SOUZA, Fábio M.; SANTOS, Geyza de F. Velhas práticas em novos suportes? As Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICS) como mediadoras do complexo processo de ensino-aprendizagem de línguas. Rio de Janeiro: Oficina da Leitura, 2018, 108 p.

José Alberto Miranda Poza

Resumo


No século XXI, em razão da disseminação de computadores e programas interativos, o desafio atual é fazer com que os métodos de aprendizagem se adaptem de acordo com a evolução da tecnologia educacional. Nesse sentido, o potencial pedagógico está fortemente baseado na possibilidade inesgotável de acesso à informação que pode ser transformada em conhecimento. Mas, no meio de tanta evolução, há um grande problema: a educação permanece tradicional, o(s) método(s) e a(s) prática(s) continuam fora da realidade do aluno. A tecnologia está aí para ser uma ferramenta de apoio que será utilizada pelos estudantes com o objetivo de reforçar os conteúdos aprendidos. O papel da escola e do professor nos dias de hoje é buscar resultados de aprendizagem mais consistentes. Porém, muitos professores continuam com suas aulas tradicionais: carteiras enfileiradas, quadro negro ou branco, onde somente o professor fala e os alunos permanecem na posição de passivos do conhecimento.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, J. C. P. Linguística aplicada, ensino de línguas &

comunicação. Campinas: Pontes Editores e ArteLíngua, 2005.

BARCELOS, A. M. F. Cognição de professores e alunos: tendências recentes na

pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista

Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 71-92, 2001.

FAVA, R. Educação 3.0. São Paulo: Saraiva, 2012.

LINS, É. F.; SOUZA, F. M. Letramento e suas pluralidades: percurso conceitual

e práticas digitais. In: SANTOS, E. C.; SOUZA, F. M.; SOUSA, K. C. T. (Orgs.).

Tecnologias educacionais e inovação: diálogos e experiências: Volume 1.

Curitiba: Appris, 2006, p. 27-60.

MIRANDA POZA, J.A. La universidad ante los desafíos de la enseñanza de

español en Brasil. Eutomia, Recife, v. 10, n. 1, p. 147-161, 2012. Disponível em: .

Acesso em: 19 nov. 2018.

MIRANDA POZA, J.A. Enseñanza de ELE, universidad y formación de

profesores en el 10º Aniversario de la Ley 11 161/2005: otras miradas, nuevas

reflexiones. Abehache: Revista da Associação Brasileira de Hispanistas, v. 1, n.

, Edição Especial, p. 34-53, ago. 2016. Disponível em:

. Acesso

em: 19 nov. 2018.

PAIVA, V. L. M. O. Como o sujeito vê a aquisição de segunda língua. In:

CORTINA A.; NASSER, S. N. G. da C. (Org.) Sujeito e linguagem, 17ª ed. São

Paulo: Cultura Acadêmica, 2009, p. 29-46.

PRENSKI, M. Digital Natives, Digital Immigrants. Part 1. On the horizon, v. 9, n.

, p. 1-6, sep./oct. 2001. Disponível em:

es_Digital_Inmigrants.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2018.

VIGOTSKI, L.S. Pensamento e linguagem. [S.l.: s.n.]. Edição eletrônica de

Ridendo Castigat Mores. Disponível em:

adobeebook/vigo.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2018.

VIGOTSKI, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos

processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto et al. São

Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. 2ª ed. São

Paulo: Martins Fontes, 2009.

XAVIER, A. C. Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da

geração Y. Calidoscópio, v.9, n. 1, p. 3-14, jan./abr. 2011.




DOI: https://doi.org/10.12345/htxt.v19i1.247984

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


2007 - 2020 © Hipertextus Revista Digital - ISSN: 1981-6081 - E-mail: hipertextusrevistadigital@gmail.com
Universidade Federal de Pernambuco - Departamento de Letras - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia Educacional