Contrapontos: A identidade feminina em dois romances moçambicanos

Ana Paula Pertile

Resumo


Contrariamente à homogeneização de discursos globalizantes, o lugar
da diferença e do capital cultural que a representa é sintomático no discurso literário.
Apropriando-se do postulado teórico da intertextualidade - segundo Alós
(2012c, 2012d), Carvalhal (1994, 2003), Coutinho (1994, 2008), Guillén (1985),
Nitrini (2000) e Schmidt (2010) - e da amplitude de estudos que ela mobiliza,
este trabalho analisa o discurso de resistência às ordens hegemônicas a partir
de dois romances moçambicanos: Balada de amor ao vento (de Paulina Chiziane)
e A confissão da leoa (de Mia Couto). Assim, o discurso do Outro e o lugar da 

mulher moçambicana na literatura dessa nação configuram-se como os objetos
de análise privilegiados neste artigo.


Texto completo:

Sem título

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.