Influências Contraculturais no Consumo Colaborativo: Insights no contexto do Couchsurfing.com

André Vouga

Resumo


Este artigo discute parte dos achados de uma imersão netnográfica realizada no Couchsurfing.com, plataforma da web dedicada a trocas de hospitalidade. Nele se mapeiam controvérsias derivadas do choque entre a filosofia de sua constituição, derivada da contracultura, e a práxis ali observada, principalmente quanto: às demandas de densidade dos relacionamentos desenvolvidos, às expectativas de reciprocidade em relação à hospedagem e aos códigos legitimadores da comunidade.

Palavras-chave


Cultura do consumo; Sites de redes sociais; Consumo colaborativo.

Texto completo:

PDF

Referências


Bauman, Zygmunt. (2005). Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bostman, Rachel & Rogers, Roo. (2011). O que é meu é seu: Como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. Porto Alegre: Bookman.

Charters, Ann. (1992). The portable beat reader. Penguin Books. New York.

Durkheim. E. (1978). Durkheim. In: José Albertino Rodrigues (Org.). São Paulo, Ática.

Lipovetsky, Gilles. (2006). Le bonheur paradoxal essai sur la société d'hyperconsommation. Paris: Gallimard.

Mauss, Marcel. (1974). Ensaio sobre a dádiva. In: Sociologia e Antropologia, vol. 2. EPU, São Paulo.

Simmel, Georg. (1979). A metrópole e a vida mental. In: Velho, Otávio (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro, Zahar Ed., p. 11-25

Slater, Dan. (2002). Cultura do consumo & modernidade. São Paulo: Nobel.

Tonnies, F. (1887). Community and society. East Lansing, MI: Michigan State Univ.Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CBR - Consumer Behavior Review - ISSN 2526-7884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License