Geometria espiral aplicada no espaço: o caso do Museu Nacional de Arte Ocidental (1959)

Mariana Caldas, Ana Luisa Rolim

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir as peculiaridades da geometria da espiral, particularmente suas implicações quando aplicadaao desenhodo espaço. Utiliza-se como casoo Museu Nacional de Arte Ocidental, projetode Le Corbusier, inaugurado em 1959, que representa a materializaçãodas ideias do arquiteto referentes àconfiguração espacial em forma de espiral para espaços voltados à exposição de obras de arte. A base teórica empregada éa sintaxe espacial (HILLIER; HANSON, 2003; HILLIER, 1986)e sua instrumentalização por meio de análises de linhas axiais e espaços convexos,visando aferirem que medida a configuração do espaço pode influenciar na experiência do usuário do ponto de vista de seu movimento e visibilidade no espaço. Como contribuição, espera-se ampliar, de um modo geral,  o entendimentode soluções utilizadas na arquitetura moderna e, especificamente, das propriedades que o percurso espiralar atribuiu ao espaço do museu.


Palavras-chave


Espiral; Sintaxe Espacial; Le Corbusier; Museus de arte.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, L.; LINS FILHO, M. C. Padrões espaciais de moradia: o apartamento contemporâneo segundo seus espaços-tipo. In: Anais do Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 2014. v.1. p. 2206 – 2215.

BOESIGER, Willy. Le Corbusier 1910-65. Suécia: Birkhäuser Architecture, 1999. 351 p.

BAKER, Geoffrey H. Le Corbusier: uma análise da forma. 1998. ed. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2002. 399 p.

COOK, Theodore Andrea. The curves of life: an account of spiral formations and their application to growth in nature, to science and to art. 1914. ed. Londres: Constable and Company Ltd, 1914. 479 p.

COSTA, Luís Alves da. Da geometria à estética através das formas naturais. 2014. ed. Portugal: Edições Humus, 2014. 130 p.

GOOGLE EARTH-MAPAS. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2019.

HUNTLEY, E. A. A divina proporção: um ensaio sobre a beleza matemática. 1970. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985. 178 p.

HILLIER, B.; HANSON, J. The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. 281 p.

HILLIER, Bill. Space is the machine: a configurational theory of architecture. Cambridge: Cambridge University Press, 1986. 355 p.

_____________. The Architecture of the Urban Object. In: Ekistics, v. 56, n. 334-45, p. 5-21.

BOESIGER, Willy. Le Corbusier oeuvre complete 1957-1965. Zurich: Les Editions D’Architecture, 1946.

MOOS, Stanislaus von. Le Corbusier: elements of a synthesis. Cambridge: MIT Press, 1988, 379 p.

MOULIS, Antony. Le Corbusier: the museum projects and the spiral figured plan. Takhar – Afeganistão: Celebrating Chandigarh Ahmedabad. Ahmedabad: Mapin, 2002. 355 p.

_____________.Le Corbusier’s horizon: technique and the architectural plan’. Architectural Theory Review, v. 8, n. 2, 2003. p. 134-142.

ROLIM, A.; AMORIM, L.; JABORANDY, M. The galleria progressiva in the Solomon R. Guggenheim Museum and the Museum of Unlimited Growth. In: International Symposium Formal Methods in Architecture and Urbanism: book of abstracts. Portugal, CESAP – Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto, v. 4, abr. 2018.

THOMPSON, D'Arcy Wentworth. On growth and form: the complete revised edition. 1917. ed. Estados Unidos: Dover Publications, 1992. 1116 p.

TURNER, Alasdair. New Developments in Space Syntax Software. In: Proceedings of Workshop on New Developments in Space Syntax Software. Istambul: ITU Faculty of Architecture, 2007, p. 1-51.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.