Transtornos Mentais Comuns em Estudantes de Administração de uma Universidade Pública

Rayssa Arruda Melo, Elisabeth Cavalcante dos Santos, Pâmela Karolina Dias

Resumo


Resumo

Este trabalho, intitulado Transtornos Mentais Comuns em Estudantes de Administração de uma Universidade Pública, tem como objetivo analisar quais os transtornos mentais comuns entre estudantes do curso de Administração do Centro Acadêmico do Agreste, da Universidade Federal de Pernambuco. Para tanto, foi realizada pesquisa quantitativa, exploratória e descritiva com 256 estudantes. Foi realizada identificação sócio demográfica dos sujeitos, mapeamento dos transtornos mentais comuns, fatores que contribuem para os transtornos, e os mecanismos de enfrentamento utilizados. Dentre os resultados encontrados, destaca-se um maior índice de sintomas em estudantes do sexo feminino, fatores motivadores associados ao nervosismo e cobrança sobre si, bem como o uso predominante de instrumentos de defesa focalizados no problema e no suporte social.


Palavras-chave


Transtorno Mental Comum; Saúde Mental; Curso de Administração.

Texto completo:

PDF

Referências


Almondes, K. M. & Araujo, J. F. (2003). Padrão do ciclo sono-vigília e sua relação com a ansiedade em estudantes universitários. Estudos de Psicologia [online], 8(1) 37-43. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2003000100005.

American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed.

Andrade, Antonio dos Santos, Tiraboschi, Gabriel Arantes, Antunes, Natália Amaral, Viana, Paulo Vinícius Bachette Alves, Zanoto, Pedro Alves, & Curilla, Rafael Trebi. (2016). Vivências Acadêmicas e Sofrimento Psíquico de Estudantes de Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 831-846. https://dx.doi.org/10.1590/1982-3703004142015

Andrade, João Brainer Clares de, Sampaio, José Jackson Coelho, Farias, Lara Maciel de, Melo, Lucas da Ponte, Sousa, Dalmy Pinheiro de, Mendonça, Ana Luisa Barbosa de, Moura Filho, Francisco Felinto Aguiar de, & Cidrão, Ingrid Sorensen Marinho. (2014). Contexto de formação e sofrimento psíquico de estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 38(2), 231-242. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022014000200010.

Assis, A. D. (2010). Vida universitária e Saúde Mental: Atendimento às demandas de saúde e Saúde Mental de estudantes de uma universidade brasileira. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 2(4-5),159-177.

Assis, P. Uma breve história das doenças mentais: Um guia introdutório à psicopatologia e os sistemas diagnósticos de classificação. Disponível em: http://pablo.deassis.net.br/wp-content/uploads/2010/02/Transtornos-Mentais.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2018.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barreto, I. S., Bezerra, A. L. Q. & Barbosa, M. A. (2005). Assistência universitária – compromisso social. Revista da UFG, 7(2), dezembro. https://doi.org/10.5216/revufg.v7i2.48785.

Andrade, A. G., Duarte, P. C. A. V. & Oliveira, L. G. (2010). (Orgs.) I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e Outras Drogas entre Universitários das 27 Capitais Brasileiras. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD).

Cerchiari, E. A. N. (2004). Saúde mental e qualidade de vida em estudantes universitários. Tese (Doutorado em Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas). Campinas.

Castro, A. K. S. S. & Teixeira, M. A. P. (2014). Evasão universitária: modelos teóricos internacionais e o panorama das pesquisas no Brasil. Psicologia Argumento, 32(2).

Cartollo, R. C. (2013). Adaptação Acadêmica e Coping em Estudantes Universitários. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria) Rio Grande do Sul.

Costa, E. S. & Leal, I. P. (2008). Um olhar sobre a saúde psicológica dos estudantes do ensino superior: Avaliar para intervir. In: Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, 7; Anais[...]. Porto: Universidade do Porto. Disponível em: http://www.isabel-leal.com/Portals/1/PDFs/7congresso/vii-congresso-saude-pp-213-216.pdf. Acesso em: 07 de março de 2008.

Costa, E. S. & Leal, I. P. (2006). Estratégias de coping em estudantes do Ensino Superior. Análise Psicológica, 24(2), 189-199.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3a edição. Porto Alegre: Artmed/Bookman.

Cunha, M. A. B. et al. (2009).Transtornos psiquiátricos menores e procura por cuidados em estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica [online], 33(3), 321-328. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000300002.

Ferraz, M. F. & Pereira, A. S. (2002). A dinâmica da personalidade e o homesickness (saudades de casa) dos jovens estudantes universitários. Psicologia, Saúde & Doenças [online], 3(2), 149-164.

Fiorotti, K. P. et al. (2010). Transtornos mentais comuns entre os estudantes do curso de medicina: prevalência e fatores associados. Jornal Brasileiro de Psiquiatria [online], 59(1), 17-23. http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852010000100003.

Fonaprace/Andifes. (2016). IV Pesquisa do perfil socioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras 2014. Uberlândia: FONAPRACE/ANDIFES. Disponível em: . Acesso em 04 mar. 2018.

Fonseca, M. L. G., Guimarães, M. B. L. & Vasconcelos, E. M. (2008). Sofrimento difuso e transtornos mentais comuns: uma revisão bibliográfica. Revista de APS, 11(3), 285-294.

Furtado E. S., Falcone, E. M. O. & Clark, C. (2003). Avaliação do estresse e das habilidades sociais na experiência acadêmica de estudantes de medicina de uma universidade do Rio de Janeiro. Interação em Psicologia, 7(2), 43-51.

Giglio, J. S. (1976). Bem-estar emocional em estudantes universitários: Um estudo preliminar. Tese (Doutorado em Psicologia Médica e Psiquiátrica. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas). São Paulo, Campinas.

Muller, M. R., Guimaraes, S. S. (2007). Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de psicologia (Campinas), 24(4), p.519-528. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2007000400011

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2002). Relatório Mundial da Saúde. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Lisboa: Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde.

Seidl, E. M. F., Troccoli, B.T. & Zannon, C. M. L. C. (2001). Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17(3), 225-234. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722001000300004

Victoria, MS, Bravo, A, Felix, AK, Neves, BG, Rodrigues, CB, Ribeiro, CCP, Canejo, D, Coelho, D, Sampaio, D, Esteves, IM, Silva, JA, Marotta, L, Rosa, MS, Ribeiro, MY, Santos, NS, Barbosa, TB, Silva, TM, Brito, TM, Santos, VC, Lima, V, Saltoris, WP. (2013). Níveis de Ansiedade e Depressão em Graduandos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Encontro Revista de Psicologia, 16 (25) 163-165. https://revista.pgsskroton.com/index.php/renc/article/view/2447

Xavier, A., Nunes, A. I. B. L. & Santos, M. S. (2008). Subjetividade e sofrimento psíquico na formação do Sujeito na Universidade. Revista Mal-estar e Subjetividade, VIII (2), 427-451.

Zonta, R., Robles, A. C. C. & Grosseman, S. (2006). Estratégias de enfrentamento do estresse desenvolvidas por estudantes de medicina da Universidade Federal de Santa Catarina. Revista Brasileira de Educação Médica, 30, 147-153.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Submissão ABERTA para a próxima edição. Acesse as Diretrizes para Autorese envie-nos seu texto!