Mulheres Empreendedoras e as Estratégias de Marketing nas Redes Sociais no Segmento da Moda

Emanuela Ana Paula da Silva, Marconi Freitas da Costa, Maria Raíza Ferreira de Moura

Resumo


O empreendedorismo feminino é uma prática que vem se desenvolvendo no polo têxtil do agreste de Pernambuco, sobretudo, ao considerar o mercado da moda e a utilização dos planos de marketing voltados para as mídias sociais. Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo analisar os perfis de mulheres empreendedoras, no segmento moda, como elas adotam estratégias de marketing e seus papeis como influenciadoras. Para tanto, foram realizadas nove entrevistas semiestruturadas com empreendedoras do polo têxtil de Pernambuco: Moda Center de Santa Cruz do Capibaribe, Parque das Feiras em Toritama, Polo Comercial em Caruaru. Para esta análise, o roteiro foi dividido em três categorias analíticas: empreendedoras, blogueiras e empreendedoras influenciadoras digitais. Os resultados corroboraram com a literatura acadêmica da área ao constatar a influência do empreendedorismo feminino no mercado da moda. As estratégias de marketing mostram-se mais efetivas no retorno financeiro e mais sensíveis no ato de vender.


Palavras-chave


Empreendedorismo feminino; Marketing; Polo têxtil

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, V. F., Castro, J. C., & Costa, M. F. (2017). Vantagem competitiva sob a luz da teoria RBV: uma análise no pólo de confecções de Pernambuco. Revista Brasileira de Administração Científica, 8, 97-115.

Bardin, Laurence. (2004). Análise de conteúdo. 3ª ed. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa : Edições 70.

Barreto, L. P. (1998). Educação para o empreen¬dedorismo. Educação Brasileira, 20(41), pp. 189-197.

Bayone, A., & Burrowes, P. (2019). Como Ser Mulher na Publicidade: Femvertising e as “novas” representações do feminino. CBR - Consumer Behavior Review, 3, 24-37. doi:https://doi.org/10.21714/2526-78842019v3specialp24-37

Chagas, F. C. D. (2000). O ensino de empreende¬dorismo: panorama brasileiro. In: Instituto Euvaldo Lodi. Empreendedorismo: ciência, técnica e arte.

Chiavenato, I. (2004). Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: Saraiva.

Chleba, Márcio (2000). Marketing Digital: novas tecnologias e novos modelos de negócios – São Paulo: Futura.

Costa, M. F., Vilarindo, J. C., & Costa, T. G. M. (2007). Determinantes da Decisão de Compra do consumidor no Setor Supermercadista. In: SEMINÁRIOS EM ADMINSTRAÇÃO, 10, 2007, São Paulo: Anais... FEA-USP, 2007.

Costa, M. F., & Farias, S. A. (2016). Efeitos da música ao vivo e mecanizada em ambientes de varejo supermercadista. Revista de Administração Contemporânea, 20(2), 154-174.

Costa, M. F., Costa, C. E., Angelo, C. F., & Moraes, W. F. A. (2018). Perceived competitive advantage of soccer clubs: a study based on the resource-based view. RAUSP Management Journal, 53(1), 23-34.

Costa, M. F., Farias, S. A., & Angelo, C. F. (2018). Chronic Regulatory Focus: Resist impulse consumption or let it happen? Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(4), 619-637.

Coulanges, F. (1996). A Cidade Antiga: estudos sobre o culto, o direito, as instituições da Grécia e de Roma. São Paulo: Hemus.

Danah Zohar. (2000). O ser quântico: Uma visão revolucionária da natureza humana e da consciência definida pela nova física. São Paulo: Best Seller.

Dillon, Susan(2014). Princípios de gestão de negócios de moda. Livro digital. Tradução: Márcia Longarço. São Paulo: Gustavo Gili.

Dolabela, F. (2006). O segredo de Luisa. São Pau¬lo: De Cultura.

Dornelas, J. C. A. (2008). Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dornelas, José Carlos de Assis. (2003). Empreendedorismo Corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas: 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Elsevier.

Fachin, O. (2006). Fundamento de metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva.

Ferreira, M. L. A., & Costa, M. F. (2020). No tan desvergonzadas: El empoderamiento de las mujeres gordas y sus cuerpos en los destinos de sol y playa. Estudios y perspectivas en turismo, 29(2), 472-500.

Fernandes, O. L. C. et al. (2019). Symbolic consumption and representation of self: a study of interactions in a virtual community of Ubuntu-Br users. Cadernos EBAPE.BR (FGV), 17, 717-731.

Freitas-da-Costa, M., Lima, R. F., & Santos, P. J. (2012). Comportamento do consumidor infantil: um estudo do consumo dos pais em supermercados através da influência dos filhos no momento da compra. Revista Administração em Diálogo, 14(2), 1-25.

