THE OPEN-ENDEDNESS OBJECTION AGAINST SOPHISTICATED DISPOSITIONALISM

Sérgio Farias de Souza Filho

Resumo


O disposicionalismo sofisticado propõe uma redução naturalista do conteúdo mental sustentando que o conteúdo semântico de um símbolo mental é determinado a partir das causas da ocorrência deste símbolo sob condições ideais, i.e., condições sob as quais apenas o referente do símbolo pode causar a sua ocorrência. Contudo, Paul Boghossian desenvolveu a objeção da não-limitação para demonstrar que não é possível especificar estas condições ideais em termos não-semânticos, o que invibiliazaria a redução naturalista do conteúdo proposta pelo disposicionalismo sofisticado. Meu objetivo neste artigo é argumentar que a objeção da não-limitação é falha.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.