A ORGANIZAÇÃO DA DEFESA NA ILHA DE ITAMARACÁ NO PERÍODO COLONIAL: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A HISTÓRIA DO LITORAL DE PERNAMBUCO

Ana Lúcia do Nascimento Oliveira, Josué Lopes dos Santos

Resumo


O artigo tem como objetivo realizar um panorama sobre a situação da Ilha de Itamaracá, no litoral norte pernambucano, em relação aos seus principais pontos fortificados durante o período colonial. Neste sentido, buscamos elaborar um levantamento bibliográfico e documental sobre os aspectos referentes à militarização espacial do território da ilha, analisando, para isso, os dois principais redutos do local: o Forte Orange e o Fortim de Catuama.

 


ABSTRACT

Our work aims to conduct an overview on the situation of Itamaracá, on the northern coast of Pernambuco, in relation to its main strong points during the colonial period. In this sense, we seek to develop a bibliographic and documentary about aspects related to space militarization of the island, looking for it, the two main strongholds of the place: the fort and blockhouse of Orange Catuama.

Keywords: Itamaracá; Fortified strongholds; Historical Archaeology.



Palavras-chave


Ilha de Itamaracá; Redutos fortificados; Arqueologia histórica

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, M. 2009. Arqueologia do Forte Orange. Revista da Cultura. Rio de Janeiro, n. 15, ano IX, p 37–47.

ALBUQUERQUE, M. 2010. Arqueologia do Forte Orange: O forte holandês. Revista da Cultura. Ano X, n 17. P 36–43.

ALBUQUERQUE, M. LUCENA, V. WALMSLEY, D. 1999. Fortes de Pernambuco. Imagens do passado e do presente. Recife: Graftorres.

ANDRADE, M. C. de. 1999. Itamaracá, uma capitania frustrada. Recife: CEHM.

BARLAEUS, G. 1980. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Recife: Fundação de cultura da cidade do Recife.

BARTHEL, S. 2007. Arqueologia de uma fortificação: o Forte Orange e a Fortaleza de Santa Cruz, em Itamaracá, Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Recife: CFCH/UFPE.

BOXER, C. 2002. O Império Marítimo Português. São Paulo: Companhia das Letras.

CAVALCANTE, L. 2009. Pernambuco e o medo dos Clubes de França: O caso do Le Diligent (1792–1793). Dissertação (Mestrado em História). Recife: UFRPE/DEHIST.

COSENTINO, F. C. 2012. Apontamentos sobre a defesa do litoral, questões militares, governo-geral do Estado do Brasil e carreira militar, séculos XVI e XVII. Revista Navigator. Rio de Janeiro, v.8, n 15, p. 1–25.

DONIN, L. de A. 2012. Um mar de heranças: A importância do Atlântico na configuração do Império do Brasil. Revista Navigator. Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 1–13

GANDAVO, P. de M. 2008. História da Província de Santa Cruz. São Paulo: Editora Hedra.

GUERRA, M. E. 1996. A presença francesa no Nordeste do Brasil no século XVI: uma contribuição da História à Arqueologia. Revista de Arqueologia - Coleção Arqueologia. Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 79–85.

JUNIOR, L. S. da S. 2006. O Forte do Matos e o crescimento urbano do extremo sul do Recife, 1680–1730: Uma perspectiva arqueológica. Dissertação (Mestrado em arqueologia). Recife: UFPE.

KEATING, V. MARANHÃO, R. 2011. Diário de navegação: Pero Lopes e a expedição de Martin Afonso de Sousa (1530–1532). São Paulo: Editora Terceiro Nome.

LOPES, J. 2010. O SENTIDO DA COLÔNIA: Estudo das unidades funcionais da Ilha de Itamaracá - PE entre os anos de 1530 a 1654. Monografia (Graduação em História). Recife: DEHIST/UFRPE.

MEDEIROS, G. S. 2001. Arte da Navegação e Conquista Européia do Nordeste do Brasil (Capitanias de Pernambuco e Itamaracá nos Séculos XVI e XVII). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

MELLO, E. C. de. 2007. Olinda restaurada: Guerra e açúcar no Nordeste, 1630–1654. São

Paulo: Editora 34.

MELLO, J. A. G. de. 1981. Fontes para a história do Brasil holandês (v. 1). MEC/SPHAN/Fundação Pró-Memória.

MELLO, J. A. G. de. 2001. Tempo dos Flamengos. Rio de Janeiro: TOPBOOKS.

MELO, T. S. 2011. Registros coloniais inscritos nos mapas da antiga Vila de Igarassu, Pernambuco. I Simpósio brasileiro de cartografia histórica. Anais. Paraty, p. 1–16.

MIRANDA, B. R. F. 2006. Fortes, paliçadas e redutos enquanto estratégias da política de defesa portuguesa (O caso da Capitania de Pernambuco/1654–1701) Dissertação (Mestrado em História). Recife: CFCH/UFPE.

MIRANDA, B. R. F.. 2003. O sistema de defesa da barra e do porto do Recife no século XVII. Clio – Série Arqueológica. Recife, n 16. p 87–101.

MORENO, D. de C. 1984. Relação das praças fortes do Brasil. Revista do Instituto arqueológico, histórico e geográfico pernambucano. Recife, v. LVII, p 185–247.

NEVES, A. L. 2009. A Transferência da cidade portuguesa para o Brasil – 1532-1640. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Recife: CFCH/UFPE.

NIEUHOF, J. 2001. Memorável viagem marítima e terrestre ao Brasil. São Paulo: Beca produções culturais. CD-ROM.

RAMINELLI, R. 2008. Viagens Ultramarinas: Monarcas, vassalos e governo a distância. SãoPaulo: Alameda.

REIS FILHO, Nestor Goulart. 2002, Imagens de Vilas e Cidades do Brasil Colonial. São Paulo: EDUSP/Imprensa oficial.

SALVADOR, Frei V. Historia do Brazil (1500–1627). Curitiba: JUARÁ.

SILVA, K. 1999. O miserável soldo & A boa ordem da sociedade colonial. Dissertação (Mestrado em história). Recife: UFPE/CFCH.

SOUSA, G. S. de. 2010. Tratado descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Hedra.

TEIXEIRA, M. 2000. Os Modelos Urbanos Portugueses da Cidade Brasileira. Revista Urbanismo 3 de origem portuguesa. Lisboa.

VERDONCK. A. 1984. Descrição das capitanias de Pernambuco, Itamaracá, Parayba e Rio Grande. Revista do Instituto arqueológico, histórico e geográfico pernambucano. Recife, ano XXXIX, n. 55, p 215–229.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev