Capital Humano e Crescimento Econômico: Uma analise dos Municípios de Pernambuco entre 2000-2010

Álvaro Robério de Souza Sá, Dhiego Lúcio da Silva, Maria Solange Nunes de Lima Sá

Resumo


A educação se apresenta como um fator primordial para o crescimento e desenvolvimento econômico. Nesse contexto, este estudo mensurou a contribuição da taxa de alfabetização sobre o crescimento da renda per capita dos municípios de Pernambuco, entre 2000 e 2010, através do arcabouço teórico de Solow (1956) e Mankiw et al. (1992). Para alcançar esse objetivo, utilizou-se um painel de dados balanceado, com as variáveis extraídas de fontes oficiais, a citar IBGE, BDE e IPEADATA. Os resultados evidenciaram que o aumento de 1% no consumo de energia (capital físico) e taxa de alfabetização (capital humano) provocam uma variação positiva de 0,19% e 0,38% na renda per capita dos municípios do Estado de Pernambuco. Constatou-se, ainda, que em todos os modelos estimados os efeitos do investimento em capital humano são superiores aos do capital físico sobre a renda per capita.


Palavras-chave


Crescimento Econômico; Capital Humano; Educação; Pernambuco.

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovitz, M. (1986). Catching up, forging ahead, and falling behind. The Journal of Economic History, 46(2), 385-406.

Acevedo, M. C., Montes, I., Maya, J. J. V., González, M. N. V., & Mejía, T. B. (2007). Capital humano: una mirada desde la educación y la experiencia laboral. Cuadernos de investigación, 56, 1-40.

Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil (2012). Perfil: Educação. Recuperado em 01 de outubro, 2019 de http://twixar.me/jPM1.

Barro, R. J. (1991). Economic growth in a cross section of countries. The quarterly journal of economics, 106(2), 407-443.

Becker, G. S. (1964). Human capital theory. Columbia, New York.

Becker, G. S., Murphy, K. M., & Tamura, R. (1990). Human capital, fertility, and economic growth. Journal of political economy, 98(5, Part 2), S12-S37.

Cangussu, R. C., Salvato, M. A., & Nakabashi, L. (2010). Uma análise do capital humano sobre o nível de renda dos estados brasileiros: MRW versus Mincer. Estudos Econômicos (São Paulo), 40(1), 153-183.

Cunha, A. F., & Nunes, S. F. (2016). Educação e Crescimento Econômico: Análise dos Municípios da Região dos Campos Gerais do Paraná. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, 17(3), 232-239.

Firme, V. D. A. C., & Simão Filho, J. (2014). Análise do crescimento econômico dos municípios de minas gerais via modelo MRW (1992) com capital humano, condições de saúde e fatores espaciais, 1991-2000. Economia Aplicada, 18(4), 679-716.

Firme, V.D.A.C., & Simão Filho, J. (2014). Análise do Crescimento Econômico dos Municípios de Minas Gerais através do Modelo de Solow Ampliado, com Inserção de Capital Humano e Condições de Saúde, 1991-2000: Um Estudo de Caso para Econometria Espacial. Área 1 - Economia Regional. BNB. Recuperado em 01 outubro, 2019, de http://twixar.me/jgM1.

Firme, V. D. A. C., & Freguglia, R. S. (2013). Análise do crescimento dos municípios brasileiros utilizando dados em painel e controles espaciais sobre o modelo de mankiw, romer e weil (1992) para o período de 1980 a 2010, in ‘. XVIII ANPEC Nordeste.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2011). Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios. Recuperado em 01 outubro, 2019, de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pib-munic/tabelas.

Irffi, G., Neto, N. T., Oliveira, J. L., Nogueira, C. A. G., Barbosa, M. P., & Holanda, M. C. (2008). Determinantes do crescimento econômico dos municípios cearenses, uma análise dos dados em painel. Economia do Ceará em debate 2008.

Lucas Jr, R. E. (1988). On the mechanics of economic development. Journal of monetary economics, 22(1), 3-42.

Mankiw, N. G., Romer, D., & Weil, D. N. (1992). A contribution to the empirics of economic growth. The quarterly journal of economics, 107(2), 407-437.

Mincer, J. (1958). Investment in human capital and personal income distribution. Journal of political economy, 66(4), 281-302.

Nakabashi, L., & Figueirêdo, L. (2005). Capital humano e crescimento: impactos diretos e indiretos. Textos para discussão CEDEPLAR UFMG, (267).

Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (2019). Banco de Dados do Estado (BDE) de Pernambuco. Recuperado em 01 outubro, 2019, www.bde.pe.gov.br.

Romer, P. M. (1990). Endogenous technological change. Journal of political Economy, 98(5, Part 2), S71-S102.

Salgueiro, A. D.S (2012). O papel do capital humano, spillovers e difusão tecnológica no crescimento. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná (UFPA), Curitiba, PR, 2012.

Schultz, T. W. (1961). Investment in human capital. The American economic review, 1-17.

Silva, A. M., & Resende, G. M. (2010). crescimento econômico comparado dos municípios alagoanos e mineiros: uma análise espacial. Revista Economia Política do Desenvolvimento, 1(6), 135.

Secretaria do Tesouro Nacional [STN] (2011). Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (SINCOFI). Recuperado em 01 outubro, 2019, de https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf.

Solow, R. M. (1956). A contribution to the theory of economic growth. The quarterly journal of economics, 70(1), 65-94.

Solow, R. M. (1957). Technical change and the aggregate production function. The review of Economics and Statistics, 312-320.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!