O trágico em “A hora e a vez de Augusto Matraga”, de João Guimarães Rosa

Paula Passarelli

Resumo


Objetiva-se a demonstração de que o conto “A hora e a vez de Augusto Matraga”, de João
Guimarães Rosa, pertence à especificidade trágica. Para dar conta desta tarefa, serão considerados o
enredo trágico (peripécia, reconhecimento, catástrofe), bem como a maneira de ser do protagonista a
caracterizar-se pela desmedida, hybris, acarretando tal especificidade a corrigenda, hamartía, de maneira
a possibilitar uma convivência em sociedade. Os conceitos de arte apolínea e de arte dionisíaca auxiliarão
na análise do conto, fazendo-se ambos presentes a partir das colocações nietzschianas presentes em A
origem da tragédia.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.