Percepção de Moradores e Visitantes sobre o gerenciamento do Parque Nacional do Catimbau (Pernambuco, Brasil)

Poliana Nunes de SANTANA, Sandro VALENÇA, Daniella RAMOS, Ana Clara Lira do NASCIMENTO, Italo Cavalcante da Silva SOARES

Resumo


O Parque Nacional do Catimbau (PNC) é uma Unidade de Conservação (UC) brasileira localizada no estado de Pernambuco. Como outras UC do País, ela enfrenta muitos desafios de gestão. Três se destacam: legislação ambiental; prática do turismo; e necessidades de aperfeiçoamentos decorrentes dos dois anteriores. O poder público — e a gestão do PNC, especialmente — enfrenta dificuldades para lidar com tais desafios, buscando equilibrar demandas conflitantes de dois grupos distintos de sujeitos — moradores do entorno do PNC (G1) e visitantes a ele (G2). Aqui, mapeiam-se as percepções de G1 e G2 acerca dos desafios mencionados, a fim de entender as consonâncias e dissonâncias de um grupo ante o outro. Para tanto, uma pesquisa qualitativa foi realizada. Seu corpus foi composto por entrevistas em profundidade concedidas pelos sujeitos dos grupos. Os principais achados sugeriram: dissonância de percepção entre os grupos quanto à legislação ambiental; falta de interesse dos moradores pela tomada de decisão afeta à gestão do PNC, sobretudo no que tange às práticas do turismo; e necessidade de decorrentes aperfeiçoamentos gerenciais, sem indicar, porém, quais eles seriam. Logo, recomenda-se a formulação de políticas públicas que atenuem demandas conflitantes existentes entre os dois grupos.


Palavras-chave


Unidade de Conservação; Parque Nacional do Catimbau; Legislação ambiental; Turismo.

Texto completo:

PDF

Referências


Aarts, B., & Bauer, M. (2002). A construção do corpus: Um princípio para a coleta de dados qualitativos. Editora Vozes.

Arruda, R. S. V. (2000). “Populações tradicionais” e a proteção dos recursos naturais em unidades de conservação. In A. C. S. Diegues (Org.), Etnoconservação: Novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos (pp. 273-290). São Paulo: HUCITEC.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G., Andreassi, T., & Vasconcelos, F. T. (2010). Inovação e sustentabilidade: Novos modelos e proposições. RAE – Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154.

Barthes, R. (2012). Elementos de semiologia. Editora Cultrix.

Bennett, C. F. (1983). Conservation and management of natural resources in the United States.

Brito, M. C. W. (2000). Unidades de conservação: Intenções e resultados (Vol. 123). Annablume.

Campos, A. C., & Castro, S. S. U. (2015). Unidades de conservação, a importância dos parques e o papel da Amazônia. Terra Livre, 1(26), 127-141.

Carneiro, A. R. S. (2010). Parque e paisagem: Um olhar sobre o Recife. Recife: Editora da UFPE.

Colchester, M. (1994). Salvaging nature: Indigenous peoples, protected areas and biodiversity conservation (Vol. 55). Diane Publishing.

Costa, H. M. C. (2008). Meio ambiente e desenvolvimento: Um convite à leitura. In E. V. Hissa (Org.), Saberes ambientais: Desafios para o conhecimento disciplinar (pp. 79-108). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Decreto de 13 de dezembro de 2002. Cria o Parque Nacional do Catimbau, nos Municípios de Ibirimirim, Tupanatinga e Buíque, no Estado de Pernambuco, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/dnn/2002/Dnn9771.htm.

Diegues, A. C. S. (2000). Conhecimento e manejo tradicionais: Ciência e biodiversidade. São Paulo: NUPAUB.

Diegues, A. C. S. (2004). O mito moderno da natureza intocada (5a ed.). São Paulo: HUCITEC.

Donkin, R. (2003). Sangue, suor e lágrimas: A evolução do trabalho. São Paulo: Makron Books do Brasil.

Drummond, J. A., Franco, J. L. A., & Oliveira, D. (2010). Uma análise sobre a história e a situação das unidades de conservação no Brasil. In R. S. Ganem (Org.), Conservação da biodiversidade: Legislação e políticas públicas (pp. 341-386). Brasília: Editora da Câmara dos Deputados.

Ferreira, R. V., Silva, C. R. M., Accioly, A. C., Santos, C. A., & Morais, D. M. F. (2017). Geoparque Catimbau e Pedra Furada (PE). Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Freire, N. C. F., Moura, D., Silva, J., Moura, A., Melo, J., & Pacheco, A. (2018). Atlas das caatigas – O único bioma exclusivamente brasileiro. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Godoi, C. K., & Mattos, P. L. C. L. (2006). Entrevista qualitativa: Instrumento de pesquisa e evento dialógico. In A. B. Silva, C. K. Godoi, & R. Bandeira-de-Mello. (Org.), Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, estratégias e métodos (pp. 301-323). São Paulo: Saraiva.

Gorini, A. P. F., Mendes, E. F., & Carvalho, D. M. P. (2006). Concessão de serviços e atrativos turísticos em áreas naturais protegidas: O caso do Parque Nacional do Iguaçu. Recuperado de https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/2487.

Higgins, W., & Hallström, K. T. (2007). Standardization, globalization and rationalities of government. Organization, 14(5), 685-704.

Hintze, H. C. (2009). Ecoturismo na cultura de consumo: Possibilidade de educação ambiental ou espetáculo? Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), 2(1), 57-100. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/ecoturismo/article/view/5846.

Holanda, S. B. (1995). Raízes do Brasil, de 1902 a 1982 (26a ed.). São Paulo: Companhia das Letras.

