Além dos mortos da Cruz do Patrão ­ simbolismo e tradição no uso do espaço no Recife

Ana Catarina Torres Ramos

Resumo


A pesquisa arqueológica  do monumento denominado Cruz  do Patrão, existente  no porto do Recife decorreu da solicitação da Comunidade Negra do Recife, junto à Prefeitura,  para que realizasse o resgate histórico desse monumento, importante símbolo de sua cultura.  A pesquisa  desenvolvida versou sobre  a  sua história  e  a  dimensão simbólica frente  às  tradições  culturais  que vigoram ainda  hoje  na  cidade  e que o definem como um antigo cemitério de escravos. Essa tradição que dá base à história dos negros, repassada de pais para  filhos por gerações, caracterizou o monumento como local de espancamento e sepultamento de  negros. As pesquisas  arqueológicas mostraram que se tratava, não de  cemitério, mas de  local de realização de práticas afro­religiosas, onde “trabalhos” foram realizados e deixaram evidências, confirmando sua importância histórica. Buscando as origens da tradição oral que  a define  como cemitério de negros, identificamos  uma  antiga  cruz como provável fonte. A  leitura da Cruz do Patrão como cemitério de escravos, pode vir dos sepultamentos realizados  no entorno da cruz anteriormente erguida. O entorno da antiga cruz é definido como cemitério pela  iconografia, e  quando de sua retirada e posterior soerguimento da Cruz do Patrão em outro local,  pode  ter havido a  transferência  simbólica  de  seu uso  como cemitério,  incorporando­o à nova cruz. Pesquisas em andamento buscam identificar esse cemitério,  visando incorporá­lo à simbologia do Universo das comunidades de negros da nossa cidade.

 

Abstract

The archaeological  research on the monument called Cruz do Patrão located in Recife´s  harbour was a result of the request made to the City Hall by the Black Community of Recife. The research carried out dealt with its history and symbolic dimension compared to the  cultural traditions that are still alive in the city and that define Cruz do Patrão as an ancient  slave´s cemetery. This tradition – grounds to the history of the black, passed on from one  generation to another – has characterized the monument as a place of beating and burying of slaves. The archaeological researches revealed that it was not a cemetery but a place for african­religious practices, where “work” was done and evidences left behind, confirming its historical importance. Looking for the origins of the oral tradition that defines it as a  cemetery, we identified an old cross as a probable source. The understanding of Cruz do Patrão as a slaves´ cemetery may come from the buriels done in the surroundings of the  ancient cross. The surroundings of the old cross is defined as a cemetery by the iconography and when it was removed and later placed in a different location there might have been a symbolic transference of its usage as a cemetery to the new cross. Undergoing researches are  trying to identify this cemetery aiming at making it part of the symbolic universe of the Black Communities in our city.

Key words Oral tradition; symbology; archeaological evidences


Palavras-chave


Tradição oral; simbologia; evidências arqueológicas

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, José Maurício Saldanha ­ Na tumba dos ricos ou no esquife dos pobres : representar a ordem da vida e a da eternidade no Rio de Janeiro colonial , RJ.Número 7 ­ 2007, Nuevo Mundo Mundos Nuevos.

ARTHUR, Orlando. Porto e Cidade do Recife. Governo do Estado de Pernambuco, Recife, 1908.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. A cidade. São Paulo: Contexto, 2001.

COSTA, José Sérgio Regueira. O Porto do Recife (roteiro de uma viagem através de sua história). Revista do Arquivo Público, Recife, 1952­1956, Anos VII a X, números IX a XII.

FERREIRA, Lupércio Gonçalves de. O Recife de Ontem s/editora, Recife, 1996.

FREYRE, Gilberto. Assombrações do Recife Velho. 5ª ed. Editora e distribuidora de livros, Rio de Janeiro, 2000.

GONDIM, Umberto. Recife, porto do Nordeste, In: Boletim Técnico da Secretaria de Viação e Obras Públicas, ano I, vol. I, Recife, jan /mar de 1950.

GRAHAM, Maria. Diário de uma viagem ao Brasil e de uma estada nesse país durante parte dos anos 1821, 1822 e 1823. Ed. Nacional, São Paulo, 1956.

GUERRA, Flávio. História Antiga e Popular de um Velho Porto. Revista Quebra­Mar, Recife, dez / mar de 1977.

HIGINO, Sérgio. Notas para a história do Porto. In: Boletim da Cidade e do Porto do Recife, jul / dez de 1942. JORNAL DO COMMERCIO – RECIFE 30/12/1999 http://www2.uol.com.br/JC/_1999/3012/cd3012t.htm

PEREIRA, Júlio César Medeiros da Silva ­ Assim na Terra como no Céu, Morte e Desigualdade Social no Rio de Janeiro do Século XIX. ‘Usos do Passado’ — XII Encontro Regional de História ANPUH­RJ 2006.

PINTO, Estevão. O porto do Recife e sua evolução histórica, In: Álbum do Porto do Recife, 1933.

RABELLO, Evandro. Cruz do Patrão, testemunho de horrores, In: Boletim da Cidade e do porto do Recife, abr. / set de 1968.

REIS, João José. A morte é uma festa: Ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX, São Paulo, Companhia das Letras, 1991.

SETTE, Mário. Arruar: história pitoresca do Recife antigo, Prefeitura da Cidade do Recife, 1947.

TAVARES, Áurea Conceição Pereira Vestígios Materiais nos Enterramentos na Antiga SÉ de Salvador: Postura das instituições religiosas africanas frente à igreja católica em Salvador no período escravista. Dissertação de Mestrado UFPE , Recife, 2006




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev