Significados do Almoço Completo Italiano: Articulações de consumo e cultura em uma experiência gastronômica em São Paulo

Diogo Lannes Melo, Fábio Francisco de Araujo

Resumo


Este estudo aborda o tema das significações presentes nos rituais de consumo da gastronomia italiana e da cultura alimentar. Observa-se que as motivações para o consumo da gastronomia italiana podem englobar objetivos distintos, como a tentativa de resgate cultural, nostalgia e influências familiares, curiosidade e busca hedônica por experiências agradáveis no âmbito da alimentação. O presente trabalho propõe-se a analisar os significados atribuídos ao consumo do almoço italiano completo (pranzo completo) por um grupo de estudantes de italiano e sua docente residentes na cidade de São Paulo. Realizou-se uma etnografia composta de observação participante, entrevista pessoal e análise de dados. Os resultados apontaram cinco categorias nativas emergentes dos dados: a cultura do consumo alimentar italiana; hospitalidade e sociabilidade no encontro à mesa; trocas interacionais no encontro à mesa; o simbolismo presente nos rituais representativos da gastronomia italiana; (re)construção da identidade cultural italiana por meio de experiências de consumo no contexto gastronômico. Percebeu-se que o almoço, na perspectiva da professora organizadora, era uma maneira de construir e preservar o self italiano. Em relação aos alunos, embora possuíssem valores individuais, o almoço evidenciou a formação de um subgrupo entusiasta pela vivência da cultura italiana por meio das experiências de imersão proporcionadas pelo encontro.


Palavras-chave


Significados do Consumo; Pranzo Completo; Cultura Italiana; Identidades Sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


Ahuvia, A. C. (2005). Beyond the extended self: loved objects and consumers' identity narratives. Journal of Consumer Research, 32(1), 171-184.

Albala, K. (2004). Italian Cuisine: A Cultural History by Alberto Capatti and Massimo Montanari. Translated by Aine O'Healy. Food, Culture & Society, 7(1), 165-167.

Araujo, F.F., Bitar, N.P., Santos, M.M.A.S., Baião, M.R., & Silva, T.C.P. (2019). Experiências de Consumo no Samba: Um estudo sobre o processo de significação da Feijoada Portelense. Revista Alceu, 20(38), 142-163.

Araujo, F.F., Cerchiaro, I.B., Silva, R.C.M., & Espindola, R.S. (2020). Experience Marketing in Large Events: An Exploratory Study at Rio 2016 Olympic Games. International Journal of Development Research, v. 10, 36757-36765.

Araujo, F.F., & Rocha, A. (2019). The redefining of later life through leisure: music and dance groups in Brazil. Leisure Studies, 38(5), 712-727, DOI: 10.1080/02614367.2019.1636847.

Araujo, F.F., Tonini, K.A.D., & Estrella, T.B. (2018). Significação das Práticas do Consumo em Botecos Cariocas: Interação e Sociabilidade. Anais do XI ENEC - Encontro Nacional dos Estudos do Consumo. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11.

Araujo, F. F., Turano, L. M., & Vieira, F. C. (2019). Subculturas Religiosas de Consumo: Um estudo etnográfico de jovens católicos nas práticas dos Exercícios Espirituais. Consumer Behavior Review, 3(2), 99-119.

Arnould, E., & Thompson, C. (2005). Consumer Culture Theory (CCT): Twenty Years of Research. Journal of Consumer Research, 31(4), 868-882.

Baccin, P., & Azevedo, S. (2012). Mangiare all’italiana: Cozinha regional, cozinha nacional ou cozinha internacional? Revista Letras, 86(2).

Barbosa, L. (2004). Sociedade de Consumo. Rio de Janeiro: Zahar.

Barbosa, L. (2007). Feijão com arroz e arroz com feijão: O Brasil no prato dos brasileiros. Horizontes Antropológicos, 13(28), 87-116.

Barbosa, L. (2010). Food and sociability on the contemporary Brazilian plate. Etnografica, 14(3), 567-586.

Barbosa, L., & Campbell, C. (2006). Cultura, consumo e identidade. FGV Editora.

Bauman, Z. (2005). Identidade: Entrevista concedida a Benedectto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar.

Belk, R.W. (1988). Possessions and the extended self. Journal of Consumer Research, 15(2), 139-168.

