Alianças Estratégicas e Vantagens Competitivas: uma Abordagem Teórico-Empírica sob a Ótica da Visão Baseada em Recursos

Nágila Giovanna Silva Vilela, Ronaldo de Oliveira Santos Jhunior

Resumo


O objetivo deste artigo se pautou em observar as consequências práticas de alianças estratégicas e sua capacidade de geração de vantagens competitivas em diferentes campos de atuação empresarial. Para isso, foram analisadas, além de pesquisas para fundamentação teórica, artigos de cunho empírico da literatura nacional. A perspectiva da Visão Baseada em Recursos considera que quando firmas se associam em alianças, o propósito é que o desempenho e produtividade de cada uma das partes sejam maximizados. A partir da discussão apresentada percebeu-se que diferentes tipos de alianças estratégicas podem influenciar no desempenho e otimização de vantagem competitiva de formas variadas.


Palavras-chave


Alianças Estratégicas, Visão Baseada em Recursos, Vantagens Competitivas.

Texto completo:

PDF

Referências


Ambrosini, V., & Bowman, C. (2009). What are dynamic capabilities and are they a useful construct in strategic management?. International journal of management reviews, 11(1), 29-49.

Barbosa, A. C., Zilber, A. M., & Toledo, A. L. (2009). A aliança estratégica como fator de vantagens competitivas em empresas de ti-um estudo exploratório. RAI-Revista de Administração e Inovação, 6(1), 30, 49.

Barney, J. B., & Hesterly, W. (2004). Economia das organizações: entendendo a relação entre as organizações e a análise econômica. In Clegg, S. R., Hardy, C. & Nord, W. R. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 3, 131-179.

Barney, J. B., Ketchen Jr, D. J., & Wright, M. (2011). The future of resource-based theory: revitalization or decline?. Journal of management, 37(5), 1299-1315.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, 17(1), 99-120.

Baum, J. A., & Oliver, C. (1991). Institutional linkages and organizational mortality. Administrative science quarterly, 187-218.

Braga, G. G. A, Ferraz, S. F. S., & de Lima, T. C. B. (2014). Contribuições da aliança estratégica na indústria automobilística: um estudo comparativo. RECADM, 13(2), 250-266.

D'Aveni, R. A., Dagnino, G. B., & Smith, K. G. (2010). The age of temporary advantage. Strategic management journal, 31(13), 1371-1385.

Del Corso, J. M., Silva, W. V., & Sandrini, G. (2005). Alianças estratégicas e vantagem competitiva. REGE. Revista de Gestão USP, 12(4), 17-31.

Eiriz, V. (2001). Proposta de tipologia sobre alianças estratégicas. Revista de administração contemporânea, 5(2), 65-90.

Eisenhardt, K. M., & Schoonhoven, C. B. (1996). Resource-based view of strategic alliance formation: Strategic and social effects in entrepreneurial firms. Organization Science, 7(2), 136-150.

Ferreira, G. C., & Barcellos, M. D. (2006). Vantagens e desvantagens das alianças estratégicas: uma análise sob a ótica dos agentes da cadeia produtiva da carne bovina. Organizações Rurais & Agroindustriais, 8(1), 117-129.

Fetter, M. R., & Zdanowicz, J. E. (2013). Redes colaborativas e a construção de alianças estratégicas a micro e pequenas empresas varejistas. COLÓQUIO -- Revista do Desenvolvimento Regional – Faccat, 10(1), 121-146.

Fischer, A., Rover, A., Fransozi, L. C., & Mello, M. O. (2014). Aliança estratégica: rede oeste de cooperação de empresas contábeis de Santa Catarina. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 19(2), 58-78.

Galerani, J. (2003). Formação, estruturação e implementação de aliança estratégica entre empresas cooperativas. RAE-eletrônica, 2(1), 1-16.

Garcias, P. M. (2001). A lógica de formação de grupos e aliança estratégica de empresas. Tuiuti: Ciência e Cultura, 24, 51-78.

