CUIDAR LA VIDA ES CUIDAR LA MEMORIA”: TOPONÍMIA REBELDE DOS MOVIMENTOS SOCIAIS LATINO-AMERICANOS

Sebastião Vargas

Resumo


O presente estudo propõe evidenciar a preocupação em se difundir uma "consciência histórica rebelde" dos movimentos sociais latino-americanos, em especial o Movimento do Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), através do que denominamos como toponímia rebelde, onde os nomes dos próprios territórios produzidos pelos movimentos (acampamentos, assentamentos, agrovilas, ruas, escolas, municípios autônomos, comunidades rebeldes, "Caracóis") estão repletos de significados históricos. Dessa maneira, se busca conectar as lutas do passado ao presente, através da nomeação dos territórios com nomes que remetem às lutas históricas ou personagens dessas lutas. Tanto os trabalhadores sem-terra brasileiros, quanto os zapatistas mexicanos demonstram um esforço consciente de preservar a memória histórica e honrar "mártires" e lutadores sociais do passado e do presente, almejando a recuperação do passado não oficial que se tenta apagar dos textos, mas persiste de algum modo na memória coletiva. Em síntese, trata-se de uma vontade de recuperação da história que, por um lado, indica continuidade e, por outro, ruptura.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32359/debin2018.v1.n1.p36-51



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.