Benazzi, J. R. D. S. C. (2015, Setembro). Identidade e Comida: Uma Análise Das Sociabilidades e Encontros Interculturais na Festa de Nossa Senhora Achiropita–SP. Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Bertonha, J. F. (2013). Os italianos. (3ª ed.). São Paulo: Editora Contexto.

Bourdieu, P. (1979). La Distinction: critique sociale du jugement. Paris: Les Éditions de Minuit.

Boutaud, J. J. (2011). Comensalidade: Compartilhar a mesa. In A. Montandon. O livro da Hospitalidade: Acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo: SENAC.

Brown, S. (1997). Marketing Science in a Postmodern World: Introduction to the special issue. European Journal of Marketing, 31(3/4), 167-182.

Camargo, L. O. L. (2004). Hospitalidade. São Paulo: Alep.

Capatti, A., & Montanari, M. (2003). Italian cuisine: a cultural history. Nova York: Columbia University Press.

Castro, H. C., Maciel, M. E., & Maciel, R. A. (2016). Comida, cultura e identidade: conexões a partir do campo da gastronomia. Ágora, 18(1), 18-27.

Chakravarti, A., & Janiszewski, C. (2003). The influence of macro-level motives on consideration set composition in novel purchase situations. Journal of Consumer Research, 30(2), 244-258.

Cinotto, S. (2019) Italian Diasporic Identities and Food. In R. SASSATELI (Ed). Italians and Food (p. 43-70). Cham, Suíça: Palgrave Macmillan.

Collaço, J. H. L. (2012). Imigração e cozinha italiana na cidade de São Paulo. Concepções de fartura e distinção. Anuário Antropológico, (I), 211-236.

Corrêa, N. A. F., Cardoso, L. F. C., & Silva, H. P. (2020). Comida de quilombo na merenda escolar: interfaces entre a cultura alimentar e o Programa Nacional de Alimentação Escolar. Amazônica-Revista de Antropologia, 12(1), 145-163.

Counihan, C. (2019). Food Consumption and Food Activism in Italy. In R. SASSATELI (Ed). Italians and Food (p. 101-125). Cham, Suíça: Palgrave Macmillan.

Da Matta, R. (2004). O que é o Brasil?. Rio de Janeiro: Rocco.

De Ruggiero, A. (2018). A saudade dos sabores e o comércio étnico dos imigrantes italianos no Brasil (1875-1914). Revista Prâksis, 1, 121-138.

Fantineli, D. G., & Becker, E. L. S. (2011). A gastronomia italiana como atrativo turístico na região da Quarta Colônia, Rio Grande do Sul, Brasil. Disciplinarum Scientia, 12(1), 59-70.

Ferreira, V. A., & Magalhães, R. (2011). Práticas alimentares cotidianas de mulheres obesas moradoras da Favela da Rocinha (Rio de Janeiro, RJ, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16, 2983-2991.

Fischler, C. (1995). El (h)omnívoro. El gusto, la cocina y el cuerpo. Barcelona: Anagrama.

Fonseca, L., & Camargo, L. O. L. (2013). Hospitalidade, migração e gastronomia: A família Marino e o Restaurante Carlino. CULTUR: Revista de Cultura e Turismo, 7(1), 47-65.

Helstosky, C. (2003). Recipe for the Nation: Reading Italian History through La scienza in cucina and La cucina futurista. Food and Foodways, 11(2-3), 113-140.

Helstosky, C. (2004). Garlic and oil: Food and politics in Italy. Oxford: Berg.

Hirschman, E. C., & Holbrook, M. B. (1992) Postmodern consumer research: the study of consumption as text. California: Sage Publications.

Holt, D. B. (2002). Why do brands cause trouble? A dialectical theory of consumer culture and branding. Journal of consumer research, 29(1), 70-90.

Jayne, J. M., Frongillo, E. A., Torres-McGehee, T. M., Emerson, D. M., Glover, S. H., & Blake, C. E. (2018). A healthy eating identity is associated with healthier food choice behaviors among US Army soldiers. Military medicine, 183(11-12), 666-670.

Jenkins, R. (2014). Social identity (4ª ed). Nova York: Routledge.

