ATAQUES REALIZADOS NA ZONA DE DEFESA TÊM EFEITO SEMELHANTE ÀS AÇÕES OFENSIVAS NA ZONA DE ATAQUE NO VOLEIBOL FEMININO?

Edson de Souza Mesquita Júnior, Anderson Henrique Souza de Almeida, Yago Pessoa da Costa, Sarah Abrahão Gomes dos Santos, Gilmário Ricarte Batista

Resumo


A área de jogo pode ser dividida em zona ofensiva e zona defensiva, no entanto, os atacantes que ocupam a zona defensiva também podem realizar ataques, desde que  observadas às regras do jogo. Objetivo: Verificar a associação das ações de defesa em  relação aos ataques realizados nas zonas ofensivas e defensivas. Método: Trata-se de um  estudo transversal, realizado com oito equipes participantes da Superliga Feminina de  Voleibol 2009/2010. Ao total, analisou-se 14 jogos, considerando as ações de ataque e  defesa (423 ações). Os critérios utilizados para construção do scout do desempenho técnico- tático foi adaptado de Eom e Schutz (1992), levando em conta a área de ação de ataque  para com ação subsequente da defesa. Desta forma, para a defesa, utilizou-se uma escala  de quatro pontos, variando de 0 a 4, sendo 0 erro e 4 perfeição. Utilizaram-se as frequências  relativa e absoluta para apresentação das variáveis zona de ataque e ação da defesa. Com  o intuito de verificar a associação entre as ações ofensivas com a defesa, utilizou-se o teste  de Qui-quadrado, com correção de Monte Carlos. Os dados foram analisados por meio do  software SPSS, versão 20.0. Resultados: A maior frequência das ações ofensivas foi  realizada por jogadores na zona de ataque (92,2%). A zona de 2 ataque mostrou-se  associada à defesa (X = 11,817; p= 0,019). Desta forma, ataque realizado por atletas da  zona de defesa associou-se positivamente à defesa de escore “4” (2,8), e negativamente ao  escore “0” (-2,5). Já os ataques realizados por atletas pela zona ofensiva associaram-se de  forma inversa, sendo positiva, com o escore “0” (2,5) e negativa com escore “4” (-2,8).  Conclusão: Os ataques realizados da zona ofensiva possuem um melhor desempenho, visto  que gera mais erros de defesa e menos ações de contra-ataque para o time adversário.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, J. et al. Tactical determinants of setting zone in elite nen’s volleyball. Journal of Sports

Science and Medicine, v. 11, p. 64–70, 2012.

COLEMAN, J. Avaliando os adversários e avaliando o desempenho da equipe. In: SHONDELL, D.;

REYNAUD, C. (Org.). A biblía do treinador de voleibol. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 315-338.

CASTRO, J. M.; MESQUITA, I. Estudo das implicações do espaço ofensivo nas características ataque no

voleibol masculino de elite. Revista Portuguesa de Ciências de Desporto, v. 8, n. 1, p. 114-125, 2008.

COSTA, G. et al. Relação saque , recepção e ataque no voleibol juvenil masculino. Motriz, v. 17, n. 1, p.

–18, 2011.

COSTA, G. D. C. et al. Análise das estruturas do complexo I à luz do resultado do set no voleibol

feminino. Motricidade, v. 10, n. 3, p. 40–49, 2014.

COSTA, G. D. C. Tactic determinants of game practiced by middle attacker in men’s volleyball. Revista

Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 18, n. 3, p. 371-79, 2016.

COSTA, Y. P. et al. Ações de levantamento: indicadores de rendimento no voleibol escolar. Revista

Brasileira de Esportes Coletivos, v. 1, n. 2, p. 4–9, 2017.

COSTA, Y. P.; BATISTA, G. R. Análise da qualidade e desempenho técnico das ações no voleibol

feminino escolar. Revista Acta Brasileira do Movimento Humano, v. 5, p. 80–93, 2015.

DAÓLIO, J. Jogos esportivos coletivos: dos princípios operacionais aos gestos técnicos - modelo

pendular a partir das idéias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Ciências e Movimento, v. 10, n. 4,

p. 99–103, 2002.

EOM, H. J.; SCHUTZ, R. W. Statistical analyses of volleyball team performance. Research Quarterly for

Exercise and Sport, v. 63, n. 1, p. 11–18, 1992.

FÉDÉRATION INTERNATIONALE DE VOLLEYBALL - FIVB. Refereeing-Rules. Disponível em:

. Acesso em: Abr. 2018.

INKINEM, V.; HÄYRINEN, M.; LINNAMO, V. Technical and tactical analysis of women’s volleyball.

Biomedical Human Kinetics, v. 5, p. 43-50, 2013.

JAMES, N.; TAYLOR, J.; STANLEY, S. Reliability procedures for categorical data in Performance

Analysis. International Journal of Performance Analysis in Sport, v. 7, n. 1, p. 1–11, 2007.

LANDIS, J. R.; KOCH, G. G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics,

v. 33, n. 1, p. 159–174, 1977.

MAIA, N.; MESQUITA, I. Estudo das zonas e eficácia da recepção em função do jogador recebedor no

voleibol sênior feminino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 20, n. 4, p. 257–270,

MATIAS, C. J. A. D. S.; GRECO, P. J. Análise da Organização Ofensiva dos Levantadores Campeões da

Superliga de Voleibol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 33, n. 4, p. 1007–1027, 2011a.

MATIAS, C. J. A. D. S.; GRECO, P. J. De Morgan ao voleibol moderno: O sucesso do Brasil e a

relevância do levantador. Revista Mackenzie de Educaçao Física e Eporte, v. 10, n. 2, p. 49–63,

b.

OTÁVIO, A.; FERREIRA, G. Evaluation of scoring skills and non scoring skills in the Brazilian

SuperLeague Women’s. Journal of Sports Science and Medicine, v. 5, n. 5, p. 25–31, 2016.

PALAO, J. M.; SANTOS, J.; UREÑA, A. Effect of team level on skill performance in volleyball.

International Journal of Performance Analysis in Sport, v. 4, n. 2, p. 50–60, 2004.

PALAO, J. M.; MANZANARES, P.; ORTEGA, E. Design, validation, and reliability of an observation

instrument for technical and tactical actions in indoor volleyball. European Journal of Human Movement, v.34, p.75-95, 2015.

JOÃO, P. V.; MESQUITA, I.; SAMPAIO, J.; MOUTINHO, C. Análise comparativa entre o jogador libero e

os recebedores prioritários na organização ofensiva, a partir da recepção ao serviço, em voleibol. Revista

Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 6, n. 3. 2006.

RAMOS, M. H. K. P.; NASCIMENTO, J. V.; DONEGÁ, A. L.; NOVAES, A. J.; SOUZA, R. R.; SILVA, T. J.;

LOPES, A. S. Estrutura interna das ações de levantamento das equipes finalistas da superliga masculina

de voleibol. Revista Brasileira de Ciências do Movimento, v. 12, n. 4, p. 33-37, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.