Gibbs, G. (2009). Análise de dados qualitativos: coleção pesquisa qualitativa. Bookman Editora.

Gofredo, T. R., & Bataglia, W. (2015). Os mecanismos de sincronização em alianças estratégicas. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 8(4), 633-649.

Gomes-Casseres, B. (1999). Estratégia em primeiro lugar. HSM Management, 3(15), 58-64.

Gulati, R. (1998). Alliances and networks. Strategic Management Journal, 19(4), 293-317.

Hagedoorn, J. (1993). Understanding the rationale of strategic technology partnering: Nterorganizational modes of cooperation and sectoral differences. Strategic Management Journal, 14(5), 371-385.

Hamel, G., Doz, Y. L., & Prahalad, C. K. (1989). Collaborate with your competitors and win. Harvard Business Review, 67(1), 133-139.

Hennart, J. F. (1988). A transaction costs theory of equity joint ventures. Strategic management journal, 9(4), 118-142.

Hocayen-da-Silva, A. J., Teixeira, R. M. (2009). Análise dos relacionamentos interorganizacionais em empresas do setor hoteleiro de Curitiba: estudo comparativo de casos. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 3(2), 24-48.

Klotzle, M. C. (2002). Alianças estratégicas: conceito e teoria. Revista de Administração contemporânea, 6(1), 85-104.

Mañas, A., & Pacanhan, M. (2004). Alianças estratégicas e redes associativistas como fonte de vantagem competitiva no varejo de material de construção. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 6(14), 19-33.

Mattana, L., Noro, G. B., & Estrada, R. J. S. (2008). Caracterização do processo de formação de alianças estratégicas. Internext, 3(2), 181-198.

NOHARA, J. J., Campanário, M. D. A., Margarido, G. L., & Acevedo, C. R. (2007). Consórcios de exportação-aliança estratégica para micro e pequenas empresas: um estudo multicasos. Anais do Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 31.

Pacagnan, M. N. (2006). Alianças estratégicas e redes colaborativas como alternativa competitiva para o pequeno varejista. REGE. Revista de Gestão USP, 13, 19-30.

Penrose, E. T. (2006). A teoria do crescimento da firma. Editora Unicamp.

Ribeiro, B. B., & Prieto, V. C. (2013). Alianças estratégicas no varejo farmacêutico: vantagens e desvantagens na percepção do gestor. Gestão & Produção, 20(3), 667-680.

Sanematsu, L. S. A., Silva, A. R., & Vieira, A. M. (2016). Relação entre fabricante e varejista: um estudo qualitativo comparativo no setor de peças automotivas. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 6(3), 56-69.

Souza, D. B., & Baldin, C. (2005). O papel das alianças estratégicas na competitividade das cooperativas de leite. Organizações Rurais & Agroindustriais, 7(3), 324-334.

Tauhata, T. L., Macedo-Soares, T. D., & Diana, L. D. (2004). Redes e alianças estratégicas no Brasil: caso CVRD. RAE-eletrônica, 3(1), 1-23.

Tavares, C. E. M., de Oliveira, J. H. R., Balsan, L. A. G., & de Moura, G. L. (2015). Resultados obtidos por pequenas e médias empresas nos primeiros meses de formação de uma rede de cooperação interorganizacional. Revista Pensamento & Realidade, 30(3), 3-16.

Teece, D. J. (1992). Competition, cooperation, and innovation: Organizational arrangements for regimes of rapid technological progress. In Teece, D. J. Essays in Technology Management and Policy: Selected Papers of David J Teece. World Scientific, 447-474.

Vale, G. M. V., & Lopes, H. E. G. (2010). Cooperação e Alianças: Perspectivas Teóricas e suas Articulações no Contexto do Pensamento Estratégico/Alliances and Cooperation: Theoretical Outlooks in the Realm of Strategic Thought. Revista de Administração Contemporânea, 14(4), 722-737.

Wernerfelt, B. (1984). A resource‐based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!