Joseph, D., & Southcott, J. (2019). Meanings of leisure for older people: an Australian study of line dancing. Leisure Studies, 38(1), 74-87.

Jurado, A. T. C. (2016). The culinary and social-semiotic meaning of food: Spicy meals and their significance in Mexico, Italy, and Texas. Semiotica, 2016(211), 247-269.

Kotler, P., & Keller, K. L. (2012). Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle (14ª ed). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Lashley, C.; Morrison, A.; Randall, S. (2004). My most memorable meal ever! Hospitality as an emotional experience. Culinary taste, 165-184.

Laverty, S. M. (2003). Hermeneutic phenomenology and phenomenology: A comparison of historical and methodological considerations. International journal of qualitative methods, 2(3), 21-35.

Leoni, C. (2016). Italianidade amorosa e hospitaleira na gastronomia paulistana. Revista Fólio – Comunicação e Turismo, 1, 83-93.

Lynch, P. A. (2005). Reflections on the home setting in hospitality. Journal of Hospitality and Tourism Management, 12(1), 37-50.

Machado, C. J. B., Menasche, R., & Salamoni, G. (2015). Comida, identidade e simbolismo: saberes e práticas alimentares na conformação da italianidade na colônia de Pelotas. In R. Menasche (Org.). Saberes e sabores da colônia: alimentação e cultura como abordagem para o estudo do rural (p. 115-132). Porto Alegre: Ed. da UFRGS.

Maciel, M. E. (2001). Cultura e alimentação ou o que têm a ver os macaquinhos de Koshima com Brillat-Savarin?. Horizontes antropológicos, 7(16), 145-156.

Manfio, J. M. (2017). As Crônicas da Colonização: a produção literária sobre a imigração italiana na região da quarta colônia - 1975. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 39(1), 71-76.

Manfio, J. M. (2019). As comemorações do centenário da imigração italiana (colônia Silveira Martins, 1975-1993): a construção da identidade étnica através da comida. Ágora, 21(1), 66-73.

Mariani, J. F. (2011). How Italian food conquered the world. Nova York: Palgrave MacMillan.

McCracken, G. D. (1987). The history of consumption: a literature review and consumer guide. Journal of Consumer Policy, 10(2), 139-166.

McCracken, G. D. (1988). Culture and consumption: New approaches to the symbolic character of consumer goods and activities. Bloomington: Indiana University Press.

McFerran, B., Dahl, D. W., Fitzsimons, G. J., & Morales, A. C. (2010). I’ll have what she is having: effects of social influence and body type on the food choices of others. Journal of Consumer Research, 36, 915-929.

Moffat, T., Mohammed, C., & Newbold, K. B. (2017). Cultural dimensions of food insecurity among immigrants and refugees. Human Organization, 76(1), 15-27.

Molinario, E., Lorenzi, C., Bartoccioni, F., Perucchini, P., Bobeth, S., Colléony, A., ... & Richter, I. (2020). From childhood nature experiences to adult pro-environmental behaviors: An explanatory model of sustainable food consumption. Environmental Education Research, 26(8), 1137-1163.

Montanari, M. (2013a). Italian Identity in the Kitchen, or Food and the Nation. Nova York: Columbia University Press.

Montanari, M. (2013b). Comida como cultura. 2ª edição. São Paulo: Senac.

Monteleone, E., & Dinnella, C. (2009). Italian meals. In: Meals in Science and Practice (p. 359-376). Woodhead Publishing.

Oliveira, F. A. M. (2006). Padrões alimentares em mudança: a cozinha italiana no interior paulista. Revista Brasileira de História, 26(51), 47-62.

Oliveira, N., & Casqueiro, A. S. (2008). Ritos de comensalidade festiva na Bahia. In M.C.S. Freitas, G.A.V. Fontes, N. Oliveira (org). Escritas e narrativas sobre alimentação e cultura (p. 55 – 88). Salvador: EDUFBA.

Parasecoli, F. (2014). Food, identity, and cultural reproduction in immigrant communities. Social Research: An International Quarterly, 81(2), 415-439.

Parasecoli, F. (2019). The Invention of Authentic Italian Food: Narratives, Rhetoric, and Media. In R. SASSATELI (Ed). Italians and Food (p. 17-41). Cham, Suíça: Palgrave Macmillan.

