A anáfora sem antecedente explícito em cartas pessoais

Suzana Cortez

Resumo


Este trabalho investiga a ocorrência da anáfora sem antecedente explícito em cartas pessoais a fim de comprovar a proximidade desse gênero textual com a conversa espontânea. Pretende-se não só romper a visão dicotômica entre fala e escrita a partir de um aspecto da estrutura superficial do texto, mas também constatar a ampliação do conceito de anáfora. A teoria desenvolvida neste trabalho está baseada nos trabalhos de Apothéloz e Mondada (1995) que defendem a ocorrência da anáfora sem antecendente
explícito,  contrariando  o  que  propõe  a  noção  de  anáfora  em  geral,  conceituada  apenas  em   orno  da explicitude.

Texto completo:

PDF

Referências


APOTHÉLOZ, Denis. (1995). Nominalisations, réferents clandestines et anaphores

atypiques.

TRANEL

:143-173.

APOTHÉLOZ, Denis e REICHLER-BÉGUELIN, M-J. 1995. “Déterminant zero et anaphore”.

TRANEL

:177-201.

BERRENDONER, A e REICHLIER-BÉGUELIN, M-J (eds). (1995).

Du syntagme nominal aux objets-de discours. SN complexes, nominalisations, anaphores

. TRANEL 23.

KOCH, Ingedore G. Villaça e MARCUSCHI, L. A. (1997).

Processos de referenciação na

produção discursiva

. DELTA,

(número especial): 169–190.

MARCUSCHI, L. A. (1998)

.

Aspectos da progressão referencial na fala e na escrita no

português brasileiro. Recife, UFPE. (mimeo).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Ao Pé da Letra - Revista dos alunos da graduação em Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.