LETRAMENTO DIGITAL CRÍTICO E FORMAÇÃO DO LEITOR NA CULTURA DIGITAL: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Maria Jeane Souza de Jesus Silva, Neidson Dionísio Freitas de Santana, Úrsula Cunha Anecleto

Resumo


O ensaio tematiza sobre a formação de leitores crítico-reflexivos na
cultura digital. Objetiva apresentar discussão teórica sobre letramento digital, em uma perspectiva critica, contribuindo, assim, para a ampliação dos estudos sobre formação do ciberleitor no ambiente escolar. Nesse sentido, apresenta reflexões acerca de novas possibilidades de estéticas textuais para uma prática docente transformadora, visando ao empoderamento discursivo-reflexivo dos estudantes, principalmente para que utilizem, de forma crítica, autônoma e responsiva, gêneros da esfera digital.


Palavras-chave


Letramentos digital crítico; Ciberleitor; Cultura digital.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTON, D.; LEE, C. Linguagem online: textos e práticas digitais. São Paulo:

Parábola, 2015.

BAZERMAN, Charles. Gênero, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

COSCARELLI, C. V. Textos e hipertextos: procurando o equilíbrio. Revista

Linguagem em (Dis)curso, Palhoça-SC, v. 9, n. 3, p. 549-564, 2009.

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ld/v9n3/06.pdf. Acesso em: 23 jan.

CUNHA, Úrsula. Letramento escolar e cotidiano: análise de experiências

sobre práticas de letramento à luz crítica cultural. Jundiaí: Paco editorial,

KLEIMAN, A. B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na

escola. In: KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova

perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de

Letras, 1995. p. 15-61.

LEMOS, A. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea.

Porto Alegre; Sulina, 2002.

MONTE MÓR, W. Crítica e letramentos críticos: reflexões preliminares. In:

ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. (orgs) Língua estrangeira e formação cidadã:

por entre discursos e práticas. Campinas-SP: Pontes, 2013.

MOTTA, Aracelle Palma Fávero. O letramento crítico no

ensino/aprendizagem de língua inglesa sob a perspectiva docente. 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/379-

pdf?PHPSESSID=2009051408162317. Acesso em: 05 ago. 2018.

ROJO, R; BARBOSA, J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros

discursivos. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor

imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

__________. L. (2010). A aprendizagem ubíqua substitui a aprendizagem

formal? Revista de Computação e Tecnologia da PUC-SP. São Paulo, v. 2, n.

, p. 17-22, out. Disponível em:

revistas.pucsp.br/index.php/ReCET/article/view/3852/2515. Acesso em: 04 mar.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. 6 ed. São Paulo: Editora Loyola, 2012.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no

desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução Marcos Bagno. São

Paulo: Parábola Editorial, 2014.

TAKAKI, N. H. Perspectivas Derredianas e Linguagem Digital: aproximações.

In: TAKAKI, N. H.; MOR, W.M. (Org.). Construções de Sentido e Letramento

Digital Crítico na Área de Línguas/Linguagens. Campinas, SP: Pontes,

__________. H. Letramentos na sociedade digital: navegar é e não é

preciso. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.




DOI: https://doi.org/10.12345/htxt.v20i1.247989

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


2007 - 2020 © Hipertextus Revista Digital - ISSN: 1981-6081 - E-mail: hipertextusrevistadigital@gmail.com
Universidade Federal de Pernambuco - Departamento de Letras - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia Educacional