A crítica de Heidegger à subjetividade à luz de seu conceito de uma transcendência não-metafísica

Alexandre Arbex Valadares

Resumo


O presente artigo constitui um estudo do conceito heideggeriano de transcendência a partir de sua crítica à metafísica e à noção de sujeito, dando relevo à ideia de mundo como conjuntura e jogo, ou como estrutura
em meio  à  qual se dá a busca  de apoio do ser-aí  –  modo de ser que designa a condição humana  –  e na qual, ao mesmo tempo, se  oferece a abertura do ser-aí ao ser. Tal abertura, que designa a ideia mesma de
transcendência, não diz respeito a uma fuga do mundo, mas, antes, é dada na estrutura essencial do ser-aí como ser-no-mundo. Esta proposição encerra o sentido da expressão “transcendência não-metafísica”, ou transcendência imanente, sob a qual o conceito heideggeriano de transcendência é pensado.

Palavras-chave


Heidegger, ontologia, transcendência.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.