Peres, E. P. (2011). Aspectos da imigração italiana no Espírito Santo: a língua e cultura do Vêneto em Araguaia. Dimensões, (26), 44-59.

Perini, K. P., & Gastal, S. (2017). Italianidade como herança cultural: A gastronomia de imigração na região turística da Serra Gaúcha. Revista Turismo: estudos e práticas, 6, 78-100.

Portilho, F. (2020). Ativismo alimentar e consumo político–Duas gerações de ativismo alimentar no Brasil. Redes (St. Cruz Sul, Online), 25(2), 12-33.

Rabbiosi, C. (2019). Locating Italianicity Through Food and Tourism: Playing with Geographical Associations. In R. SASSATELI (Ed). Italians and Food (p. 71-100). Cham, Suíça: Palgrave Macmillan.

Rustomgy, V. L. S., & Bastos, S. R. (2020). Para Além do Comércio de Comida Tradicional: O Empreendedorismo Étnico de Refugiados [São Paulo-SP, Brasil]. ROSA DOS VENTOS-Turismo e Hospitalidade, 12(4).

Santos, M. O., & Zanini, M. C. (2008). Comida e simbolismo entre imigrantes italianos no Rio Grande do Sul (Brasil). Caderno Espaço Feminino, 19(1), 255-284.

Sassatelli, R. (2019). Introduction: Food, Foodways and Italianicity. In R. SASSATELI (Ed). Italians and Food (p. 1-15). Cham, Suíça: Palgrave Macmillan.

Sauerbronn, J. F. R., Teixeira, C. D. S., & Lodi, M. D. D. F. (2019). Saúde, estética e eficiência: relações entre práticas de consumo de alimentos as mulheres e seus corpos. Cadernos EBAPE. BR, 17(2), 389-402.

Schouten, J. W.; McAlexander, J. H. (1995). Subcultures of consumption: An ethnography of the new bikers. Journal of consumer research, 22(1), 43-61.

Seidman, I. (1998). Interviewing as qualitative research. New York: Teachers College Press.

Sert, A. N. (2017). Italian Cuisine: Characteristics and Effects. Journal of Business Management and Economic Research, 1(1), 49-57.

Sieri, S., Agudo, A., Kesse, E., Klipstein-Grobusch, K., San-José, B., Welch, A., . . . Slimani, N. (2002). Patterns of alcohol consumption in 10 European countries participating in the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition (EPIC) project. Public Health Nutrition, 5(6b), 1287-1296. DOI: 10.1079/PHN2002405

Silva, G. M. M., & Confortin, H. (2015). Cultura italiana: estudo comparativo–descritivo da culinária italiana da Itália e da culinária italiana do Brasil. Perspectiva, 39(148), 33-45.

Solomon, M.R. (2016). Comportamento do consumidor: Comprando, possuindo e sendo (11ª ed). Porto Alegre: Bookman.

Spradley, J. P. (1979). The ethnographic interview. Belmont, CA: Wadsworth Group & Thomson Learning.

Stacey, M. (1977). Methods of social research. Oxford: Pergamon Press.

Strauss, A.; Corbin, J. (2008). Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed.

Thompson, C.J. (1997). Interpreting Consumers: A hermeneutical framework for deriving marketing insights from the texts of consumers’ consumption stories. Journal of Marketing Research, 34(4), 438-455.

Tureta, C., & Alcadipani, R. (2011). Entre o Observador e o Integrante da Escola de Samba: os Não-Humanos e as Transformações Durante uma Pesquisa de Campo. RAC – Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 71-78.

Vendrame, M. I. (2018). O “paraíso terrestre”: alimentação como propaganda e construção da identidade italiana no sul do Brasil. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 10(20).

Yen, D. A. W., Cappellini, B., Wang, C. L., & Nguyen, B. (2018). Food consumption when travelling abroad: Young Chinese sojourners' food consumption in the UK. Appetite, 121, 198-206.

Zanelato, R. N., & Da Mota, R. R. (2014). A arte na gastronomia dos descendentes italianos na (região de tubarão) no Sul de Santa Catarina. Cadernos Acadêmicos, 6(1), 88-102.

Zanini, M. C. C. (2007). Um olhar antropológico sobre fatos e memórias da imigração italiana. Mana, 13(2), 521-547.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

          

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License