DISCLOSURE DAS COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Carlos Fernando Paleo da Rocha, Jairo Laser Procianoy

Resumo


Na última década a  ordem do dia
passou a ser a governança corporativa. Isto
decorre das  práticas de  expropriação e má
utilização de recursos por parte de  gestores
contra seus  acionistas, que vêm ocorrendo
em todo o mundo. No entanto, muito pouco
tem-se  discutido  para que seja  possível
reverter a situação  e melhorar o
relacionamento entre quem gesta e quem
compra ações . O departamento de relações
com investidores, existente nas empresas, é
uma prova disto. Este é um estudo
exploratório que visa a traçar o perfil desse
departamento em organizações cujas ações
são negociadas nas bolsas de valores
brasileiras, no período de maio de 1999 a
fevereiro de 2000. O instrumental utilizado é
produto  de  uma pesquisa realizada através
de envio de questionários pré-testados às
empresas  deste universo. A amostra final,
formada por aquelas que responderam aos
questionários, foi composta por 65 empresas.
Os resultados encontrados demonstram que
estas empresas ainda não conferem a
importância  devida às suas relações com os
investidores, deixando de aproveitar muitas
das vantagens que poderiam advir de um
vínculo mais consistente com o cliente e do
disclosure das informações. 

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


..................................................................................................................................................................................................................................................................................