G., Schiffman Lenon; Kanuk Leslie & Wisenblit Joseph. (2010). Consumer Behaviour 10 Ed. New York.

GEM “Global Entrepreneurship Monitor” (2016). Empreendedorismo no Brasil. Coordenação de Simara Maria de Souza Silveira Greco; diversos autores -- Curitiba: IBQP.

Gomes, A. F.; Santana, W. G. P. & Araújo, U. P. (2009). “Empreendedorismo Feminino: O Estado-da-arte”. In: Anais do Encontro da ANPAD. 33. São Paulo.

HAIR, J. F. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hisrich, Robert D., Peters, Michael P. & Shepherd A.(2009). Empreendedorismo; tradução Teresa Felix de Sousa. – 7. Ed.- Porto Alegre: Bookman.

Hogg, T. & Adamic, L. (2004). Enhancing reputation mechanisms via online social networks, 5th ACM Conference on Electronic Commerce, p. 236-237.

IEMI Indicadores: foram vendidos no varejo em agosto 503 milhões de peças de vestuário disponível em:< http://www.iemi.com.br/indicadores-foram-vendidos-no-varejo-em-agosto-503-milhoes-de-pecas-de-vestuario/> acesso em 08 out. 2018.

Kotler Philip; Kartajaya Hermawan & Setiawan Iwan (2010). Tradução Ana Beatriz Rodrigues. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano – Rio de Janeiro : Elsevier.

Kotler, Philip. (2000.)Administração de marketing. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall.

Lehnert, Gertrud (2000). História da moda do século XX. Colónia: Könemann.

Longenecker, J. G.; Moore, C. W. & Petty, J. W.(1997). Administração de pequenas empresas. São Paulo: Markron Books.

Minayo, Marília Cecília de Souza (2003) . Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

MODA CENTER SANTA CRUZ, Quem Somos. Disponível em:. Acesso em 25 out. 2018

Moore, Gwynet (2013). Promoção de moda. Tradução: Edson Furmankiewicz. São Paulo: Gustavo Gili.

Morais, Maria de Andrade(2006). O Mercado de Moda/ Vestuário feminino em Brasília, Brasília.

Palomino, É.(2002). A moda. São Paulo: Publifolha.

Priore, M. Del & Bassanezi, C. (1997). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Ribeiro, E. A. (2008). A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais, 4(4), 129-148.

Richard, Florida (2005) The Flight of the Creative Class: The New Global Competition for Talent.Nova York: HarperBusiness.

Schiffman, L. & Kanuk, L. (2000). Comportamento do consumidor. LTC Editora. 6 a ed.

Schumpeter, J. A. (1988). A teoria do desenvolvi¬mento econômico. São Paulo, Nova Cultura. Disponivel em: http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/894/2/20350692.pdf. Acesso em 05 de out. 2018.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.(2014). Desenhar não é o bastante para empreender em moda; perfil de negócios de moda.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.(2013). Estudo Econômico do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano. Recife: SEBRAE,PE.

Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.(2003). Estudo de caracterização econômica do Pólo de confecções do agreste Pernambucano. Recife: SEBRAE,PE

Sebrae, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2013). “Conexão Ano VII”; 39° ed. Sebrae-SP, São Paulo.

Stephen, Baker (2009). “What’s A Friend Worth?”, BusinessWeek.

Silva, M. J. B., Santana, S. A., & Costa, M. F. (2018). Com que Roupa Eu Vou? Compreendendo o Consumo de Vestimentas realizado por Empresárias de Confecções. REMark. Revista Brasileira de Marketing, 17, 788-805.

Strobino, M. R. C., & Teixeira, R. M. (2014). Empreendedorismo feminino e o conflito trabalho-família: estudo de multicasos no comércio de material de construção da cidade de Curitiba. Revista de Administração, 49(1), 59-76.

Toritama, Jeans(2018). Polo de Confecções. Disponível em: < http://toritama-jeans.com> Acesso em 11 nov. 2018.

Turchi, Sandra R. (2012). Estrategia de Marketing Digital e E-commerce. São paulo: Atlas.

Vale, G. M. V.; Serafim, A. C. F. & Teodósio, A. (2011). Gênero, Imersão e Empreendedorismo: Sexo Frágil, Laços Fortes?. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 631-649.

Vaz, C. A. (2008). Google Marketing: o guia definitivo de marketing digital. São Paulo: Novatec.

Vergara, S. C.(2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13. ed. São Paulo: Atlas.

Vieira, Gutemberg Alves (2015).Plano de Negócio como Fator Determinante na Criação e Gestão de Empreendimentos: Um Estudo em Micro e Pequenas Empresas Comerciais do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano, trabalho de conclusão de curso – UFPE, Caruaru, PE, Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!