O desenho da cidade histórica enquanto elemento de memória e preservação: o caso de Cachoeira, no Recôncavo Baiano

Elisângela Queiroz Veiga

Resumo


O artigo apresentado faz um preâmbulo referente a conceitos de memórias que
estão relacionados com os espaços que ocupamos e imprimimos nossas
experiências, bem como a importância do reconhecimento da materialidade
enquanto suporte para a convalidação da memória coletiva. A forma da cidade,
por meio do seu desenho, é tomada como suporte dos registros deixados ao
longo do tempo pelos seres humanos, sendo proposta uma reflexão sobre o
traçado das aglomerações urbanas e suas implicações. O caso específico da
cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, é abordado como exemplo do
desenho característico da maioria das cidades históricas brasileiras, que
carecem de um olhar respeitoso para com o seu passado e as demandas atuais.
Para tanto, as ferramentas de desenho urbano são pontuadas como alternativas
no processo de preservação do patrimônio edificado, considerando as formas de
ocupação das cidades ao longo do tempo.


Palavras-chave


desenho; memória; desenho urbano; patrimônio; cidade de Cachoeira no Recôncavo Baiano.

Texto completo:

PDF

Referências


BARNETT, J. An introduction to Urban Design. Nova Iorque: Harper & Row

Publishers, 1982.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São

Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. 3. ed. São Paulo: Estação

Liberdade: UNESP, 2006.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao desenho urbano no processo de

planejamento. São Paulo: Pini, 1990.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução: Beatriz Sidou. São

Paulo: Centauro Editora, 2003.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL/ UFBA.

Evolução urbana de Cachoeira – séculos XIX e XX. Vol. II. Universidade

Federal da Bahia. Salvador-BA, outubro de 1979.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL/ UFBA.

Programa de Desenvolvimento Integrado da cidade monumento de

Cachoeira. Secção I. Universidade Federal da Bahia. Salvador-BA, julho de

Não paginado.

KOHLSDORF, Maria Elaine. Percepção da paisagem e planejamento da

identidade. Caderno Paisagem. Paisagens (Rio Claro), n.3, 1998.

KOSTOF, Spiro. The city shaped: urban patterns and meanings through

history. Londres: Thames and Hudson, 2001.

LAMAS, José Manuel Ressano Garcia. Morfologia urbana e desenho da

cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Junta Nacional de

Investigação Científica e Tecnológica, 1992.

LANDIM, Paula da Cruz. Desenho de paisagem urbana: as cidades do

interior paulista. São Paulo: Editora da UNESP, 2004.

LYNCH, Kevin. A boa forma da cidade. Lisboa. Ediçõ es 70. 1981. 448p.

MASCARENHAS, Augusto da Silveira. O 25 de junho: papel da Cachoeira na

Guerra da Independência do Brasil. Universidade Federal da Bahia, 1979.

MEDEIROS, Valério Augusto Soares. Urbis brasiliae ou sobre cidades do

Brasil: inserindo assentamentos urbanos do país em

investigaçõesconfiguracionais comparativas. Tese (Doutorado em

Arquitetura e Urbanismo), Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

Disponível em:http://repositorio.unb.br/handle/10482/1557.Acesso em: 05

fev. 2019.

MURTA, Stela Maris; ALBANO, Celina (orgs). Interpretar o patrimônio: um

exercício do olhar. Belo Horizonte, MG: Ed. UFMG, 2002.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades

imaginárias. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.27, n.53, p. 11-23.

PESSÔA, José; PICCINATO, Giorgio. Atlas de centros históricos do Brasil.

Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2007.

READER, John. Cities. Londres: William Heinemann, 2004.

REIS, Nestor Goulart. Imagens de vilas e cidades do Brasil Colonial. São

Paulo:Edusp, 2000.

ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade (1966). 2.ed. São Paulo: Martins

Fontes, 2001.

TEIXEIRA, Manoel. Imagens do arquivo virtual da cartografia urbana

portuguesa. Lisboa: Centro de Estudos de Urbanismo e Arquitectura,

Instituto Superior de Ciência eTecnologia, 2000. CD-ROM.

ZANETTI, Valdir Zonta. Planos e projetos ausentes: desafios e perspectivas

da requalificação das áreas centrais de São Paulo. 2005. 400 p. Tese

(Doutorado - Área de Concentração: Estruturas Ambientais Urbanas) -

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo, São

Paulo, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.