Entre tecnologias sociais e de representação: aprendizagem colaborativa sobre a geometria implícita na ação projetual

Cristiane Nunes, Stefan Goulart, Adriane Borda

Resumo


Este estudo partiu da dificuldade de construir, junto ao contexto formativo de
arquitetura, um repertório geométrico e de técnicas de representação,
suficiente para o uso de métodos que exigem a tomada de consciência sobre
o controle preciso da forma. Trata-se de compreender a tentativa de tradução
de momentos da ação projetual em procedimentos parametrizados e/ou
algoritmizados para a sua qualificação por meio da fabricação digital. A
questão traz à tona problemas de base formativa em geometria de difícil
resolução no âmbito do ensino superior. Por meio de uma ação extensionista,
e no âmbito de atividades curriculares de primeiro semestre de curso,
estabeleceu-se um processo de projeto participativo, no qual estudantes de
arquitetura projetaram objetos para estudantes de ensino fundamental,
tratando-se de envolver elementos capazes de promover a construção de tal
repertório. O estudo resultou na aceleração e no compartilhamento do
aprendizado, constatando a urgência de intensificar a atribuição de sentido
ao uso do conhecimento da geometria e da tecnologia desde o primeiro
momento de formação, para ambos os contextos.


Palavras-chave


representação gráfica e digital; geometria; projeto de arquitetura; extensão; tecnologias sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Alexandre. Fabricação digital: sistematização metodológica

para o desenvolvimento de artefatos com ênfase em sustentabilidade

ambiental. Orientador: Régio Pierre da Silva. 2011. Dissertação (Mestrado

em Design) – UFRGS, Porto Alegre, 2011.

BURRY, Jane; BURRY, Mark. The New Mathematics of Architecture. New

York: Thames & Hudson, 2010.

CELANI, Maria Gabriela; PUPO, Regiane. Prototipagem Rápida e Fabricação

Digital para Arquitetura e Construção: Definições e Estado da Arte no Brasil.

In: Cadernos de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. Campinas,

Disponível em:

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgau/article/view/6018.

Acesso em: jan. 2019.

CHING, Francis. Arquitetura: forma, espaço e ordem. Porto Alegre: Bookman,

DAGNINO, Renato. A Tecnologia Social e Seus Desafios. In: Tecnologia

Social: contribuições conceituais e metodológicas. Campina Grande: EDUEPB,

pp. 19-34.

ELAM, Kimberly. Geometria do Design: estudos sobre proporção e

composição. São Paulo: Gustavo Gili, 2018.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra,

KAPP, Silke; CARDOSO, Adauto. Marco teórico da Rede Finep de Moradia e Tecnologia Social – Rede Morar T.S. In: Risco - Revista de Pesquisa em

Arquitetura e Urbanismo. São Carlos, 2013. n. 17. pp. 94-120. Disponível

em: http://www.revistas.usp.br/risco/article/view/83050/86094. Acesso

em: jan. 2019.

LEBORG, Christian. Gramática visual. São Paulo: Gustavo Gili, 2015.

PIAGET, Jean. Epistemologia Genética. São Paulo: Martins Fontes, 1970.

POTTMANN, Helmut; ASPERL, Andreas; HOFER, Michael; KILIAN, Axel.

Architectural Geometry. Exton: Bentley Institute Press, 2007.

RAMOS, Fernando. Conceitos gerais para compreender o redesenho como

prática de pesquisa histórica em arquitetura. In: IV ENCONTRO DA

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM

ARQUITETURA E URBANISMO, 2016, Porto Alegre. O redesenho como

prática de pesquisa histórica em arquitetura. Disponível em:

https://enanparq2016.files.wordpress.com/2016/09/s27-00-ramos-f.pdf.

Acesso em: jan. 2019.

WONG, Wucius. Princípios de forma e desenho. São Paulo: Martins Fontes,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.