (1999). If We Are So Rich, Why Aren´t We Happy? American Psychologist, 54(10).

Elgin, D. (2012). Simplicidade Voluntária: em busca de um estilo de vida exteriormente simples, mas interiormente rico. São Paulo: Cultrix.

Elgin, D. & Mitchell, A. (1977). Voluntary Simplicity. Te CoEvolution Quarterly, 14.

Etzioni, A. (1998). Voluntary simplicity: Characterization, select psychological implications, and societal consequences. Journal of Economic Psychology, 19, 619-643.

Fraser, M. T. D. & Gondim, S. M. G. (2004). Da Fala do Outro ao Texto Negociado: Discussões sobre a Entrevista na Pesquisa Qualitativa. Revista Paidéia, 14(28), 2004.

Hogg, M. K., Banister, E. N., & Stephenson, C. A. (2009). Mapping symbolic (anti-) consumption. Journal of Business Research, 62, 148 – 159.

Hollenbeck, C. K. & Zinkhan, G. M. (2006). Consumer Activism on the Internet: The Role of Anti-brand Communities. Advances in Consumer Research, 23.

Iyer, R. & Muncy, J. (2009). A. Purpose and object of anti-consumption. Journal of Business Research, 62, 160 – 168.

Johnston, T. C. & Burton, J. B. (2003). Voluntary Simplicity: Definitions and Dimensions. Academy of Marketing Studies Journal, 7(1).

Lipovetsky, G. (2006). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Lisboa: 70.

Malhotra, N. (2012). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 6a edição. Porto Alegre: Bookman.

Mendonça, G. O., Rocha, A. R. C., & Tayt-Son, D. B. C. (2019). O Processo Minimalista: Um Estudo Netnográfico. In: XLIII Encontro da ANPAD. Anais... São Paulo: Anpad.

Negretto, L. (2013). As Relações Entre a Dinâmica Pós-Moderna e o Consumo Minimalista. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/ view/17827/11456 Acesso em: junho de 2019.

Nicolaci-da-Costa, A. M., Romão-Dias, D., & Di Luccio, F. (2009). Uso de Entrevistas On-Line no Método de Explicitação do Discurso Subjacente (MEDS). Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1).

Oates, C., McDonald, S., Alevizou, P., Hwang, K., Young, W., & McMorland, L. (2008). Marketing sustainability: Use of information sources and degrees of voluntary simplicity. Journal of Marketing Communications, 14(5), 351-365.

Pentina, I. & Amos, C. (2011). The Freegan phenomenon: anti-consumption or consumer resistance? European Journal of Marketing, 45(11/12), 1768-1778.

Puls, L. & Becker, M (2018). O estilo de vida minimalista x consumo do vestuário de moda. E-Revista LOGO, 7(2).

Rojas, A. A. & Mocarzel, M. M. V. (2015). Da cultura visual à cultura material: o minimalismo como forma de expressão na sociedade de consumo. ALCEU, 16(31).

Shaw, D. & Newholm, T. (2002). Voluntary Simplicity and the Ethics of Consumption. Psychology & Marketing, 19(2), 167-185.

Silva, R. C. M., Chauvel, M., & Macedo-Soares, T. D. (2012). Investigando o comportamento dos consumidores que buscam a simplicidade: Um estudo exploratório. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, jan/mar.

Silva, R. C. M. & Hor-Meyll, L. F. (2016). Simplicidade Voluntária: escolhendo uma nova forma de viver. Revista Pretexto, 17(2), 98-116.

Sobreira, E. M. C, Silva, A. L. L., & Coelho, P. F. C. (2018). Simplicidade Voluntária e Armário-Cápsula: Valores e Motivações no Consumo de Vestuário. Revista de Administração FACES Journal, 17(2), 134-151, abr./jun.

The Orion Publishing Group (2019). Chega de Plástico. Rio de Janeiro: Sextante.

Zavestoski, S. (2002). The social-psychological bases of anti-consumption attitudes. Psychology and Marketing, 19(2), 149-165.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

          

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License