Instituto Brasileiro de Turismo. (1994). Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. Brasília: EMBRATUR. Recuperado de http://www.mma.gov.br/estruturas/sedr_proecotur/_publicacao/140_publicacao20082009043710.pdf.

Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm.

Lima, G. S. (2003). Criação, implantação e manejo de unidades de conservação no Brasil: Estudo de caso em Minas Gerais (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. Recuperado de https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/9250?show=full.

Machado, C. C. C., Gonçalves, C. U., Albuquerque, M. B. D., & Pereira, E. C. (2017). Protected areas and their multiple territorialities – A social and environmental reflection on Catimbau National Park-Brazil. Ambiente & Sociedade, 20(1), 239-260.

Martin, G. (2005). As pinturas rupestres do Sítio Alcobaça, Buíque (PE), no contexto da tradição do agreste.

Martins, L. C. A., Déjardin, I. P., & Silva, F. P. S. (2013). Reflexões sobre a importância da investigação histórica para o ecoturismo e o turismo de base comunitária. El Periplo Sustentable, (24), 187-207.

Medeiros, R. (2006). Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente & Sociedade, 9(1), 41-64.

Meirelles Filho, J. (2005). Ecoturismo e Amazônia: Biodiversidade, etnodiversidade e diversidade cultural. In L. G. G. Trigo (Org.), Análises regionais e globais do turismo brasileiro (pp. 555-566). São Paulo: Roca.

Merriam, S. B., & Tisdell, E. J. (2015). Qualitative research: A guide to design and implementation. John Wiley & Sons.

Miller, K. (2000). Planificación para el ecodesarrollo en Latinoamerica. In A. C. S. Diegues (Org.) (2004), O mito moderno da natureza intocada (p. 27) (5a ed.). São Paulo: HUCITEC.

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: HUCITEC.

Motta, F. C. P. (2004). Teoria geral da administração (2a ed.). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Netto, A. P. (2017). O que é turismo. São Paulo: Brasiliense.

Nobre, C. E. B., & Schlindwein, C. (2016). Borboletas no Vale do Catimbau: Guia de espécies e flores visitadas. Brasília (DF): Verbis Editora.

Pádua, M. T. J. (1997, novembro). Sistema brasileiro de unidades de conservação: De onde viemos e para onde vamos. In Anais Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (pp. 15-23).

Prado Jr., C. (2011). Formação do Brasil contemporâneo: Colônia. São Paulo: Companhia das Letras.

Prado, R. M. (2003). As espécies exóticas somos nós: Reflexão a propósito do ecoturismo na Ilha Grande. Horizontes Antropológicos, 9(20), 205-224.

Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento. (2013). Atlas do desenvolvimento humano no Brasil 2013. Recuperado de http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010.html.

Quintão, A. T. B. (1983). Evolução do conceito de parques nacionais e sua relação com o processo de desenvolvimento. Brasil Florestal, 54(2), 13-28.

Rocha, L. G. M., Drummond, J. A., & Ganem, R. S. (2010). Parques nacionais brasileiros: Problemas fundiários e alternativas para a sua resolução. Revista de Sociologia e Política, 18(36), 205-226.

Rylands, A. B., & Brandon, K. (2005). Unidades de conservação brasileiras. Megadiversidade, 1(1), 27-35.

Sachs, I. (2002). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamand.

Sachs, I. (2007). Rumo à ecossocioeconomia: Teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.

Sardinha, T. B. (2002). Tamanho de corpus. The ESPecialist, 23(2), 103-122.

Silva, E. D., Jr. (2013). Levantamento do potencial geoturístico do Parque Nacional do Catimbau – Como subsídio para criação de um futuro geoparque (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10550.

Silva, J. H., & Maia, F. B. A. (2008). O turismo no Parque Nacional do Catimbau: Avaliação dos benefícios da atividade percebidos pelos moradores. Turismo – Visão e Ação, 10(2), 204-220.

Silva, J. H., & Pires, M. L. L. S. (2016). Associativismo em áreas protegidas: Restrições e possibilidades na experiência dos guias de turismo do Catimbau, Pernambuco. Ambiente & Sociedade, 19(2), 169-186.

Soares, J. A. S., Alencar, L. D. [Layana]; Cavalcante, L. P. S., & Alencar, L. D. [Lays]. (2014). Impactos da urbanização desordenada na saúde pública: Leptospirose e infraestrutura urbana. Polêmica, 13(1), 1006-1020.

Valença, S. (2008). Modelo para elaboração de um sistema de gestão sustentável para um destino turístico de zona costeira: Um estudo em Porto de Galinhas, no município de Ipojuca, em Pernambuco (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/5107.

Valença, S., Bastos, A. F. S., Paz-e-Silva, K. M., & Sales, D. M. B. (2012). Turismo e sustentabilidade: Percepção de necessidades de nativos e turistas da Serra Negra (Bezerros-PE), à luz da fenomenologia. Revista Brasileira de Geografia Física, 5(6), 1408-1425.

Valença, S., Sobral, M. C. M., Ramos, D., & Cavalcanti, C. (2010). Prospective scenarios of the environmental management of the tourist destination of Porto de Galinhas based on the enlargement of the Industrial and Portuary Complex of Suape, Pernambuco. Management of Environmental Quality: An International Journal, 21(3), 336-350.

Vallejo, L. R. (2009). Unidades de conservação: Uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. Geographia, 4(8), 57-78.

Vital, A. V. (2018). As “florestas sagradas” do impasse: A reserva florestal do território federal do Acre (1911). Historia Ambiental Latinoamericana y Caribeña (HALAC) – revista de la Solcha, 8(1), 42-66.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!