LABORATÓRIO GRUPO DE EXPERIMENTAÇÃO EM ARTEFATOS 3D: experiências de ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO

Leticia Teixeira Mendes, Auta Luciana Laurentino, Sadi da Silva Seabra Filho, Pedro Martins Alessio

Resumo


Frente ao crescimento significativo de temas que envolvem as tecnologias digitais nos currículos de cursos de graduação e pós graduação, bem como seu potencial de mercado, entende-se ser necessário que o ambiente acadêmico esteja preparado para responder ao desafio de ampliar e consolidar experiências didáticas e capacitação de pessoas por meio da implantação de um laboratório de prototipagem e fabricação digital. Dentro desse contexto, o presente artigo pretende apresentar e discutir ações/atuações do Laboratório do Grupo de Experimentação em Artefatos 3D, após a implementação do seu espaço físico junto ao Departamento de Expressão Gráfica, da Universidade Federal de Pernambuco. As atividades apresentadas demonstram o potencial da introdução das tecnologias digitais, nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, e sua contribuição para a melhoria das atividades acadêmicas por meio do uso de novas abordagens integrando os conhecimentos das áreas da geometria gráfica, arquitetura e engenharia. A metodologia proposta baseia-se no método da pesquisa-ação e na prática reflexiva. Acreditamos que essa mediação do emprego das tecnologias no ensino, na pesquisa e na extensão, expostos nos casos apresentados neste trabalho, vem demonstrando resultados que confirmam o compromisso de uma educação voltada para a sociedade.


Palavras-chave


tecnologias digitais; prototipagem rápida; ensino; pesquisa; extensão

Texto completo:

PDF

Referências


ORTEGA, L. (2009). (Ed.) La digitalización toma el mando. Barcelona: Editorial Gustavo Gili.

PUPO, R.; CELANI, G.(2008). Implementando a fabricação digital e a prototipagem rápida em cursos de arquitetura: dificuldades e realidades. Cuba: Congreso de La Sociedad Iberoamericano.

PUPO, R.; CELANI, G. (2011). A Prototipagem Rápida e a Fabricação Digital: um novo desafio para o ensino de arquitetura. Campinas.

PUPO, R., DUARTE, J. e CELANI, G. (2008). Introducing digital fabrication into the architectural curriculum: two similar experiences in different contexts. Congresso ECAADE. Antwerpen.

TRIPP, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466.

LEWIN, K. (1946). Action research and minority problems. Journal of Social Issues, n. 2, p. 34-36.

SCHÖN, D. (1983). The reflective practitioner: how professionals think in action. Nova York: Basic Books, 1983.

SCHÖN, D.A. (2000). Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad.Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed.

STINY, G.; GIPS, J. (1971). Shape Grammars and the Generative Specification of Painting and Sculpture, in C V Freiman (ed) Proceedings of IFIP Congress 71 (Amsterdam: North-Holland). Republished in O R Petrocelli (ed), The Best Computer Papers of 1971 (Philadelphia: Auerbach) pp125-13.

MONEDERO, J. Parametric design - a review and some experiences. Automation in Construction, 9, 2000, 369-377.

FLÓRIO, W. (2011). Modelagem Paramétrica, Criatividade e Projeto: duas experiências com estudantes de arquitetura. In: Gestão e Tecnologia de Projetos. Vol. 6, N. 2, São Carlos, p. 43-66.

PEREIRA, N. S., VAZ, C. V. (2013). Parametrismo e Ensino de Geometria – As Superfícies de Felix Candela. Disponível em:

PALLASMA, J. (2011) As Mãos Inteligentes: A sabedoria Existencial e Corporalizada na Arquitetura. Porto Alegre: Bookman.

TERZIDIS, K. (2006). Algorithmic Architecture. Burlington: Elsevier.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 24a ed. São Paulo: Cortez, 2016.

TILL, J., SCHNEIDER, T. Flexible housing: the means to the end. Architectural Research Quarterly (Online), v. 9, n. 3-4. p. 287-296. Setembro 2005.

MENDES, L.T., CELANI, G. (2013). O uso da Gramática da Forma para análise de conjuntos habitacionais de interesse social no Brasil: O concurso “Habitação para Todos”. Congresso Internacional de Habitação no Espaço Lusófono. CIHEL – LNEC, Lisboa, 193-194.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.