EDITAR PARA NÃO MORRER: UMA PRÁTICA LINGUÍSTICOFILOLÓGICA EM MANUSCRITOS BAIANOS.

Fabrício Santos Brandão

Resumo


O uso do texto como fonte de pesquisa primária pode apresentar certas implicações, principalmente
quando se referem à transcrição. Por isso, a presente proposta busca, por meio da edição
semidiplomática de manuscritos baianos, evidenciar o trilhar lingüístico‐filológico com o intuito de
salvaguardar a história e a escrita no âmbito da cidade de Feira de Santana e região circunvizinha, entre
os séculos XIX e XX.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.