ENTRE O PROFISSIONALISMO E OS PRINCÍPIOS SIMBÓLICOS DA DOMINAÇÃO DE GÊNERO NAS CARREIRAS JURÍDICAS NO BRASIL

Ana Luísa de Almeida Lourenço Chamon

Resumo


O presente trabalho se propõe a analisar a relação entre a construção das noções de profissionalismo no meio jurídico-profissional brasileiro e as barreiras postas às mulheres para o ingresso e a ascensão nas carreiras. Até as últimas décadas do século passado, as profissões jurídicas eram praticamente restritas ao universo masculino, o que resultou na definição de uma identidade profissional que dificulta a inserção de diferentes devido ao desejo de se manter uma identidade homogênea e vigorante. Tal identidade, na forma como se manifesta, expressa o alcance da dominação masculina, decorrente de princípios sexistas que historicamente transcorrem na sociedade, não apenas como estruturador da identidade coletiva de profissão, mas ainda como premissa que organiza os papéis e princípios socioestatais .


Texto completo:

PDF

Referências


ANGELIN, Paulo Eduardo. Profissionalismo e Profissão: Teorias Sociológicas e o Processo de Profissionalização no Brasil. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão (RED), v. 3, n. 1, 2010.

ARAÚJO, Neuza de Farias. Diferentes Definições de Poder e Dominação: Repercussões na Participação Política Envolvendo as Relações de Gênero. Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. UFSC, 2010.

BARBALHO, Rennê Martins e BONELLI, Maria da Glória. O Profissionalismo e a Construção de Gênero na Advocacia Paulista. Sociedade e Cultura, v. 11, n. 2, 2008.

BONELLI, Maria da Glória. As Disputas em Torno da Fronteira entre Profissão e Política no Ministério Público Paulista. Novos Estudos. CEBRAP, São Paulo, v. 1, n. 65, p. 169 – 182, 2003.

BONELLI, Maria da Glória. Ideologias do Profissionalismo em Disputa na Magistratura Paulista. Sociologias (UFRGS), Porto Alegre, n. 13, p. 110 – 135, 2005.

BONELLI, Maria da Glória. Profissionalismo e Diferença de Gênero na Magistratura Paulista. Civitas – Revista de Ciências Sociais, v. 10, n. 2, p. 270 – 292, 2010.

BONELLI, Maria da Glória. Profissionalismo, Gênero e Significados da Diferença entre Juízes e Juízas Estaduais e Federais. Revista Semanal do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, v. 1, n. 1, p. 103-123, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CROMPTON, Rosemary. Gender, Status and Professionalism. Sociology, Vol. 21, No. 3, 1987. p. 413-428.

HUFFPOST BRASIL. A Justiça Interrompida: O Quanto as Mulheres Têm Suas Falas Silenciadas no Judiciário. Disponível em: . Acesso em 15 ago 2017.

HUNT, Alan. The Problematisation of Law in Classical Social Theory. In: BANAKAR, Reza (ed.); TRAVERS, Max (ed.). Law and Social Theory, 2 ed, Oxford: Hart Pub, 2013, p. 17 – 33.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Educação e Deslocamento. Disponível em: . Acesso em 15 ago 2017.

KAY, Fiona M. e WALLACE, Jean E. The Professionalism of Practising Law: A Comparison across Work Contexts. Journal of Organizational Behavior, Vol. 29, No. 8, Professional Service Firms: Where Organization Theory and Organizational Behavior Might Meet, 2008. p. 1021- 1047.

MARTIN, Patricia Yancey. Gender as Social Institution. Social Forces, Vol. 82, No. 4, 2004. p. 1249-1273.

RECONDO, Felipe. Cármen Lúcia: as turbulências e um ensaio de gestão. JOTA. Disponível em:

. Acesso em 20 ago 2018.

REDSTOCKINGS COLLECTIVE. Redstockings manifesto. Feminism in Our Time, New York: Vintage Books, 1969. p. 125-129.

SWEDBERG, Richard. Max Weber e a Ideia de Sociologia Econômica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ana Luísa de Almeida Lourenço Chamon

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

BASES, DIRETÓRIOS E INDEXADORES:



APOIO: