Um Estudo da Oralidade na Resolução de Problemas de Proporcionalidade no Ensino Fundamental

Maria José S. V. Gonçalves, José Luiz Magalhães de Freitas

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar uma análise de contribuições da oralidade no estudo da Matemática, por alunos do 7º ano do Ensino Fundamental, numa pesquisa que investigou o raciocínio proporcional.  Durante as sessões de atividades realizadas, a oralidade foi utilizada como recurso metodológico para investigar as produções dos alunos, tanto na apresentação quanto na resolução de problemas que envolviam proporções (direta e inversa) e também daqueles em que não haviam relações proporcionais. Para atingir o objetivo proposto buscou-se aporte na Teoria das Situações Didáticas desenvolvida por Brousseau, bem como nos trabalhos sobre oralidade de Cândido, Knijnik, Schliemann et al e nos procedimentos metodológicos previstos pela Engenharia Didática conforme descrição de Artigue. Neste artigo, para ilustrar como a oralidade propiciou a participação dos alunos durante a resolução das atividades propostas, apresentamos um recorte de uma experimentação realizada em sala de aula. Constatamos que o meio proposto, utilizando a oralidade, contribuiu para as discussões entre os alunos, provocou reflexões e reformulações de estratégias, colaborando para o desenvolvimento do raciocínio proporcional dos discentes.


Palavras-chave


oralidade, raciocínio proporcional, estratégias, resolução de problemas, Ensino Fundamental

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v3i1.2170

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN 2177-9309

Contato: revista.emteia@ufpe.br